23 de fevereiro de 2016
por admin
39 Comentários

Coluna do Enio Verri: Massacre midiático e ódio seletivo contra o PT

Download áudio

Enio Verri*

Propagadas por uma elite midiática e uma parcela da sociedade, em sua maioria, pertencente às classes mais abastadas, as incoerências e inconsequências do conservadorismo e ódio seletivo beiram o ridículo, quando não, a insanidade e irresponsabilidade com os brasileiros

Sem a menor preocupação com provas ou com o respeito ao direito de defesa de qualquer brasileiro, o caça às bruxas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, forjado sob mentiras e boatos presentes nos meios de comunicação, revela-se cada vez mais como uma tentativa de criminalização do Partido dos Trabalhadores do que propriamente uma investigação judiciária.

Enquanto as manchetes tentam incriminar o ex-presidente, baseando-se em boatos, mentiras e opiniões individuais, buscando a todo custo ligá-lo a denúncias de corrupção, os tucanos continuam impunes ao massacre midiático e protegidos no judiciário.

Aécio Neves, delatado como beneficiado de propinas de Furnas e responsável pela construção de um aeroporto, com dinheiro público, na fazenda de seu tio; e Fernando Henrique Cardoso, também ex-presidente, acusado de um esquema de beneficiar empresas, de mandar dinheiro ao exterior de forma ilegal e de garantir emprego de uma funcionária fantasma no mandato de José Serra, parecem não ter com que se preocupar.

Escondido na grande mídia e de pouca importância para aqueles com ódio seletivo e para setores do judiciário, casos como dos tucanos não ganham a mesma conotação, nem os mesmos esforços para investigar denúncias de corrupção envolvendo a oposição – os boatos e supostos “amigos” nunca envolvem lideranças do PSDB.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, a jornalista Mirian Dutra, ex-amante de FHC, acusou o ex-presidente de bancar as suas despesas e de seus filhos no exterior por meio de um contrato fictício com empresa Brasif S.A. Importa Leia mais

1 de outubro de 2014
por esmael
12 Comentários

Comercial do PT acusa Marina de andar com “gente da ditadura”; assista

do Brasil 247
Um novo comercial do PT, que foi ao nesta quarta-feira 1!º, penúltimo dia de propaganda eleitoral gratuita, acusa a candidata Marina Silva (PSB) de andar com “gente da ditadura”. O vídeo de 30 segundos mostra a imagem da presidenciável ao lado de fotos de Jorge Bornhausen e de Heráclito Fortes.

Trata-se de mais um ataque duro contra a adversária da presidente Dilma Rousseff nessa reta final da campanha. No filme, o narrador descreve os políticos, que apoiam a candidatura de Marina, como representantes “dos ruralistas e dos banqueiros. Gente que vem lá do tempo da Arena e da ditadura”. “Se Marina tem alguma coisa de novo, certamente não são as suas companhias”, concluir o texto.

Marina subiu no palanque do candidato ao Senado pelo PSB de Santa Catarina, Paulo Bornhausen, filho de Jorge Bornhausen, e é apoiada por Heráclito, que é candidato a deputado federal pelo Piauí pelo PSB.

Cumprindo agenda na favela de Paraisópolis (SP), Marina rebateu aos ataques do PT na mesma moeda, citando nomes de políticos que apoiam a candidatura de Dilma, como José Sarney, Fernando Collor e Renan Calheiros, e dizendo que eles contradizem a história da presidente, que deveria ser honrada por ela.

“As companhias que a presidente tem, do Collor, do Sarney, do Maluf, do Renan Calheiros, do Jader Barbalho e tantos outros com certeza, essa sim, é a verdadeira contradição, a contradição mais profunda na trajetória das pessoas que deviam estar honrando a sua trajetória”, criticou.

Ao citar “companhias” de Dilma que também fizeram parte da Arena e são ligadas à  ditadura, a candidata admite, de certa forma, que, como os outros candidatos, se relaciona com a “velha política”.

Assista ao programa abaixo:

Leia mais