Boulos suspeita de manipulação política de dados sobre a pandemia em São Paulo

Compartilhe agora

O candidato do PSOL à Prefeitura de São Paulo, Guilherme Boulos, suspeita que o governo do estado de São Paulo esteja manipulando politicamente os dados sobre a pandemia para modificar a intenção de voto no próximo domingo (29), quando acontece a eleição do segundo turno.

“Aumento de internações leva Grande São Paulo a apresentar indicadores compatíveis com a fase laranja do Plano SP”, disse Boulos.” Dória e Covas precisam responder antes do segundo turno qual o plano para a pandemia”, cobrou o candidato do PSOL.

Segundo as autoridades sanitárias, a Grande São Paulo apresenta indicadores da epidemia de Covid-19 compatíveis com a fase amarela do Plano SP.

O Plano São Paulo regulamenta os estágios da quarentena no estado.

A piora foi puxada pelo aumento de internações em todas as seis sub-regiões da Região Metropolitana, e também pelo registro de mais de 40 internações por 100 mil habitantes.

De acordo com Boulos, São Paulo é a terceira cidade do mundo com mais casos de covid. Só fica atrás de Nova York e Cidade do México.

Covas já pode pedir música no Fantástico

Boulos enfrenta nas urnas o atual prefeito Bruno Covas (PSDB), aliado do governador João Doria (PSDB) e do presidente Jair Bolsonaro.

O candidato do PSDB na eleição paulistana já pode pedir música no programa Fantástico, da Globo, pois Covas tenta esconder seus padrinhos Doria e Bolsonaro, além do próprio vice na chapa, o vereador Ricardo Nunes (MDB), acusado de cometer violência contra a mulher e participação na máfia das creches em SP.

O ex-prefeito de SP, Fernando Haddad (PT), disse que, ao fugir do debate, o vice de Covas reconhece que não tem condições morais e intelectuais de enfrentar Erundina.

“Não se esqueça de Serra e Doria. Tucano não gosta da nossa São Paulo. Aperta 50 e vem. Boulos prefeito!”, recomendou o petista.

Datafolha: Guilherme Boulos dispara e vai a 45% em SP

Opinião do Blog do Esmael: Defender o povo contra o atraso e o bolsonarismo em São Paulo