Vladimir Putin discursa na Praça Vermelha, em frente ao Kremlin

Vladimir Putin comanda Parada Militar no Dia da Vitória na Rússia; confira

Google News

► O povo russo nunca desistirá do amor pelo país, pelos valores tradicionais, diz Putin

Ao contrário do Ocidente, o povo russo nunca desistirá de seu amor pelo país, fé e valores tradicionais, disse o presidente russo, Vladimir Putin, em um desfile do Dia da Vitória na Praça Vermelha de Moscou na segunda-feira.

– Jamais abriremos mão do amor ao país, da fé, dos valores tradicionais, dos costumes ancestrais e do respeito a todos os povos e culturas. Quanto ao Ocidente, parece determinado a anular esses valores milenares – observou.

– Esta degradação moral abriu caminho para falsificações cínicas da história da Segunda Guerra Mundial, tentativas de incitar a russofobia, glorificar os traidores, zombar da memória de suas vítimas e apagar a bravura daqueles que lutaram e sofreram pela Vitória – disse o chefe de Estado.

Putin destacou que os Estados Unidos, principalmente após o colapso da União Soviética, “começaram a falar sobre seu excepcionalismo, que é humilhante não apenas para o mundo inteiro, mas também para seus satélites que têm que fingir que não percebem nada e aceitar tudo obedientemente”, enfatizou o presidente russo.

Rússia realiza desfile do Dia da Vitória na Praça Vermelha de Moscou

Um desfile militar para comemorar o 77º aniversário da vitória da União Soviética sobre a Alemanha nazista na Grande Guerra Patriótica de 1941-1945 ocorreu na Praça Vermelha de Moscou.

O desfile começou com a marcha do grupo de bandeiras da Guarda de Honra carregando a bandeira nacional russa e a lendária Bandeira da Vitória pela Praça Vermelha. A bandeira da vitória foi içada sobre o Reichstag por soldados da 150ª divisão soviética de rifles Idritskaya em maio de 1945.

O presidente russo Vladimir Putin, veteranos de guerra e convidados assistiram ao desfile do estande central na Praça Vermelha. O ministro da Defesa russo, general do Exército, Sergey Shoigu, revisou o desfile, que foi comandado pelo Comandante-em-Chefe das Forças Terrestres do Exército, Oleg Salyukov.

Este ano, a Parada da Vitória da Rússia na Praça Vermelha de Moscou envolveu 11.000 soldados e 131 itens militares e equipamentos especiais.

A parte aérea do desfile militar na Praça Vermelha de Moscou foi cancelada devido ao clima desfavorável.

– A parte aérea do desfile não acontecerá devido ao clima – disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, à agência russa de notícias TASS antes do início do desfile.

A parte aérea do desfile pretendia envolver 77 aeronaves de asa fixa e rotativa para representar o número de anos que se passaram desde o final da Grande Guerra Patriótica de 1941-1945.

Soldados russos antes do desfile na Praça Vermelha
MOSCOU, RÚSSIA – 9 DE MAIO DE 2022: Militares são vistos na Praça Vermelha de Moscou antes de um desfile militar do Dia da Vitória marcando o 77º aniversário da vitória sobre a Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial. Sergei Bobylev/TASS

As colunas de infantaria compreendiam 33 unidades de desfile que incluíam oficiais, sargentos e soldados de unidades e formações militares do Distrito Militar Ocidental, estudantes e cadetes de instituições de ensino militar, escolas de infantaria de Suvorov e Nakhimov e corpo de cadetes, membros do Movimento do Exército Jovem e representantes de outros ministérios e agências e a Sociedade Cossaca de toda a Rússia.

Militares russos que participaram de batalhas na região de Donbass também participaram do desfile militar na Praça Vermelha de Moscou.

Um tanque T-34 lendário tradicionalmente liderava a coluna mecanizada na Parada do Dia da Vitória.

A coluna mecanizada incluía veículos blindados off-road Taifun, veículos de combate de infantaria BMP-2, BMP-3 e Kurganets-25, T-72B3M, T-90M ‘Proryv’ e T-14 ‘Armata tanques de batalha principais, Iskander-M tático sistemas de mísseis, obuseiros Msta-S e sistemas de foguetes de lançamento múltiplo Tornado-G, sistemas de mísseis terra-ar Tor-M2, Buk-M3 e S-400 ‘Triumf’, lançadores Yars ICBM e veículos robóticos de combate Uran-9.

