China anuncia “cancelamento” dos EUA após visita de Nancy Pelosi a Taiwan

  • China interrompe negociações militares e sobre mudanças climáticas, sanciona Pelosi em contramedidas ‘sem precedentes’, mostra ‘determinação em proteger interesses centrais’

A China anunciou na sexta-feira oito contramedidas em resposta à visita altamente provocativa da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, à ilha de Taiwan, incluindo o cancelamento de conversas entre comandantes de teatro China-EUA, negociações de coordenação de políticas de defesa, mecanismo consultivo de segurança marítima militar e suspensão da cooperação sobre repatriação de imigração ilegal. controle de drogas e mudanças climáticas.

Também anunciou na sexta-feira a sanção de Pelosi e seus familiares imediatos, pois ela insistiu em visitar Taiwan, desconsiderando as sérias preocupações da China e a firme oposição, tornando-a a política norte-americana de mais alto escalão sancionada pela China. Analistas disseram que todas as contramedidas da China são “sem precedentes” e “muito necessárias” e mostraram a forte oposição da China à violação de seus resultados pelos EUA. Eles alertaram que os cancelamentos dos mecanismos de troca dos dois militares em vários níveis podem levar a mais confrontos potenciais se os EUA continuarem fazendo provocações, e os políticos dos EUA devem parar com ações maníacas e parar de semear o caos em todo o mundo.

As oito contramedidas feitas pela China estão listadas como o cancelamento das negociações de comandantes de teatro China-EUA, negociações de coordenação de política de defesa China-EUA (DPCT) e reuniões do acordo consultivo marítimo militar China-EUA (MMCA). 

Além disso, eles incluem a suspensão da cooperação China-EUA na repatriação de imigrantes ilegais; suspender a cooperação China-EUA em assistência jurídica em questões criminais; suspender a cooperação China-EUA contra crimes transnacionais; suspendendo a cooperação antinarcóticos China-EUA e suspendendo as negociações China-EUA sobre mudança climática.

Todo o cancelamento em três aspectos está relacionado aos mecanismos de trabalho entre os militares chineses e norte-americanos, o que significa que a confiança mútua entre os dois militares mergulhou no fundo, e as relações entre militares caíram para baixo e o os riscos de conflitos estão aumentando, disse Lü Xiang, especialista em estudos dos EUA na Academia Chinesa de Ciências Sociais, ao Global Times na sexta-feira.

Todas as necessidades de segurança – incluindo o avião que Pelosi voou desta vez – foram fornecidas pelo Departamento de Defesa dos EUA, e os militares e o Departamento de Defesa dos EUA prejudicaram a soberania e a segurança da China dessa maneira, o que tornou a comunicação entre militares não mais significativa, ele disse. 

Song Zhongping, especialista militar do continente chinês e comentarista de TV, disse ao Global Times que, como os EUA fizeram provocações sobre a questão de Taiwan, que é o principal interesse da China, o resultado final e a pedra angular das relações bilaterais e a China está tomando medidas para salvaguardar sua soberania, mais provocações dos EUA aumentarão a possibilidade de confrontos.

O Exército de Libertação do Povo Chinês (PLA) iniciou na quinta-feira a segunda fase de seus exercícios militares em larga escala que bloquearam completamente a ilha de Taiwan.

Através de exercícios militares de três dias, o PLA demonstrou a determinação e capacidade de resolver a questão de Taiwan a qualquer momento, mas também mostrou suas capacidades antiagressivas e de defesa de área. O cancelamento em três aspectos também significa que, com base nessas capacidades, o ELP pode tomar quaisquer contramedidas contra quaisquer ações ofensivas dos militares dos EUA, com base em como a situação evolui, disse Lü.

“O cancelamento também enviou um sinal claro aos EUA de que o lado chinês nunca aceitará que os EUA prejudiquem descaradamente as relações China-EUA sem sofrer consequências”, disse Lü.

A suspensão em cinco áreas tem um impacto muito maior nos EUA em comparação com a China, especialmente nas mudanças climáticas, disse Xin Qiang, vice-diretor do Centro de Estudos Americanos da Universidade Fudan, ao Global Times

Desde que o presidente dos EUA, Joe Biden, assumiu o cargo, ele fez um progresso diplomático significativo nas mudanças climáticas, onde qualquer progresso requer apoio e cooperação com a China, caso contrário, os EUA não conseguirão nada sozinhos, disse Xin. 

