MBL mais pelego abandona as ruas e transa em público com Temer

Publicado em 17 novembro, 2019
Compartilhe agora!

O Movimento Brasil Livre, MBL, já não é mais o mesmo. Ícone da direita think tank* que aportou no País desde 2013, no impeachment da presidenta Dilma Rousseff, em 2016, parece ter abandonado as ruas e se tornado mais pelego.

Antes de mais nada um esclarecimento: pelego, de acordo com o dicionário, é uma pele de lã que fica entre o cavalo e o cavaleiro para evitar o atrito excessivo.

Dito isto, sem o vereador Carlos Bolsonaro, o Carluxo, nas redes sociais, o MBL ficou como um biruta de aeroporto. Dia é Maria e de noite é João. Ora, aplaude de pé o ex-senador Roberto Requião (MDB-PR), ora transa em público com o ex-presidente Michel Temer (MDB), um dos responsáveis pela desgraceira neste País.

Temer disse que o MBL, nessa fase mais pelega, poderia tranquilizar o Brasil.

“O MBL poderia, com essa juventude toda, com natural entusiasmo, encabeçar um movimento pela tranquilização do país”, afirmou o ex-presidente neste sábado (16) durante o 5º Congresso Nacional do Movimento Brasil Livre.

Temer também criticou o ex-presidente Lula, solto no dia 8 de novembro, por seu discurso “radicalizado” que busca a polarização política.

“Eu lamento muito que o ex-presidente Lula tenha se manifestado, nesses dias, aumentando essa radicalização ou, ainda, essa polarização [no País]”, disparou o emedebista, que igualmente foi preso pela Lava Jato em duas curtas ocasiões.

*Think tank: são redes neoliberais discretamente financiados pelo Departamento de Estado e o National Endowment for Democracy (Fundação Nacional para a Democracia – NED), braço crucial do soft power norte-americano.

LEIA TAMBÉM
Zumbis lavajatistas tentam ir às ruas neste domingo contra Gilmar Mendes

“A presença de Bolsonaro em um jogo do Grêmio nos ofende profundamente”, dizem torcedores antifascistas

Lula Livre já está habilitado para disputar a Presidência em 2022

Compartilhe agora!