Putin coloca coroa de flores no túmulo de soldado desconhecido

Soldados russos no desfile do Dia da Vitória
Soldados russos desfilaram na Praça Vermelha em Moscou; ao fundo, o brasão da antiga URSS

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, colocou uma coroa de flores no Túmulo do Soldado Desconhecido, no Muro do Kremlin, nesta segunda-feira, em homenagem aos mortos durante a Grande Guerra Patriótica da União Soviética de 1941-1945 contra a Alemanha nazista.

Após a conclusão do desfile militar na Praça Vermelha de Moscou, Putin tradicionalmente visitava o Jardim de Alexandre.

O Túmulo do Soldado Desconhecido é um memorial de honra militar nacional da Segunda Guerra Mundial. Os restos mortais do Soldado Desconhecido foram transferidos de uma vala comum perto de Moscou e enterrados novamente em uma cerimônia solene no Jardim Alexander no Muro do Kremlin em 1966. O memorial que integra a Chama Eterna e um beco de cidades heróicas como seus principais elementos foi abriu no ano seguinte. O memorial foi posteriormente ampliado com um monumento às cidades russas de glória militar. A Guarda de Honra foi postada aqui em 1997 e agora é o Posto Nº 1.

Leia a íntegra do discurso de Vladimir Putin:

Kremlin, na Praça Vermelho, recebe Parada Militar no Dia da Vitória
Vladimir Putin discursa na Praça Vermelho, nas proximidades do Kremlin, em Moscou

Caros cidadãos da Rússia!

Caros veteranos!

Camaradas soldados e marinheiros, sargentos e capatazes, aspirantes e alferes!

Camaradas oficiais, generais e almirantes!

Parabenizo você pelo Dia da Grande Vitória!

A defesa da Pátria, quando seu destino estava sendo decidido, sempre foi sagrada. Com tais sentimentos de patriotismo genuíno, a milícia de Minin e Pozharsky levantou-se pela Pátria, partiu para o ataque ao campo de Borodino, lutou contra o inimigo perto de Moscou e Leningrado, Kiev e Minsk, Stalingrado e Kursk, Sebastopol e Kharkov.

Então agora, hoje em dia, você está lutando pelo nosso povo no Donbass. Para a segurança de nossa pátria – Rússia.

O dia 9 de maio de 1945 está para sempre inscrito na história mundial como um triunfo de nosso povo soviético unido, sua unidade e poder espiritual, um feito sem paralelo na frente e na retaguarda.

O Dia da Vitória está próximo e querido para cada um de nós. Não há família na Rússia que não tenha sido chamuscada pela Grande Guerra Patriótica. Sua memória nunca se apaga. Neste dia, no fluxo interminável do “Regimento Imortal” – filhos, netos e bisnetos dos heróis da Grande Guerra Patriótica. Eles carregam fotos de seus parentes, soldados mortos que permaneceram jovens para sempre e veteranos que já nos deixaram.

Temos orgulho da geração invicta e valente de vencedores, que somos seus herdeiros, e é nosso dever guardar a memória daqueles que esmagaram o nazismo, que nos legaram estarmos vigilantes e tudo fazermos para que o horror de uma guerra global não acontece novamente.

E, portanto, apesar de todas as divergências nas relações internacionais, a Rússia sempre defendeu a criação de um sistema de segurança igual e indivisível, um sistema vital para toda a comunidade mundial.

Em dezembro do ano passado, propusemos concluir um acordo sobre garantias de segurança. A Rússia convocou o Ocidente a um diálogo honesto, a buscar soluções razoáveis ​​e de compromisso, a levar em conta os interesses de cada um. Tudo em vão. Os países da OTAN não quiseram nos ouvir, o que significa que, na verdade, eles tinham planos completamente diferentes. E nós vimos.

Abertamente, os preparativos estavam em andamento para outra operação punitiva no Donbass, para uma invasão de nossas terras históricas, incluindo a Crimeia. Em Kiev, anunciaram a possível aquisição de armas nucleares. O bloco da OTAN iniciou o desenvolvimento militar ativo dos territórios adjacentes a nós.

Assim, uma ameaça absolutamente inaceitável para nós foi sistematicamente criada, aliás, diretamente em nossas fronteiras. Tudo indicava que um confronto com os neonazistas Bandera, em quem os Estados Unidos e seus parceiros mais jovens apostavam, seria inevitável.

Repito, vimos como a infraestrutura militar está sendo desenvolvida, como centenas de conselheiros estrangeiros começaram a trabalhar, houve entregas regulares das armas mais modernas dos países da OTAN. O perigo crescia a cada dia.

A Rússia deu uma rejeição preventiva à agressão. Foi uma decisão forçada, oportuna e apenas certa. A decisão de um país soberano, forte e independente.

