Bolsonaristas invadem e vandalizam debate virtual de Ciências Sociais do IFPR

Um grupo de bolsonaristas entrou em um seminário virtual promovido por professores/as do Instituto Federal do Paraná e vandalizou o evento, fazendo ameaças, tocando música alta e postando imagens de pornografia.

O VI Encontro Virtual das Ciências Sociais do IFPR Paranaguá ocorreu na noite desta quarta-feira (3) e contou com a participação dos professores doutores Marcos Vinícius Pansardi (IFPR) e Alexsandro Eugênio Pereira (UFPR) e era aberto ao público, no ambiente virtual com áudio-visual.

Enfim, era mais uma atividade promovida pela instituição federal de ensino para tentar compensar as limitações impostas pela pandemia do Coronavírus.

Quase no fim do debate, um grupo com cerca de dez pessoas solicitou acesso ao ambiente virtual. Após entrarem, começaram a vandalizar a reunião. Houve ameaças, injúrias raciais, ataques de caráter sexual, misógino e político.

LEIA TAMBÉM
CUT reforça campanha pelo ‘Fora Bolsonaro’ em defesa da vida, do emprego e da democracia

Defensoria Pública da União pede “a cabeça” de Sérgio Camargo

Bolsonaro autoriza reajuste de 5% no preço do gás de cozinha

Os invasores fizeram referências ao presidente Bolsonaro e gritaram “Mito”, além de colocarem som alto. A mediadora começou a excluir um a um os invasores do ambiente e, após a confusão,  o debate seguiu.

Hoje, os professores envolvidos emitiram uma nota lamentando o ocorrido. Leia a seguir:

NOTA SOBRE OS ENCONTROS VIRTUAIS DAS CIÊNCIAS SOCIAIS – IFPR

Prezadas e prezados,

É com certo pesar que pedimos a atenção de todas e de todos os envolvidos da comunidade acadêmica. Nesta quarta-feira dia 03 de junho de 2020, durante a realização do VI Encontro Virtual das Ciências Sociais do IFPR Paranaguá, sofremos um ataque tosco, rude e autoritário, com caráter fortemente racista e misógino.

Durante a explanação dos professores doutores Marcos Vinícius Pansardi (IFPR) e Alexsandro Eugênio Pereira (UFPR) – pelo GoogleMeet – foi realizada uma intervenção violenta de um conjunto de pessoas que intentavam acabar com o debate saudável, fundamentado e democrático que acontecia e contava com mais de 70 ouvintes. Esta invasão cibernética impactou todas e todos os presentes: foram feitos comentários racistas e sexistas, gritos a favor do atual presidente da república, som alto para confundir a audiência, assédio das coordenadoras e exibição de cenas de pornografia.

Por se tratar de uma análise de dois cientistas políticos sobre o atual cenário brasileiro em tempos de pandemia, estes agressores – de modo primitivo – se sentiram autorizados a agir desta maneira, ameaçando todas e todos. O debate continuou após a remoção destes sujeitos exaltados. O evento apenas escancara a pertinência do tema em questão.

Vivemos um momento trágico e complexo em nível global. Queremos enfatizar que neste momento precisamos buscar serenidade. Estamos tomando medidas sérias e sólidas para enfrentar tal modelo de ativismo virtual violento, que está apenas começando. Passamos por uma agressão coletiva, passível de ser tipificada como crime cibernético.

Por sermos uma Licenciatura em Ciências Sociais, reforçamos o papel da Educação como ferramenta para construir a possibilidade do debate lúcido e comprometido, dentro e fora do Instituto Federal do Paraná – cuja missão é promover a democratização do ensino, da pesquisa e da extensão acadêmica, com qualidade e excelência características.

Os encaminhamentos logo serão partilhados com vocês, para garantir a nossa segurança nos próximos Encontros Virtuais. Pedimos um pouco de paciência e um voto de confiança. E agradecemos aquelas e aqueles que tem participado do projeto.

Enviamos a todas e a todos um forte abraço solidário, com a certeza de que nós das ciências humanas e sociais temos um papel central neste contexto histórico turbulento. Resistimos!

Amorosamente,
Organizadoras dos EVCS-IFPR

O Centro Acadêmico de Ciências Sociais também emitiu uma nota de repúdio:

Nota de repúdio aos ataques feitos no VI Encontro Virtual de Ciências Sociais do IFPR

A conjuntura política no Brasil em tempos de pandemia. O Centro Acadêmico Rosedir Mendes Costa do curso de Licenciatura em Ciências Sociais do Instituto Federal do Paraná – campus Paranaguá, vem através desta nota, pontuar nosso posicionamento frente ao ataque virtual ao encontro semanal do curso, realizado pelo Eixo de Humanos do campus.