Além disso, outras áreas, como repatriação de imigrantes ilegais e cooperação no controle de drogas, preocupam muito os EUA, com um impacto relativamente pequeno na China, disse o especialista. Por exemplo, na cooperação para o controle de drogas, especialmente no combate à questão do fentanil, menos cooperação tornará o problema das drogas mais significativo nos EUA, mas terá pouco efeito na China.

As suspensões nessas áreas são um aviso para a Casa Branca, pois não tomou medidas para impedir a visita de Pelosi, em vez disso, jogou “bom policial e mau policial” e exigiu que a China não exagerasse. As promessas de Biden à China não foram cumpridas, disse Qi Kai, especialista em economia política internacional da Universidade de Ciência Política e Direito da China, ao Global Times.

Ele também observou que as contramedidas da China também visam deter países e políticos de outros países que estão considerando uma visita à ilha de Taiwan que atropela o interesse central da China em seguir o exemplo de Pelosi. 

O Comitê de Relações Exteriores da Câmara dos Comuns do Reino Unido está planejando uma visita a Taiwan provavelmente em novembro ou início de dezembro, informou o The Guardian na segunda-feira. O ministro das Relações Exteriores da Lituânia, Gabrielius Landsbergis, também twittou na quarta-feira que “Agora Pelosi abriu as portas para Taiwan muito mais, tenho certeza de que outros defensores da liberdade e da democracia estarão passando muito em breve”. 

Muitas áreas práticas em que os EUA e a China podem trabalhar juntos foram suspensas agora, o que significa que, se os EUA continuarem prejudicando os interesses da China no futuro, esses mecanismos de cooperação também serão cancelados, disse um especialista em assuntos internacionais de Pequim que preferiu não ser nomeado disse ao Global Times na sexta-feira. 

Essas contramedidas sem precedentes da China mostraram que as consequências da visita de Pelosi à ilha de Taiwan continuaram se expandindo, e o mecanismo de confiança já afetado entre a China e os EUA foi ainda mais prejudicado. No futuro, a retomada desses oito mecanismos exigirá negociações duras e de longo prazo, disseram analistas.

“As contramedidas da China também enviam um sinal a Washington: para esfriar e pensar cuidadosamente sobre que tipo de relações China-EUA os EUA querem?” Lu perguntou.

As oito contramedidas seguiram os exercícios militares em torno da ilha de Taiwan, que começaram na noite de terça-feira. As alfândegas do continente também anunciaram na quarta-feira a suspensão das importações de frutas cítricas e algumas importações de peixe congelado da ilha. Analistas disseram que as contramedidas da China são sistemáticas e não serão pontuais.

Não é surpreendente ver que a China tomou essas contramedidas e tais medidas são “muito necessárias”, uma vez que a visita de Pelosi representou uma provocação à soberania da China, violou gravemente o princípio de Uma Só China e os Três Comunicados Conjuntos e prejudicou a estabilidade no Estreitos de Taiwan, Diao Daming, professor associado da Universidade Renmin da China em Pequim, disse ao Global Times.

A China sempre enfatizou que a cooperação é a única direção certa para as relações China-EUA, mas as ações dos EUA forçaram a China a tomar as contramedidas necessárias, disse Diao, pedindo aos políticos dos EUA que parem com ações maníacas que prejudicam a estabilidade global e regional.

Os políticos dos EUA não devem subestimar o significado das relações China-EUA com o mundo e sua cooperação, e não devem subestimar que a comunidade internacional defende a justiça, nem devem subestimar a determinação do povo e do governo chinês em alcançar a reunificação nacional. Eles devem tomar medidas imediatas para corrigir os problemas, disse Diao. 

Pelosi encerra viagem à Ásia, deixa legado desastroso e confusão enorme para Biden, Taiwan

Moradores protestam contra visita de Pelosi a Tawian

A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, encerrou sua viagem destrutiva e de alto nível à Ásia após a parada final no Japão na sexta-feira e foi colocada na lista oficial de sanções do governo chinês por atropelar seriamente o princípio de uma só China. 

