24 de janeiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Trabalhadores protestam contra venda da Embraer para a Boeing em São José dos Campos

Trabalhadores protestam contra venda da Embraer para a Boeing em São José dos Campos

Trabalhadores da Embraer realizaram na quarta-feira (23) um ato de protesto contra a venda da empresa para a Boeing, transação chancelada pelo governo Bolsonaro. A manifestação foi promovida pelo Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SP). ... 

Leia mais

12 de janeiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Sindicatos vão a Brasília exigir veto à ‘entrega’ da Embraer para a Boeing

Sindicatos vão a Brasília exigir veto à ‘entrega’ da Embraer para a Boeing

Dirigentes dos sindicatos de metalúrgicos de São José dos Campos, Araraquara e Botucatu estarão em Brasília na segunda-feira (14) para procurar o Governo Federal e insistir para que a venda da Embraer à norte-americana Boeing seja vetada.  Ontem (sexta), a Presidência da República anunciou, em nota oficial, que não vetará a transação comercial entre as duas empresas.

Os sindicatos irão aos ministérios da Defesa e da Casa Civil para expor as razões pelas quais o governo federal deveria vetar a venda da Embraer. Entre as consequências da operação está a entrega de 50 anos de desenvolvimento tecnológico num setor estratégico para o país e a ameaça de fechamento de postos de trabalho. Hoje a Embraer emprega 16 mil trabalhadores no Brasil.

Além disso, o acordo traz características que não são de uma joint venture, mas de venda da empresa brasileira. Com isso, coloca-se em risco a soberania nacional.

O próprio presidente Jair Bolsonaro já havia feito ressalvas em relação à brecha do acordo que permitirá a venda dos 20% restantes da Embraer dentro de cinco anos. Mais uma vez, ele recuou.

“Em cinco anos termina o período de maturação das vendas do jato E2. Caso a Boeing decida tirar a aeronave do mercado e não trouxer novos projetos para o Brasil, a Embraer inevitavelmente será fechada”, afirma o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos Herbert Claro.

Leia mais

17 de dezembro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Sindicatos entram com ação civil pública contra ‘acordo entre Embraer e Boeing’

Sindicatos entram com ação civil pública contra ‘acordo entre Embraer e Boeing’


Sindicatos de metalúrgicos de São José dos Campos e Região do Vale do Paraíba, Araraquara e Botucatu entraram com ação civil pública contra a aprovação do acordo entre Embraer e a norte-americana Boeing divulgada nesta segunda-feira (17).”Ao contrário do que está escrito no acordo, não se trata de joint-venturi, mas de aquisição. A Boeing terá 80% do capital social e 100% do controle operacional e de gestão da nova empresa. O que fere a lei”, denunciam os sindicatos.

As entidades programaram um conjunto de atividades nas bases da categoria para lutar pelo veto contra a venda e a entrega de patrimônio nacional. Confira a íntegra da nota dos sindicatos de metalúrgicos.

Acordo entre Embraer e Boeing fere lei e entrega patrimônio nacional

A aprovação do acordo entre Embraer e Boeing, divulgada nesta segunda-feira (17), representa a entrega criminosa de um dos mais importantes patrimônios nacionais. Ao contrário do que está descrito no acordo, não se trata de joint-venture, mas de aquisição. A operação tem o repúdio dos sindicatos dos metalúrgicos de São José dos Campos, Botucatu e Araraquara.

Todos os termos evidenciam que a operação fere a Lei da Sociedade Anônima (6404/76), a chamada Lei das S/A. Justamente por isso, está sendo questionada pelos três sindicatos, em ação civil pública na Justiça Federal de São Paulo.

Se ficarmos apenas nos termos jurídicos, a operação não poderia acontecer porque uma empresa de capital aberto (Embraer) não pode se juntar a uma de capital fechado (a Boeing, no Brasil). Mais do que isso: uma joint-venture presume que as duas empresas envolvidas tenham uma parceria comercial e industrial. Não é isto que vai acontecer. A Boeing terá 80% do capital social e 100% do controle operacional e de gestão da nova empresa. A Embraer não terá nem mesmo direito à voto no Conselho de Administração, exceto em alguns temas. Trata-se, portanto, de venda.

Mas é preciso ir além. A Embraer é uma empresa construída por trabalhadores brasileiros e com recursos públicos. Perdê-la seria perder a soberania nacional, seria entregar décadas de conhecimentos em tecnologia de ponta desenvolvida pela terceira maior fabricante de aeronaves do mundo.

Também está prevista no acordo a formação de uma fusão para “promover e desenvolver novos mercados” para o avião cargueiro KC-390. Novamente, o Brasil só tem a perder. O projeto só existe porque foi financiado pelo governo brasileiro. Com a “joint-Venture”, 49% deste valioso programa de Defesa ficará com a Boeing.

Deve-se ainda considerar o impacto da medida para os trabalhadores brasileiros. Como foi publicado anteriormente pela imprensa, existe a intenção da Embraer e Boeing em levar a produção do KC-390 para os Estados Unidos, gerando emprego lá fora e fechando no Brasil. O risco de demissões e de transferência de operações para outro país é inerente a este tipo de negociação. O próprio Phenom prova isso.

Hoje já estamos presenciando na fábrica de São José dos Campos as demissões de funcionários que antes trabalhavam na produção do Phenom – agora produzido nos Estados Unidos. Esta experiência certamente se repetirá quando o avião cargueiro estiver sob o comando da gigante norte-americana.

Está nas mãos do governo federal aprovar ou não a concretização deste crime de lesa-pátria. Em nome dos trabalhadores da Embraer, os sindicatos lutarão para que a venda seja vetada pelo atual ou pelo futuro governo.

Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região
Sindicato dos Metalúrgicos de Araraquara e Região
Sindicato dos Metalúrgicos de Botucatu e Região Leia mais

12 de julho de 2018
por Redacao
Comentários desativados em Sindicatos discutem com presidente da Embraer futuro da empresa e dos trabalhadores

Sindicatos discutem com presidente da Embraer futuro da empresa e dos trabalhadores

Dirigentes dos três sindicatos que representam os metalúrgicos da Embraer irão se reunir com o presidente da empresa, Paulo Cesar de Souza e Silva, nesta sexta-feira (13), às 9h30. Estará em pauta a venda da Embraer para a norte-americana Boeing e suas consequências para o futuro dos trabalhadores.

A reunião será no escritório da Embraer em São Paulo (Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1909, Vila Olímpia) e atende solicitação dos sindicatos de São José dos Campos, Botucatu e Araraquara (região de Gavião Peixoto).

“Nós já tínhamos pedido essa reunião antes do anúncio e insistimos na semana passada, porque consideramos que é muito delicada a situação dos trabalhadores. Vamos ouvir o que a direção da empresa tem a nos dizer sobre venda e expor a nossa posição e as preocupações dos trabalhadores”, disse o diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos Herbert Claros. Leia mais

23 de dezembro de 2017
por Esmael Morais
8 Comentários

Com entrega da Embraer, Temer completa venda da terra, da água e do ar do Brasil

A venda da fábrica de aviões da Embraer para a norte-americana Boeing, se consumada, fechará o ciclo de ataques de Michel Temer à soberania nacional por terra, água e ar. Leia mais