3 de março de 2015
por Esmael Morais
28 Comentários

Luiz Manfredini: “À luta, Dilma!”

Luiz Manfredini*

Em 1991, o colapso da URSS produziu dramática repercussão em Cuba, que há 30 anos já sofria a perversidade do bloqueio dos EUA. O impacto foi tão grande que logo o PIB cubano acabou reduzido em mais de 35%. Por falta de combustível, boa parte dos transportes voltou à  tração animal e o duro racionamento de alimentos obrigou o governo a distribuir pílulas de vitaminas e sais minerais para o povo subsistir. Diante de tão severas circunstâncias, Fidel Castro foi à s ruas explicar aos cubanos os desafios que viriam pela frente e conclamá-lo à  resistência.

No segundo semestre de 2005, a partir da CPMI que investigava o (impropriamente) chamado mensalão, a bandeira do impeachment do então presidente Lula ganhava corpo no parlamento e em setores da sociedade influenciados pelos bombardeios das elites e pela gritaria da classe média, todos amplamente reverberados pela mídia. Em dezembro daquele ano, o índice de ruim e péssimo de Lula atingia seu nível mais alto: 29%. Foi então que o presidente declarou publicamente que não teria o fim que tiveram dois ex-presidentes !“ Getúlio, suicidando-se, e Jango, deixando o país.!  Lutaria. Nós vamos para as ruas para defender o mandato que o povo nos deu!, garantiu. E foi. E ao povo, nas diversas ocasiões em que teve oportunidade, explicou os acontecimentos, pediu apoio para seu governo e o projeto de ampla significação social que defendia. Em poucos meses, as pesquisas mostravam uma excepcional recuperação.

O silêncio

Penso nessas duas circunstâncias que, embora distantes no tempo, mantém expressiva similaridade política, quando me detenho no atual cenário brasileiro. Após as eleições de outubro último a direita, certa de que as venceria, desencadeou um movimento – que só faz crescer – de cerco e aniquilamento da presidente eleita. Tanto na erosão da maioria que, teoricamente, o governo ainda mantém no parlamento (impondo-lhe, no entanto, derrotas importantes, como a eleição de Eduardo Cunha para a Presidência da Câmara dos Deputados), quanto no superdimensionamento das dificuldades econômicas (no que conta com o inestimável apoio da mídia), assim como na manipulação oportunista da operação Lava Jato, o conservadorismo procura criar na opinião pública a impressão de um país caótico, mergulhado na corrupção, politicamente apodrecido e com sua economia em frangalhos.

Mas enquanto a direita move-se, competente e diligente para ampliar sua base social de apoio, procurando com isso criar as condições políticas para o impeachment de Dilma, a presidente manteve-se reclusa nos primeiros 45 dias segundo governo, sem dizer palavra à  Nação, salvo em breves entrevistas ao final de eventos, quando disparou disc Leia mais

29 de setembro de 2013
por Esmael Morais
12 Comentários

“Debandada não tem a ver com Gomyde”, esclarece direção nacional do PCdoB

André Bezerra, do comitê central, confirma debandada no PCdoB do Paraná, ampliando-a ainda mais ao informar saída de Luiz Gin, da Fetiep, mas isenta o atual presidente do partido no estado: "Não tem a ver com Gomyde".

André Bezerra, do comitê central, confirma debandada no PCdoB do Paraná, ampliando-a ainda mais ao informar saída de Luiz Gin, da Fetiep, mas isenta o atual presidente do partido no estado: “Não tem a ver com Gomyde”.

O advogado André Bezerra, do comitê central do PCdoB, em mensagem, esclarece que a debandada ocorrida no partido do Paraná “não tem a ver com Gomyde”, como registrou este blog na manhã deste domingo (29). Leia o texto do dirigente comunista: ... 

Leia mais