Com as cortinas caindo sobre a façanha política da mulher de 82 anos, que sempre será lembrada como uma encrenqueira imprudente e egocêntrica, a turnê de Pelosi na região – amplamente considerada como uma “viagem de formatura”, já que provavelmente perderá no próximos semestres – não deixou nada além de uma bagunça para a região da Ásia-Pacífico e para o mundo, além de causar um enorme dano aos interesses nacionais dos EUA. 

A visita de Pelosi a Taiwan, uma violação flagrante do princípio de Uma Só China e intrusão da soberania da China, levou a China a tomar medidas defensivas de natureza defensiva. À medida que os exercícios do Exército de Libertação Popular (PLA) ao redor da ilha continuam, o mundo está vendo claramente onde está a linha vermelha da China e percebeu melhor que os EUA não podem proteger os secessionistas da “independência de Taiwan”, mesmo através da própria força militar que os EUA têm orgulho em manter sua hegemonia global, disseram especialistas. 

O Ministério das Relações Exteriores da China anunciou na sexta-feira que planeja punir Pelosi e seus familiares imediatos porque ela desconsiderou as sérias preocupações da China e a firme oposição e insistiu em visitar a região chinesa de Taiwan. Isso interferiu seriamente nos assuntos internos da China, minou a soberania e a integridade territorial da China, pisou no princípio de uma só China e ameaçou a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan, disse o ministério. 

Falha na viagem

Os principais meios de comunicação nos EUA publicaram histórias questionando a viagem provocativa de Pelosi, que parecia se desviar da intenção dos EUA de aprimorar a estratégia do Indo-Pacífico, mas criou mais rachaduras entre os países asiáticos. Alguns estudiosos e estrategistas consideraram sua visita a Taiwan desnecessária e imprudente, o que serviu apenas a seus próprios interesses, mas criou uma potencial crise militar global sem motivo algum. O New York Times disse em um artigo que esta visita corria o risco de minar os esforços dos EUA com os aliados asiáticos, deixando os aliados se perguntando que dano havia sido causado, e há uma sensação entre eles de que eles foram “deixados de fora no frio para assistir” e o manuseio da visita foi preocupante. 

O Washington Post disse em um artigo de opinião que “os danos da visita imprudente de Pelosi a Taiwan devem ser contidos”, enquanto a CNN disse que a visita de Pelosi a Taiwan arrisca criar maior instabilidade entre os EUA e a China. 

Ignorando a oposição coletiva e as crescentes preocupações nos EUA sobre esta visita provocativa, a Casa Branca tentou defender o ato de Pelosi e transferir a culpa para a China – a defensora desse confronto.

O porta-voz do conselho de segurança nacional da Casa Branca, John Kirby, acusou na quinta-feira a China de lançar mísseis ao vivo perto da ilha, dizendo que “as ações provocativas de Pequim são uma escalada significativa e sua longa tentativa de mudar o status quo”.

Os EUA são os provocadores e encrenqueiros, e a essência da questão de Taiwan não é sobre democracia, é sobre a soberania e integridade territorial da China, disse Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, em uma coletiva de imprensa de rotina na sexta-feira. 

“Se um dos estados dos EUA tenta se separar do país, e outro país constantemente fornece vendas de armas e apoio político, o governo dos EUA e o povo americano permitirão isso?” ela perguntou.

A visita de Pelosi a Taiwan ofuscou o propósito original de sua viagem à Ásia, já que os EUA pretendiam aumentar a cooperação estratégica com seus aliados asiáticos por meio de sua estratégia Indo-Pacífico, mas toda a viagem foi apenas uma façanha política dela, Yang Xiyu, pesquisador sênior bolsista do Instituto de Estudos Internacionais da China, disse ao Global Times na sexta-feira. 

“O desempenho pessoal de Pelosi contradiz a estratégia nacional dos EUA, pois só acrescenta mais incertezas de segurança à região”, disse ele. Países asiáticos como a Coréia do Sul estão cuidadosamente equilibrando a China e os EUA em sua luta geopolítica e, quando se trata da questão de Taiwan, sua atitude seria ainda mais cautelosa, observou Yang. 

