Caiu a casa de Sérgio Reis e de deputado bolsonarista; PF faz operação por ordem de Moraes

Por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), o cantor Sérgio Reis e o deputado bolsonarista Otoni de Paula (PSC-RJ) são alvos de mandados de busca e apreensão expedidos pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na manhã desta sexta-feira (20/08).

A Polícia Federal cumpre 29 mandados foram autorizados pelo ministro Alexandre de Moraes e atendem a um pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), que apura manifestações e ameaças contra as instituições.

A PF foi ao menos a quatro endereços no Rio e em Brasília ligados a Sérgio Reis, na casa e no gabinete do deputado Otoni de Paulo.

Em nota à imprensa, a Polícia Federal explicou a operação de hoje:

“O objetivo das medidas é apurar o eventual cometimento do crime de incitar a população, através das redes sociais, a praticar atos violentos e ameaçadores contra a Democracia, o Estado de Direito e suas Instituições, bem como contra os membros dos Poderes.

Leia também

Sergio Reis, após choro, disse que pediu estudo sobre impeachment de ministros do STF

Após perder dignidade, Sérgio Reis perde parceria com o cantor Guarabyra

Sergio Reis mesmo chorando com medo de prisão pede estudo de impeachment de ministros do STF [vídeo]

Veja quem paga pelo radicalismo de Sergio Reis

No Rio, agentes da PF estiveram no Anil e na Barra da Tijuca, na Zona Oeste.

Na semana passada, o cantor Sérgio Reis convocou manifestação contra ministros do STF e o Congresso, no dia 7 de Setembro, açulou paralisação de caminhoneiros e ameaçou [em áudio vazado] “invadir” e quebrar tudo. O intérprete de “Panela Velha” ficou irritado com a prisão de Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, por envolvimento com milícias digitais.

O ministro Alexandre de Moraes, que autorizou a operação da PF, é o relator do inquérito no STF acerca das milícias digitais que atentam, segundo ele, contra autoridades e instituições democráticas.

O Blog do Esmael soube que Sérgio Reis chorou novamente ao abrir a porta de sua casa, às seis da manhã, e se deparar com o “Japonês da Federal” na busca e apreensão.