Na noite de quarta-feira, dia 03 de junho de 2020, no VI Encontro Virtual de Ciências Sociais do IFPR, que tem como objetivo abordar temáticas acerca das relações socioculturais, políticas e econômica em tempos da pandemia do COVID-19, o encontro da noite tinha como tema “A conjuntura política no Brasil em tempos de pandemia”, no qual contávamos com a participação de um professor convidado e um docente do nosso curso, ambos atuantes e pesquisadores na área de Ciência Política. Cerca de 40 minutos após o início da fala do professor convidado, indivíduos não identificados, aproveitaram-se do fato dos encontros serem abertos ao público e invadiram a live. Logo começaram ataques verbais através dos microfones, interrompendo a fala do professor, causando confusão. Os ataques prosseguiram com falas de baixo calão, ataques de cunho político e ameaças constantes ao nosso espaço virtual. Dentre tantos os ataques, repudiamos veemente a ação feita por tais indivíduos, valendo-se de uma função disponibilizada pela plataforma utilizada, iniciou-se uma transmissão de tela, um dos invasores começou a exibir um vídeo de conteúdo pornográfico, mensagens automáticas lotaram o chat da reunião, falas machistas de caráter sexual foram deferidas às mulheres do grupo, era impossível ouvir qualquer docente. Provocando instabilidade na comunicação e espanto em todos e todas que estavam na reunião. Deste modo, os e as participantes foram se desconectando, o grupo invasor terminou sua ação apontando que iriam aplicar as mesmas ações em salas de outros grupos. Em estado de choque, docentes e estudantes debateram e deliberaram quais seriam as estratégias viáveis para continuar ou não os encontros, foi de comum acordo dar continuidade com as falas, visto que, entende-se que o objetivo das ações de grupos como esse é a tentativa de desestabilizar atividades construídas e feitas para debater a conjuntura política brasileira com seriedade.

O curso de Ciências Sociais tem como cerne o debate, questionamentos acerca de questões sociais, políticas econômicas e culturais, que contestam subjetividades produzidas pelo senso comum, produzindo e agregando conhecimentos as ciências humanas. Atestamos que este ataque fere não só as liberdades democráticas, como também a ciência, especialmente as ciências humanas, tão duramente contestada e atacada neste governo que não esconde suas representações fascistas. Ressaltamos que este espaço tem sido utilizado para estreitar relações e aproximar os e as estudantes, docentes e a comunidade externa do curso de ciências sociais. Em tempos tão sombrios, um período em que estamos isolados, reclusos e vulneráveis, impedidos de dar continuidade às nossas atividades presenciais, buscou-se, outros meios para nos conectarmos. As videoconferências têm sido realizadas através da plataforma Google Meets, permitindo que os debates continuem com qualidade e aberto à comunidade. Todos e todas presentes na reunião ficaram emocionalmente abalados, pois, esperávamos o mínimo de respeito, somos mulheres e homens, negros e negras, LGBTQ+, somos professores e professoras, somos pais e mães, somos estudantes, e exigimos respeito, independente de posicionamento político, classe, gênero, raça e orientação sexual.

Enfrentamos tempos difíceis, onde percebe-se as representações fascistas no atual governo, o descrédito na diferentes áreas da ciência brasileira. Enfrentamos tempos difíceis, posicionar-se contrário às ações inescrupulosas é um aval para sofrer violências. Estamos em tempos difíceis, onde se faz necessário hastear as bandeiras antifascistas, antirracistas, contra o machismo, sexismo, misoginia, contra a homofobia e qualquer discriminação. Historicamente a democracia brasileira sempre esteve em cordas bambas, com abutres totalitários rodeando o que foi conquistado com vidas, lutas e resistência. Nos colocamos como resistência a todo tipo de governo de viés totalitários e com representações fascistas.

A conduta deste grupo reflete a onda bolsonarista, que despreza a democracia brasileira, construindo uma figura despótica de um “mito” que menospreza a pluralidade de sua nação. Um chefe de Estado genocida, que não se importa com a vida dos e das brasileiras que tiveram suas vidas ceifadas pelo COVID-19, pela violência policial, pela fome e por outros tantos motivos que cabe ao Estado construir políticas públicas eficazes.

Construímos espaços de sociabilidade, debates e buscando integrar todos e todas, por isso os encontros sempre foram abertos para comunidade interna do campus e externa. Em tempo algum restringimos o acesso e participação em nossas atividades virtuais e/ou presenciais.
Sentimos muito pelo ocorrido, sentimos por todos e todas que vivenciaram essa situação inoportuna, mantemos em vista a importância do que fazemos. Hoje, nossas ações e produções geram impactos nas esferas sociais, política, culturais e econômicas da nossa sociedade. Intentamos que continuaremos resistindo todos os dias, pois este espaço é democrático, retornaremos dia após dia mais fortes e munidos de conhecimento. Valorizando a segurança e integridade de todos e todas que ocupam nossos espaços de diálogos.

Somos muito mais que esse ataque.
Somos muito mais que tudo isso.

Centro Acadêmico de Ciências Sociais do IFPR – Paranaguá