Fernando Haddad: “Não há UTI para a democracia!”

O ex-ministro e principal adversário de Bolsonaro na eleição de 2018, Fernando Haddad (PT), disse que é um erro minimizar os ataque à democracia vindos do presidente.

Segundo o petista, “quando o verme do autoritarismo se instala, não há respirador que supra o ar que faltará. Não há UTI para a democracia.”

Confira:

Haddad se dirige aos que tentam contemporizar os ataques autoritários de Bolsonaro contra a Democracia e as instituições, principalmente os poderes Legislativo e Judiciário.

LEIA TAMBÉM
Bolsonaro leva ‘puxão de orelha’ das Forças Armadas

Bolsonaro passa recibo e diz que não é coveiro; assista

Randolfe Rodrigues afirma que Bolsonaro não pode ficar impune por desrespeitar a Constituição

Apos as últimas atitudes do presidente está se formando um certo consenso na oposição de que é preciso unificar o discurso do “Fora, Bolsonaro!”.

Bolsonaro leva ‘puxão de orelha’ das Forças Armadas
O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, emitiu uma nota oficial que dá um ‘puxão de orelha’ no presidente Bolsonaro e seus arroubos antidemocráticos.

A nota é telegráfica, não entra em pormenores e diz o óbvio; que as “Forças Armadas trabalham com o propósito de manter a paz e a estabilidade do País, sempre obedientes à Constituição Federal.”

Ou seja, afasta qualquer sonho golpista que Bolsonaro possa acalentar. E, na sequência, afirma que o momento atual “exige entendimento” que é tudo o que Bolsonaro não tem se esforçado para alcançar.

Se Bolsonaro vai se comportar a partir de agora é difícil dizer, mas o estrago já está feito. Leia a íntegra da nota:

Nota oficial do Ministro da Defesa

As Forças Armadas trabalham com o propósito de manter a paz e a estabilidade do País, sempre obedientes à Constituição Federal.

O momento que se apresenta exige entendimento e esforço de todos os brasileiros.

Nenhum país estava preparado para uma Pandemia como a que estamos vivendo. Essa realidade requer adaptação das capacidades das Forças Armadas para combater um inimigo comum a todos: o Coronavírus e suas consequências sociais.

É isso o que estamos fazendo.

Fernando Azevedo e Silva
Ministro de Estado da Defesa