Quem será o prefeito(a) de Colombo?

A tucana Beti Pavin concorreu mesmo barrada pela Lei da Ficha Limpa e isso poderá anular a eleição em Colombo. Foto: Foto: Milca Santos.

Dois dias depois das eleições municipais, os moradores do município de Colombo, na região metropolitana de Curitiba, ainda não sabem quem será o próximo prefeito. O clima de indefinição está começando a revoltar os moradores da cidade

Nas urnas, a mais votada foi Beti Pavin (PSDB). Ela obteve 51,5% dos votos válidos. O problema é que a tucana concorreu escorada num recurso contra o indeferimento de sua candidatura, na 1!ª e 2!ª instâncias da Justiça, que aguarda julgamento no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Ontem, este blogueiro anotou que a presidenta do TSE, ministra Carmén Lúcia, já avisou reiteradas vezes que os eleitos considerados fichas sujas não serão diplomados e que decisões de 1!ª e 2!ª instâncias da Justiça Eleitoral serão mantidas por aquela Corte Superior.

O advogado Rogério Carboni, em contato com o blog, contesta a informação aqui divulgada. Segundo ele, a questão está viva no TSE e ela tem grandes chances de reverter a decisão desfavorável e virar prefeita de Colombo!.

Os causídicos que operam! contra a tucana acreditam que o TSE manterá a decisão de indeferimento da candidatura e que nova eleição deverá ser convocada no município. Eles acreditam que, mesmo perdendo no TSE, Beti Pavin não será diplomada por contas das condenações por improbidade administrativa.

De acordo com o artigo 224, do Código Eleitoral, em caso de nulidade de votação, quando atingido mais de 50% do sufrágio, procede-se nova eleição para evitar que a minoria! assuma o poder, ou seja, o segundo colocado na disputa.

Resumo da ópera: Ninguém sabe ainda quem substituirá o atual prefeito J. Camargo (PSC).

Comentários encerrados.