UBES entra na Justiça pela suspensão das aulas em Manaus

Estudantes e professores já protestaram contra uma retomada insegura das aulas em Manaus. O Amazonas reabriu escolas da capital no dia 10 de agosto, sendo o primeiro estado com volta às aulas presenciais desde o começo da pandemia de coronavírus, em março. Apesar de ter apresentado um plano de segurança, na prática as escolas não possuem os equipamentos previstos, nem itens básicos de higiene.

Retomar as aulas presenciais tem sido um sonho para estudantes em tempos de pandemia, mas secundaristas se preocupam com sua segurança, da sua família, de funcionários e toda a sociedade. A UBES já entrou com uma ação judicial para isso e lança hoje o site https://m.ubes.org.br/abaixo-assinado-covid-amazonas para abaixo-assinado contra o Retorno Presencial dos Estudantes e Profissionais da Educação às escolas amazonenses.

“Temos vontade de voltar às aulas, mas nos preocupamos muito com nosso trajeto até a escola, com a falta de estrutura de segurança, com parentes que moram com alunos e estão no grupo de risco”, conta Sara Guimarães, vice-UBES no Amazonas.

A presidenta da UBES, Rozana Barroso, também destaca que para retornar as aulas presenciais é preciso diálogo. “Nós precisamos formar uma comissão com os profissionais de educação, da saúde, com os estudantes e com o Secretário de educação. Tudo que nós não precisamos são de máscaras largas, de falta de materiais, de aglomeração, de professores sem materiais de proteção e de represálias aos estudantes que denunciam o descaso nas escolas”. Rozana reforça que a Ubes repudia o retorno às aulas presenciais no Amazonas pela maneira irresponsável que foi feita.

“Nós temos muitos problemas na educação básica e precisamos de soluções. Precisamos de uma escola que esteja de verdade preparada pra nos receber e de políticas que combatam o agravamento da desigualdade social, da fome e da exclusão digital”, finaliza.

Situação delicada

A estudante e vice-UBES Sara lembra também que, como está programado um rodízio de estudantes, ainda precisam de estrutura e acesso à internet em casa, para os dias em que estarão no lar.

Kallel Naveca, estudante de Manaus e diretor da UBES, explica que a situação é muito delicada pois estudantes se preocupam com o ano letivo e, muitas vezes, com o sonho de entrar na universidade. Por outro lado, precisam de segurança básica para isso.

Nada disso foi pensado ou conversado com estudantes. “Nós gostaríamos de dialogar com o governo para organizar a volta às aulas”, termina Sara.

Responsabilidade dos estudantes

A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) afirma que entrou com uma “Ação Civil Pública” pela suspensão das aulas, uma vez que as medidas anunciadas pelo estado não estão sendo adotadas nem fiscalizadas.

Em julho, a entidade secundarista instituiu um Fórum para avaliar o ensino remoto e o plano de volta às aulas nos estados. Neste espaço, a diretoria da entidade defende uma série de cuidados para a retomada das atividades presenciais.

Desde o começo da crise do coronavírus, a UBES tem uma postura de responsabilidade e denúncia sobre a falta de planos nacionais, tanto para o ensino remoto quanto para a retomada das aulas presenciais em segurança.

LEIA TAMBÉM

 

Cuba anuncia testes em humanos de sua vacina contra o novo coronavírus

Instituições científicas de Cuba iniciarão testes clínicos de uma vacina contra o novo coronavírus na próxima semana, segundo informação da Prensa Latina divulgada na terça-feira (18).

Os ensaios serão realizados entre 24 de agosto e 11 de janeiro, com os resultados disponíveis em fevereiro de 2021. A vacina está sendo produzida pelo renomado Instituto Finlay em Havana.

O Registro Público de Ensaios Clínicos de Cuba e o Centro de Controle Estatal de Medicamentos, Equipamentos e Dispositivos Médicos anunciou a autorização para iniciar os testes em humanos da vacina cubana contra o coronavírus.

A partir da próxima semana, o governo vai iniciar o recrutamento de forma voluntária de 676 moradores da ilha, com idade entre 19 e 80 anos, que vão testar a vacina, nomeada de “Soberana 01”.

Essas pessoas não devem ter “alterações clinicamente significativas” e devem dar seu consentimento por escrito para receber a dose, disseram as autoridades.

A conclusão do estudo está prevista para 11 de janeiro e os resultados ficarão prontos em 1º de fevereiro de 2021 e publicados em 15 de fevereiro.

Com 11 milhões de habitantes, a ilha socialista conseguiu atuar com eficácia no combate a pandemia do novo coronavírus, com 3.408 casos, 88 mortos e 2.794 curados até a última segunda-feira (17).

Além do esforço cubano, vários países estão pesquisando uma vacina contra o coronavírus, entre eles Rússia, China, Estados Unidos e Reino Unido.

*Com informações de Prensa Latina

Carla Zambelli é diagnosticada com covid-19 e diz que fará tratamento com hidroxicloroquina

A deputada bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP) anunciou nesta quarta-feira (19) que testou positivo para o novo coronavírus.

Zambelli, que é uma das principais aliadas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Congresso, teve o diagnóstico da covid-19 confirmado na noite de ontem (18).

A deputada afirmou que está em isolamento social, não apresenta sintomas e iniciará o tratamento com hidroxicloroquina.

O medicamento não tem eficácia comprovada contra o vírus, mas o uso dele é estimulado por Bolsonaro e seus aliados.