TRF-4: fazenda Araupel pertence à União

Deu ruim para os grileiros de terra no Paraná.

Por 4 votos favoráveis a 1 contra, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) decidiu nesta terça (1º) que a Fazenda Rio das Cobras pertence à União, e não à Araupel.

Ironicamente, a Araupel chegou a cantar vitória antecipada no dia 13 de junho último, quando o julgamento estava 2 votos a 1. Chegou a pagar anúncios na velha mídia paranaense. Mas a Arapuel foi desmentida no novo acórdão proferido hoje pelos desembargadores do tribunal.

Venceu a tese do Ministério Público Federal que pedia a nulidade do título do Assentamento Celso Furtado, portanto, a propriedade retornou à União.

A área também vinha sendo disputada pelos trabalhadores do MST, que a havia ocupado em julho de 2014.

A área tem cerca de 35 mil hectares no município de Rio Bonito do Iguaçu e Quedas do Iguaçu, região Sudoeste, cujas terras tinham sido griladas pela fazenda Araupel.

Cerca de 3 mil famílias do Acampamento Herdeiros da Luta 1° de Maio reivindicam a área grilada que pertencer à União para fins de reforma agrária.

Em julho de 2014, quando concorria ao governo do estado, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) apontou a Araupel como sendo invasora de propriedade pública e comparou a empresa ao tráfico de drogas.

“Temos que garantir o emprego, mas verificar quem é o dono desta terra. O tráfico de drogas dá emprego para 100 mil pessoas, isso quer dizer que temos que manter o tráfico, que é ilegal?”, comparou ao ser inquirido sobre a questão.

Requião ainda disse que “não se pode defender uma invasão, mas não estou falando de uma ocupação de pessoas desesperadas por um pedaço de terra”.

O deputado Requião Filho (PMDB), em sua coluna de 28 de maio de 2015, aqui no Blog do Esmael, voltou ao tema para denunciar que a Araupel tinha doado R$ 150 mil para a campanha de reeleição do governador Beto Richa (PSDB). Segundo o parlamentar, à luz da Justiça, a empresa é considerada “invasora”.

Veja também  Lula inicia visita ao México nesta terça-feira e diz que antipolítica de Bolsonaro será derrotada nas urnas

Em abril de 2016, numa ação de desocupação pela PM, dois trabalhadores do MST foram assassinados. Na opinião da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), à época, as mortes foram resultado do desprezo com que o governo do estado trata as demandas sociais.

Com informações do blog Olho Aberto Paraná

Comments are closed.