Nicarágua elege Daniel Ortega, que, segundo mídia, adotou a tática Sergio Moro de prender adversários

Nicarágua elege Daniel Ortega, que, segundo mídia, adotou a tática Sergio Moro de prender adversários

O ex-juiz Sergio Moro faz escola na América Latina. A tática de prender Lula, adversário de 2018, foi copiado até na Nicarágua, segundo a velha mídia corporativa. Naquelas plagas, na América Central, o presidente Daniel Ortega ao assumir um novo mandato após 14 anos no poder, sem muita competição, teve sete candidatos da oposição presos. A eleição corre neste domingo (07/11).

Pela régua da burguesia brasileira, prender adversários para tirá-los da disputa presidencial vale aqui no Brasil enquanto é condenável nos países latino-americanos que contestam o neoliberalismo. No entanto, se fossem alinhados ao “Consenso de Washington”, estariam liberados para perseguir e eliminar opositores.

Com Lula preso, o candidato do então juiz da Lava Jato —Jair Bolsonaro— foi eleito fácil e Sergio Moro virou ministro da Justiça.

Ortega, que chegou ao poder nas urnas em 2007 e completará 76 anos na quinta-feira (11/11), se prepara para começar mais cinco anos como presidente, à frente da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN, à esquerda) e junto com sua poderosa esposa Rosario Murillo, 70 anos, concorrendo à vice-presidência pela segunda vez.

Sua permanência no poder não está em dúvida. O ex-guerrilheiro sandinista, que também governou na década de 1980 depois que o FSLN derrubou o ditador Anastasio Somoza em 1979, enfrenta cinco candidatos de direita, desconhecidos e rotulados como colaboradores do governo.

Um total de 13.459 seções eleitorais abertas às 07h local (10h horário de Brasília) para cerca de 4,4 milhões de eleitores convocados para também eleger 90 deputados de um Congresso que, como todos os poderes do Estado, está sob controle oficial.

“Não há ninguém em quem votar. Este é um circo eleitoral. Se eles têm tanta certeza de que as pessoas os amam, por que prenderam os candidatos à presidência?” , Disse uma secretária de 51 anos à AFP, sob anonimato.

Lorena Saborío, 59, uma ativista sandinista que organiza com uma lista que as pessoas vão votar em seu bairro de San José Oriental, mostrou seu dedo manchado como sinal de que votou: “Nem um passo atrás. O que está à vista não precisa de óculos. Este é o governo mais democrático que já tivemos ”, afirmou.

A atenção das eleições neste país centro-americano de 6,5 milhões de habitantes está voltada não para quem vai ganhar, mas para a participação e reação da comunidade internacional que considera estas eleições “nem livres nem democráticas”.

Em alguns centros de votação, formaram-se pequenas filas. O FSLN mobilizou casa em casa para chamar para votar, enquanto o Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (Cenidh) denunciou que há medo e controle social sobre a população que intimida as pessoas a votar.

Crise eleitoral
Essas eleições são realizadas três anos e meio depois dos protestos que exigiram a renúncia de Ortega e cuja repressão deixou pelo menos 328 mortos e mais de 100.000 exilados.

Com as eleições se aproximando, em junho começou uma ofensiva contra a oposição: três partidos foram declarados ilegal, sete candidatos presidenciais foram presos e outros 32 ativistas políticos e sociais, empresários e jornalistas, que se juntaram a cerca de 120 oponentes que ainda estão presos desde os protestos de 2018.

Os mais recentes detidos são acusados, segundo leis aprovadas no final de 2020, de minar a soberania, promover sanções internacionais, “traição à pátria” ou “lavagem de dinheiro”, como é o caso da candidata favorita da oposição, Cristiana Chamorro, filha da ex-presidente Violeta Barrios (1990-1997) e que se encontra em prisão domiciliar.

Ortega é apontado por seus críticos por “nepotismo” e por estabelecer uma “ditadura”. Ele acusa os oponentes de “conspiradores golpistas” patrocinados por Washington.

Na Costa Rica, onde milhares de exilados se refugiam, cerca de 1.000 nicaraguenses marcharam neste domingo pelas ruas da capital San José. “Estamos procurando aquele casal diabólico (Ortega e Murillo) para deixar o país e voltar à democracia”, disse Marcos Martínez.

Em Manágua, na altura da votação, a presidente do Conselho Superior Eleitoral (CSE), Brenda Rocha, convidou para a “festa cívica”.

O governo pretende convocar o diálogo, mas analistas críticos acreditam que é uma estratégia para ganhar legitimidade e que não será real com os oponentes presos ou exilados.

“Sem poder” vai “nos intimidar”
A comunidade internacional, liderada pelos Estados Unidos e pela União Europeia (UE), desqualificou as eleições anteriormente.

O presidente dos EUA, Joe Biden, cujo país, como a UE, sancionou o círculo íntimo de Ortega, assinará um arsenal de medidas sob a Lei RENACER para aumentar a pressão.

“Sem poder” vai nos “intimidar” com sanções, disse o chanceler da Nicarágua, Denis Moncada, durante a votação.

A situação na Nicarágua será debatida esta semana na Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), onde poderá ser considerada a suspensão do país no bloco regional.

Analistas alertam que o isolamento vai piorar a situação socioeconômica e desencadear migrações, embora o governo preveja um crescimento do PIB de 6% com a injeção de remessas -1,4 bilhões de dólares de janeiro a agosto-, créditos internacionais e ausência de restrições apesar da pandemia.

Cerca de 200 “escoltas eleitorais” e dezenas de jornalistas de países que o governo considera “amigos”, como a Rússia, foram credenciados.

Segundo o observatório independente “Urnas Abertas”, são “simpatizantes sandinistas” que substituem a observação internacional da OEA ou da UE e da mídia internacional.

Cerca de 30 mil policiais e militares do exército vigiam as assembleias de voto que encerrarão às 18h00, hora local (21h horário de Brasília). De acordo com o CSE, o resultado sairá por volta da meia-noite (3 horas de segunda-feira, dia 8 de novembro).

Com agência

Leia também

Canalhas, mil vezes canalhas: assumam! Por Kakay

Lei da Ficha Limpa barra candidatura de Deltan Dallagnol

Moro e a ‘República de Curitiba’ no julgamento das urnas em 2022, por Milton Alves