TRT libera greve geral

O Tribunal Regional do Trabalho do Paraná decidiu pela legalidade da greve geral de motoristas e cobradores de ônibus, nesta sexta-feira (28), sem a necessidade de frota mínima.

O TRT-PR julgou nesta quinta-feira pedido de sindicatos Sinttrol e Snttemar, de Londrina e Maringá, Norte do estado, para a paralisação contra as reformas de Michel Temer.

As entidades sindicais foram representadas pelos advogados trabalhistas André Passos e Sandro Lunard.

“Essa é uma decisão histórica do TRT do Paraná. Cassou todas decisões de primeiro grau. Portanto, a sentença beneficia quaisquer categorias que estejam no protesto desta sexta”, comemorou Lunard.

Para o presidente da Federação dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Paraná (Fetropar), João Batista da Silva, essa decisão tranquiliza a categoria e por conta disso a adesão deverá ser grande.

“Vamos fazer todo o possível para que os trabalhadores integrem os protestos da Greve Geral, diante do grave momento que estamos passando e que exige a manifestação e luta dos trabalhadores”, disse o presidente da Fetropar.

De acordo com ele, a categoria já está sendo informada para que os ônibus não circulem nas primeiras horas da manhã.

“Eles saberão que estão protegidos por essa decisão judicial e acreditamos que a adesão será completa”, acrescentou. Para João Batista da Silva, o instrumento do “Dissídio coletivo preventivo de greve” é uma iniciativa inédita, durante uma greve geral, que partiu dos trabalhadores e garante preventivamente o amparo legal para o exercício do direito de greve.

Leia a íntegra da decisão do TRT-PR:

http://www.esmaelmorais.com.br/wp-content/uploads/2017/04/decisao_TRT.pdf

Veja também  Greve geral contra a carestia de alimentos entra no radar da oposição ao governo Bolsonaro