5 de Março de 2014
por esmael
28 Comentários

Joaquim Barbosa decide na àfrica se será ou não candidato

do Brasil 247
Longe do braseiro que provocou ao reconhecer que penas da AP 470 foram elevadas artificialmente para evitar a prescrição, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, cumpre agenda oficial na àfrica.

Enquanto advogados cobram sua saída da Corte e a possibilidade de um novo julgamento, o magistrado tem outra preocupação em mente. Declaradamente interessado em se engajar na política e com intenção de se aposentar este ano, ele tem sido cortejado por partidos políticos como arma de oposição à  reeleição de Dilma Rousseff.

Em pesquisas nacionais para presidente, ele chega a 15% das intenções de voto. O PSB, do presidenciável Eduardo Campos, e o PDT, de Carlos Lupi, estão no páreo para lançar o polêmico juiz em 2014.

No entanto, Barbosa parece mais propenso a aceitar o convite do PV. Segundo Ilimar Franco, do Globo, ele começou conversas informais com dirigentes do partido e prometeu pensar, na àfrica, na possível filiação.

A ideia é Barbosa disputar o Senado pelo Rio de Janeiro, na chapa de Alfredo Sirkis, candidato verde ao governo estadual.

O presidente do STF deve retornar ao Brasil no dia 10 de março, já com a decisão. Ele embarcou no último sábado (1!º) para uma semana de encontros com autoridades de Gana, Benin e Angola, para profundar as relações entre o Supremo brasileiro e países africanos.

Na volta, comandará a continuação do julgamento dos recursos do processo do chamado mensalão!. Derrotado na última fase dos embargos infringentes – Supremo absolveu oito acusados do delito de formação de quadrilha, Barbosa levará ao plenário a decisão se mantém ou não condenações a três acusados do crime de lavagem de dinheiro, entre eles o ex-deputado federal João Paulo Cunha (PT).