9 de março de 2016
por admin
16 Comentários

Coluna do Rafael Greca: Curitiba vira sapolândia punk; fada madrinha de Fruet cai no buraco da Lava Jato

Download áudio

Rafael Greca*

Visitei uma Curitiba sobre palafitas que Fruet, ao tentar enganar a torcida, chama de novo “Parque do Bugio”. Nada mais do que um segmento, não urbanizado, do Parque do Iguaçu dos mapas dos prefeitos Jaime Lerner e Saul Raiz.

Descubro que esta parte da cidade precisa mais do que um prefeito. Precisa de um Moisés que salve o povo das águas e do lamaçal da omissão e da corrupção. Fica além do Campo de Santana, pra lá do Bairro dos Cruz, ao sudoeste da Caximba, onde o rio Barigui desagua no rio Iguaçu.

O aterro criminoso com lixo e resíduos de construção civil. Há algo de podre no ar. Nos aguapés, que fedem a esgoto, o chorume mistura-se às águas. Uma sapolândia punk, podem crer, caros leitores.

Fruet é um sapo que agora não vira mais príncipe. Condenado à mentira publicitária, à propaganda enganosa, agora que sua “fada Madrinha de 2012”, a senadora Gleisi caiu no buraco enlamaçado do processo Lava Jato.

O prefeito Fruet mudou pra pior o transporte público de Curitiba. E “fez” o curitibano perder o transporte que o mundo chegou a tomar por modelo. Sem justificativa, Fruet mexeu Leia mais

4 de dezembro de 2015
por admin
2 Comentários

Coluna do Bruno Meirinho: Uma cidade refém dos empresários do transporte coletivo

Download

Bruno Meirinho*

A atual situação da gestão do transporte coletivo em Curitiba é emblemática: de um lado, temos todos os elementos demonstrando a absoluta irregularidade dos contratos com as empresas, dos benefícios indevidos aos empresários e uma tarifa abusiva; de outro, os empresários dizendo o funcionamento é “deficitário” e que a tarifa precisa aumentar mais ainda.

Talvez nenhuma outra conjuntura teria permitido dizer, com tanta clareza, como essas empresas de transporte formam uma verdadeira máfia. E o mais grave: talvez nunca sentimos de forma tão evidente como a cidade é refém dessa máfia.

Por um lado, o prefeito Gustavo Fruet (PDT) faz muito pouco para enfrentar o esquema das empresas do transporte. É vergonhosa a resistência meramente cenográfica da prefeitura e da Urbs frente às empresas. Simulam “enfrentamentos”, entram com ações perdidas na justiça, mas ignoram a parte mais importante: as pessoas na rua. Diante das manifestações de 2013, Fruet preferiu a passividade, desperdiçando a energia de todos que naquele momento se indignaram contra o cartel.

Por outro lado, é preciso ter clareza de como a cidade é refém das empresas de transporte coletivo. Mesmo que tivéssemos uma prefeitura mais corajosa e disposta a enfrentar as empresas, seguramente as consequências do enfrentamento seriam os locautes frequentes e outras condutas criminosas dos empresários do transporte coletivo.

É claro que condutas criminosas dos empresários poderiam ser punidas, mas isso levaria tempo, e, ainda que durassem apenas alguns dias, o maior dano já teria sido causado à cidade: o caos no transporte coletivo.

O mais trágico é que já não estamos muito longe do caos. Com a desintegração metropolitana, as tarifas abusivas, o descumprimento dos itens contratuais pelos empresários (como a renovação da frota), a burocracia kafkiana do cartão transporte, entre outros elementos do bizarro serviço de transporte coletivo da cidade, como ainda podemos temer o caos? Tem como ficar pior?

Já foi notado por muita gente, na CPI do transporte coletivo – com a atuação corajosa dos vereadores Bruno Pessuti (PSC) e Jorge Bernardi (REDE) – e na investigação do Tribunal de Contas do Estado, que a licitação do transporte coletivo de Curitiba teve uma série de absurdos. Entre eles, o episódio em que a cidade pagou, “voluntariamente”, uma “indenização” aos empresários do transporte coletivo que ganharam a licitação.

Há dois modelos de concessão de serviços públicos a empresas privadas, Leia mais

2 de dezembro de 2015
por admin
19 Comentários

Coluna do Rafael Greca: Não existe área calma onde ronca a motosserra

Download

Rafael Greca*

Três imagens recentes traduzem bem a desorientação do atual prefeito de Curitiba.

A primeira, o massacre das magnólias da Inácio Lustoza, derrubadas cruelmente pela prefeitura.

A segunda, o outdoor-pegadinha dos deficientes, narcisismo da infrutífera gestão publicitária municipal — que chamou mais atenção para a campanha que para o problema, feriu o CONAR, recebeu nota negativa da OAB-PR e foi rejeitado, como “brincadeira de mau gosto”, pelas sérias entidades que lutam com o devido respeito e cuidado pela inclusão dos nossos irmãos deficientes.

defic

E a terceira, a mal ensaiada jogada de rompimento do prefeito com o queimado PT na véspera da eleição, para escapar da ira de uma Cidade capital da Lava-Jato.

Sobre a primeira, disse o seguinte: não existe área calma onde ronca a motosserra. Foi o pensamento que saltou-me diante da cena terrível das perfumadas magnólias massacradas na rua onde fui menino, rua da casas de meus pais e meus avós,a rua Inácio Lustoza.

A troca do perfume de magnólias centenária pelos abusivos radares Consilux — máquinas mortas da indústria da multa, metálicas, sem folhas, sem perfume, sem viva natureza — desencadeou na consciência curitibana uma revolta e um processo de reflexão: a que ponto chegamos?

Que inconsciência é esta que desadministra Curitiba, capital que consagrou a área verde como princípio urbano?

arvores Leia mais

15 de abril de 2015
por Esmael Morais
9 Comentários

Fim da integração do transporte na Região Metropolitana é bomba estourando no colo de Fruet

romaA quebra de braço entre o governador Beto Richa (PSDB) e o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), que resultou no fim da integração financeira do transporte coletivo de Curitiba com a Região Metropolitana, atingiu de maneira nefasta um grande número de moradores das cidades no entorno da capital. Foi um duro golpe principalmente nos trabalhadores mais carentes, que dependem de ônibus e se locomovem por grandes distâncias para chegar ao trabalho. ... 

Leia mais