Os Estados Unidos da América, especialmente após o colapso da União Soviética, começaram a falar sobre sua exclusividade, humilhando assim não apenas o mundo inteiro, mas também seus satélites, que têm que fingir que não percebem nada e engolem tudo.

Mas somos um país diferente. A Rússia tem um caráter diferente. Jamais abandonaremos o amor à Pátria, a fé e os valores tradicionais, os costumes de nossos ancestrais, o respeito a todos os povos e culturas.

E no Ocidente, esses valores milenares, aparentemente, decidiram cancelar. Tal degradação moral tornou-se a base para falsificações cínicas da história da Segunda Guerra Mundial, incitando a russofobia, elogiando traidores, zombando da memória de suas vítimas, apagando a coragem de quem venceu e sofreu a Vitória.

Sabemos que veteranos americanos que queriam vir ao desfile em Moscou foram efetivamente proibidos de fazê-lo. Mas quero que saibam que estamos orgulhosos de suas façanhas, de sua contribuição para a Vitória comum.

Honramos todos os soldados dos exércitos aliados – americanos, britânicos, franceses – participantes da Resistência, bravos soldados e partidários da China – todos que derrotaram o nazismo e o militarismo.

Caros camaradas!

Hoje, os milicianos de Donbass, juntamente com os combatentes do exército russo, estão lutando em sua própria terra, onde os combatentes de Svyatoslav e Vladimir Monomakh, os soldados de Rumyantsev e Potemkin, Suvorov e Brusilov lutaram contra o inimigo, onde os heróis da Grande Guerra Patriótica – Nikolai Vatutin, Sidor Kovpak, Lyudmila Pavlichenko lutaram até a morte.

Dirijo-me agora às nossas Forças Armadas e à milícia Donbass. Você está lutando pela Pátria, por seu futuro, para que ninguém esqueça as lições da Segunda Guerra Mundial. Para que não haja lugar no mundo para carrascos, punidores e nazistas.

Hoje inclinamos nossas cabeças diante da memória abençoada de todos cujas vidas foram tiradas pela Grande Guerra Patriótica, diante da memória de filhos, filhas, pais, mães, avôs, maridos, esposas, irmãos, irmãs, parentes, amigos.

Curvamos nossas cabeças diante da memória dos mártires de Odessa, que foram queimados vivos na Casa dos Sindicatos em maio de 2014. Diante da memória dos idosos, mulheres e crianças de Donbass, civis que morreram por bombardeios implacáveis, ataques bárbaros de neonazistas. Curvamos nossas cabeças diante de nossos camaradas de armas, que morreram a morte dos bravos em uma batalha justa – pela Rússia.

Um momento de silêncio é anunciado.

(Momento de silêncio.)

A morte de cada um de nossos soldados e oficiais é uma dor para todos nós e uma perda irreparável para parentes e amigos. O estado, as regiões, as empresas, os órgãos públicos farão de tudo para atender e ajudar essas famílias. Daremos apoio especial aos filhos dos camaradas mortos e feridos. O decreto do presidente sobre isso foi assinado hoje.

Desejo aos soldados e oficiais feridos uma rápida recuperação. E agradeço aos médicos, paramédicos, enfermeiros, equipe médica dos hospitais militares por seu trabalho altruísta. Uma profunda reverência a você por lutar por todas as vidas – muitas vezes sob fogo, na linha de frente, sem se poupar.

Caros camaradas!

Agora aqui, na Praça Vermelha, soldados e oficiais de muitas regiões de nossa vasta Pátria estão ombro a ombro, inclusive aqueles que chegaram diretamente do Donbass, diretamente da zona de combate.

Lembramos como os inimigos da Rússia tentaram usar bandos de terroristas internacionais contra nós, tentaram semear inimizade nacional e religiosa para nos enfraquecer e dividir por dentro. Nada deu certo.

Hoje, nossos lutadores de diferentes nacionalidades estão juntos na batalha, cobrindo uns aos outros de balas e estilhaços como irmãos.

E esta é a força da Rússia, a grande e indestrutível força de nosso povo multinacional unido.

Hoje você está defendendo o que seus pais e avós lutaram. Para eles, o sentido mais elevado da vida sempre foi o bem-estar e a segurança da Pátria. E para nós, seus herdeiros, a devoção à Pátria é o valor principal, um suporte confiável para a independência da Rússia.

Aqueles que esmagaram o nazismo durante a Grande Guerra Patriótica nos mostraram um exemplo de heroísmo para todos os tempos. Esta geração de vencedores, e sempre os admiraremos.

Glória às nossas valentes Forças Armadas!

Para a Rússia! Para a vitória!

Viva!

Com informações do Kremlin e TASS