Tais considerações podem explicar por que o presidente sul-coreano Yoon Suk-yeol esnobou Pelosi durante sua visita a Seul na quinta-feira, acrescentou. 

Linha vermelha absoluta 

A viagem de Pelosi deixou uma enorme confusão não apenas para o Estreito de Taiwan, mas também para as autoridades separatistas do Partido Democrático Progressista (DPP) em Taiwan, pois seu atropelamento no princípio de Uma Só China – a linha vermelha absoluta da China – causou o decisivo resposta de Pequim, que também fez o mundo ver que a provocação imprudente está levando os secessionistas a um beco sem saída e os EUA não os apoiarão, disseram especialistas. 

Originalmente implantado em águas a sudeste da ilha de Taiwan em uma aparente missão para escoltar o voo de Pelosi para pousar em Taiwan na terça-feira, o grupo de ataque do porta-aviões Ronald Reagan da Marinha dos EUA recuou centenas de quilômetros para o leste durante a noite, depois que o ELP anunciou zonas de exercícios de tiro real a leste. da ilha, Zhang Junshe, pesquisador sênior da Academia de Pesquisa Naval do PLA, disse ao Global Times.

Isso refletiu totalmente as capacidades de dissuasão de longo alcance do PLA, disse Zhang.

As observações de Zhang são apoiadas por inteligência de código aberto, que mostrou que o porta-aviões USS Ronald Reagan estava em águas a leste do Estreito de Osumi, a cerca de 1.200 quilômetros de distância da ilha de Taiwan, na quinta-feira, quando a parte de tiro real dos exercícios do PLA começou. .

Isso mostra que os militares dos EUA reconhecem que o grupo de ataque de porta-aviões do qual se orgulha não é páreo para as capacidades anti-acesso e negação de área do ELP, ou pelo menos os EUA não estão comprometidos em proteger as forças secessionistas da “independência de Taiwan”. um custo tão alto para enfrentar o PLA, pois o PLA está firmemente determinado, totalmente confiante e completamente capaz de salvaguardar a soberania e a integridade territorial da China sobre a questão de Taiwan, um interesse central da China, disseram analistas.

Os lançamentos de mísseis convencionais da PLA Rocket Force em áreas marítimas designadas a leste da ilha de Taiwan demonstraram capacidades de negação de área, disse o coronel sênior Shi Yi, porta-voz do Comando de Teatro Oriental do PLA, em comunicado na quinta-feira.

Os exercícios de artilharia de longo alcance do Exército do ELP também destacaram o fato de que a ilha de Taiwan está tão perto do continente chinês, e foguetes de baixo custo disparados do continente podem cobrir a ilha. 

Comparado com isso, os EUA precisam implantar navios de guerra e aviões de guerra longe de sua terra natal, bem como manter bases no exterior, todas de alto custo e em risco de serem atacadas com capacidades de antiacesso e negação de área do PLA, caso intervenham. disseram analistas.

Encrenqueira anti-China

Pelosi não apenas deixou uma grande confusão para as autoridades secessionistas do DPP e as crescentes tensões no Estreito de Taiwan, como também causou maiores divisões na política dos EUA, especialmente sobre como lidar com a questão de Taiwan no futuro, disseram especialistas. 

“Provavelmente quando o governo Biden estava perto de fazer qualquer acordo com a China sobre a questão das tarifas, Pelosi fez o movimento provocativo, e tal confronto tornará difícil para a China e os EUA se comunicarem em um futuro próximo, o que será um enorme golpe para os interesses dos EUA”, disse Lü Xiang, especialista em estudos dos EUA na Academia Chinesa de Ciências Sociais, ao Global Times na sexta-feira. 

Desde que Pelosi começou sua carreira como legisladora em 1987, ela tem sido uma voz anti-China em quase todos os aspectos relacionados à segurança e aos resultados financeiros da China, de Taiwan a Hong Kong e Xinjiang, mas, infelizmente, ela colocou sua energia e capacidade em nas áreas erradas, observou Lü. “Em vez de fazer esforços para melhorar o desenvolvimento dos EUA e seu ambiente externo, ela se concentrou em criar mais divisões em seu próprio país, o que é muito patético”, disse ele. 

