Huck é ‘arma secreta’ da Globo contra o PT em 2022

Petistas já sacaram que o “Projeto Huck” visa desmilinguir o PT no Nordeste e ajudar a reeleição de Bolsonaro.
A Rede Globo, após assumir sua verve bolsonarista, irá contribuir duplamente com o projeto de reeleição de Jair Bolsonaro (sem partido) na eleição de 2022.

Com o objetivo de tirar votos do PT, a emissora dos Marinha estuda a candidatura do apresentador Luciano Huck.

Parece loucura, mas não é.

O Estadão, que também reza pela cartilha bolsonarista, utiliza uma pesquisa em Picos (PI) para estudo de caso.

Na eleição de 2018, o petista Fernando Haddad teve 74,74% (30.013 votos) no segundo turno e Jair Bolsonaro, 25,26% (10.143).

Numa sondagem realizada em dezembro de 2019, Haddad caiu para 38,4, Huck ficou em segundo, com 24,8%, e Bolsonaro recuou para 20,1%. Em Floriano, Haddad teve 74,87% no segundo turno, com 24.011, contra Bolsonaro, 25,13%, com 8.059. Hoje, pelo levantamento, Haddad despenca para 37,9%, Huck dispara para 27,9% e Bolsonaro reduz o seu teto para 17,7%.

LEIA TAMBÉM
Contra ‘enigma da esfinge’ bolsonarista, saída é unir-se pela esquerda

Justiça proíbe paralisação de caminhoneiros; greve de petroleiros entra na 3ª semana

“Bolsonaro sabe que sairá da política algemado”, diz Pimenta

Ou seja, os barões da mídia identificaram que Huck tira votos do PT sobretudo no Nordeste brasileiro. Até agora, a região tem sido o bastião petista.

“Huck compete diretamente com o PT, qualquer que seja o candidato petista. Assim, suas chances presidenciáveis, que ainda são uma incógnita (como a própria candidatura), dependem de sua capacidade de tirar votos do PT, para então ser levado a sério entre os eleitores de Bolsonaro. De baixo para cima”, observa o Estadão por meio da pena de Eliane Cantanhêde.

O jornalão paulistano também tem um lampejo pelo qual enxerga a realidade: “inclusive considerando que o PT, mesmo ferido e dependente patológico de Lula, tem força, recall e discurso.”

Além do apresentador Luciano Huck no páreo, para ajudar no projeto de reeleição de Bolsonaro, a Globo também contribui para o processo “emprestando” a atriz Regina Duarte para o governo.