Sergio Moro, João Doria e o caso Marina Silva

Sergio Moro, João Doria e o caso Marina Silva

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), vai se encontrar com o ex-juiz suspeito Sergio Moro (Podemos) na quarta-feira (08/12) e lhe fará uma “irrecusável” oferta para ser seu vice na chapa presidencial.

‘Em 2022, eu e Moro estaremos no mesmo campo’, disse amistosamente o tucano, que vem de uma vitória interna nas prévias contra o colega gaúcho Eduardo Leite.

Mas as aparências enganam com essa declaração “fofa” do governador do PSDB.

Doria está decidido a concorrer para presidente, custe o que custar, doa a quem doer.

O governador paulista vê “fogo de palha” em Moro, que não resistirá aos embates na campanha eleitoral de 2022.

Nos bastidores, Doria compara Moro a ex-ministra Marina Silva, que foi abatida por Aécio Neves (PSDB-MG) em 2014, na reta final do primeiro turno, depois de permanecer no segundo lugar durante quase toda a campanha.

O que parece justo e contratado na atualidade pode mudar radicalmente, tal qual ocorreu com Marina há quase oito anos.

Se ocorrer a “michelização” do presidente Jair Bolsonaro (PL) e a “marinação” do ex-juiz suspeito, para onde irão votos anti-Lula e anti-PT? João Doria tem um palpite: cairão em seu colo.

Portanto, o governador de São Paulo acredita no segundo turno entre Lula x Doria.

Sonhar não é pecado e não paga imposto.