“Acho que Pelosi é uma aventureira, uma especuladora e uma destruidora da paz. Ela sabia claramente das possíveis consequências dessa visita, mas decidiu fazer essa viagem, que reflete as verdadeiras características de uma figura política que persegue certos interesses ignorando o aviso do riscos e consequências”, disse Wu Yongping, diretor do Instituto de Estudos de Taiwan da Universidade de Tsinghua, ao Global Times na sexta-feira. 

O status quo do Estreito de Taiwan entrou em um novo estágio e os exercícios militares atuais desempenham um papel importante no avanço de nosso processo de reunificação nacional, disse Wu, observando que isso também serve como uma educação sobre onde está a linha vermelha da China e quão forte é o país. capacidade e força de vontade são em termos de salvaguarda da soberania e integridade territorial para alcançar a reunificação. 

“Talvez a própria Pelosi não tenha percebido que um dia contribuiria para o processo de reunificação nacional da China dessa maneira”, disse Wu. 

China reage com justiça contra a intromissão japonesa enquanto Tóquio muda para a linha dos EUA em Taiwan

China dispara míssil em exercício militar. Foto: Xinhua

Continuando a atuar como ponta de lança dos EUA na Ásia, o primeiro-ministro japonês Fumio Kishida se reuniu com a presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, na sexta-feira, depois que ela fez uma visita altamente provocativa à ilha de Taiwan e criticou os exercícios militares da China ao redor da ilha, que, segundo analistas, mostravam o poder do Japão. cálculo para cooperar com os EUA na contenção da China enquanto expande sua própria força militar. 

Como a China expressou sua oposição aos recentes movimentos negativos do Japão na ilha de Taiwan, convocando o embaixador japonês na China para condenar os movimentos hostis do Japão, os analistas alertaram que os líderes japoneses devem saber que seguir de perto os EUA ao jogar a carta de Taiwan para provocar a China prejudicar ainda mais as relações bilaterais e incorrer em contramedidas.  

Na sexta-feira, Pelosi e uma delegação do Congresso dos EUA estavam no Japão na última parada de sua viagem à Ásia e tiveram uma reunião com o líder japonês Kishid, informou a Kyodo News, observando também que durante a reunião, Kishida “criticou fortemente os exercícios militares da China que “ameaçaram

Em resposta aos comentários de Kishida na sexta-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, disse em entrevista coletiva que os recentes movimentos dos líderes japoneses sobre a questão de Taiwan foram muito hostis e decepcionaram o povo chinês  .

Embora não tenha feito nenhum comentário específico sobre a provocativa visita de Pelosi à ilha de Taiwan nos dias anteriores, o Japão na quarta-feira, juntamente com outros membros do Grupo dos Sete (G7) e a UE, emitiu uma declaração que acusa injustamente a China sobre a questão de Taiwan, o que levou à cancelamento de uma reunião agendada entre os ministros das Relações Exteriores da China e do Japão em Phnom Penh, Camboja, na quinta-feira. 

Na quinta-feira, o Ministério das Relações Exteriores da China convocou o embaixador japonês na China, Hideo Tarumi , sobre a declaração negativa. 

Cálculo do Japão

Desde quarta-feira, os meios de comunicação japoneses prestaram muita atenção aos exercícios militares da China em torno da ilha de Taiwan. Enquanto participava de uma reunião ministerial com a ASEAN em Phnom Penh na quinta-feira, o ministro das Relações Exteriores do Japão, Yoshimasa Hayashi, pediu uma “parada imediata” dos exercícios militares da China.

Na sexta-feira, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, e o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, deixaram seus assentos, o que a mídia disse ser um “protesto” contra as críticas do Japão aos exercícios militares da China e às ações da Rússia na Ucrânia. 

O Japão adotou uma atitude de mudança em relação à visita de Pelosi – de abster-se de fazer comentários para cooperar ativamente com os EUA. Ele sabia desde o início que os EUA não tinham justificativa para que Pelosi visitasse a ilha de Taiwan, mas depois que a China iniciou as contramedidas, encontrou desculpas para atacar a China – por exemplo, alegando que os mísseis da China caíram em sua “zona econômica exclusiva”, Xiang Haoyu, um pesquisador do Instituto de Estudos Internacionais da China, ao Global Times. 

Na quinta-feira, o Japão disse que cinco mísseis lançados pela China durante os exercícios de tiro ao vivo “pousaram na zona econômica exclusiva do Japão” e transmitiram “oposição” à China por meio de canais diplomáticos.

Em resposta, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua, disse durante as coletivas de imprensa de quinta e sexta-feira que a China e o Japão não realizaram delimitação marítima em águas relevantes, portanto, não há ações militares da China sendo realizadas ou entrando na “zona econômica exclusiva” do Japão. .”

Não há base para o Japão reivindicar uma “zona econômica exclusiva” em águas relacionadas. Os EUA realizaram exercícios militares nas águas perto do Japão com frequência, então por que não ouvimos o Japão pular para acusar os EUA, perguntaram os analistas, observando que as respostas do governo japonês visam mostrar lealdade aos EUA e jogar como ponta de lança e cachorro latindo para os EUA. 

O Japão provavelmente caiu novamente em desordem delirante e quer usar essa chance para divulgar tópicos sobre as Ilhas Diaoyu, enquanto a China tem soberania sobre as Ilhas Diaoyu e a zona econômica exclusiva ao seu redor. Se os mísseis caíram nessas áreas, não há nada relacionado ao Japão, disse Tian Shichen, fundador da Instituição de Governança Global e diretor do Centro Internacional para a Lei de Operações Militares, ao Global Times.

Tian observou que o Japão quer usar os tópicos dos exercícios militares da China e a questão de Taiwan para causar problemas e atrair a atenção global. Nos últimos anos, prestou mais atenção ao Estreito de Taiwan, e seu recém-lançado white paper de defesa também mencionou a questão de Taiwan muitas vezes. Jamais abrirá mão de qualquer chance de causar problemas para a China ao conspirar com os secessionistas na ilha de Taiwan.

Não é surpreendente ver a resposta do Japão, pois uma situação tensa no Estreito de Taiwan e na região é o que o Japão quer ver – isso lhe dá desculpas para aumentar ainda mais a “ameaça da China” com os EUA, ganhar mais influência na região e alcançar o objetivo de acabar com a constituição pacifista, disse Diao Daming, professor associado da Universidade Renmin da China em Pequim, ao Global Times.

Diao observou que, ao contrário do Japão, a Coreia do Sul, outro importante aliado dos EUA na Ásia, agiu com mais prudência ao receber Pelosi. Isso mostrou que a Coreia do Sul ainda tenta manter um equilíbrio entre a China e os EUA, enquanto o Japão segue de perto os EUA para buscar seus próprios interesses sob a estratégia regional dos EUA, disse Diao, observando que todas essas diferenças são referências para a China se ajustar ainda mais. sua diplomacia em relação ao Japão e à Coreia do Sul. 

Em vez de se encontrar com Pelosi, o presidente sul-coreano Yoon Suk-yeol teve uma conversa telefônica de 40 minutos com ela, e muitos observadores interpretaram o acordo como um esforço do governo Yoon para evitar um fardo diplomático trazido por Pelosi. 

Xiang observou que, de fato, o Japão fez preparativos militares com os EUA em questões relacionadas à ilha de Taiwan. Se os EUA quiserem interferir, sairão de bases militares no Japão. É por isso que os líderes japoneses estão exaltando a situação atual no Estreito de Taiwan – eles esperam diminuir a oposição doméstica ao aumento do orçamento de defesa e à revisão da constituição pacifista.

Na questão de Taiwan, o Japão ficou com os EUA do lado da geopolítica, não do lado da justiça com a comunidade internacional. E se o governo Kishida optar por dificultar ainda mais a reunificação da China, isso prejudicará ainda mais as relações bilaterais, disse Yang Xiyu, pesquisador sênior do Instituto de Estudos Internacionais da China, ao Global Times. Yang disse que o governo Kishida deveria revisar o Comunicado Conjunto do Japão e da China em 1972 e o Tratado de Paz e Amizade China-Japão em 1978.

Dada a aliança EUA-Japão e o conluio de secessionistas de Taiwan com políticos japoneses, a China deve fazer preparativos completos ao considerar a retomada da ilha, disseram analistas, alertando que o Japão deve refletir seriamente sobre seus erros históricos ao povo chinês e na ilha de Taiwan.

Global Times