16 de março de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Lava jato causou prejuízo de R$ 160 bi à Petrobras, diz balanço

Lava jato causou prejuízo de R$ 160 bi à Petrobras, diz balanço

Balanço divulgado pela Petrobras apontam para um prejuízo de R$ 160 bilhões acumulados nos últimos 4 anos, mesmo período em que atuou a força-tarefa lava jato. O destaque vai para os fundos abutres, dos EUA, que levaram R$ 11,2 bilhões para não processarem a estatal em virtude das operações lideradas pelo juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol. ... 

Leia mais

31 de janeiro de 2018
por Esmael Morais
9 Comentários

Não vai sair nos jornais: ‘Segundo o IVC, jornais encolheram 73% em apenas três anos”

Os jornais brasileiros encolheram 73% em apenas três anos, entre 2015 e 2017, informa o Instituto Verificador de Circulações (IVC), que audita os números do leitorado de jornais impressos e digitais no país. ... 

Leia mais

11 de julho de 2016
por Esmael Morais
16 Comentários

Osmar Dias, irmão de Alvaro, foi demitido por Temer do BB depois de defender plebiscito

osmar_diasO ex-senador Osmar Dias, presidente estadual do PDT no Paraná, foi “desligado” na sexta-feira (8) da vice-presidência do Agronegócios uma semana depois de defender a realização de plebiscito sobre o afastamento de Dilma Rousseff. O jornal Valor Econômico, no entanto, diz que o irmão do senador Alvaro Dias (PV-PR) pediu demissão por “motivos pessoais”. Leia mais

16 de maio de 2015
por Esmael Morais
20 Comentários

Lucros da Petrobras faz urubus e tucanos quebrarem o bico

do Brasil 247.

Do Valor, há três dias, reverberando as expectativas da urubologia de mercado sobre a Petrobras:

“A Petrobras deve fechar o primeiro trimestre deste ano com um lucro líquido de R$ 2,72 bilhões, resultado 49,5% menor frente aos três primeiros meses do ano passado. A previsão toma como base a média das projeções de cinco bancos de investimento consultados pelo Valor, que indicam, ainda, para uma redução média de 4,7% no faturamento, para R$ 77,73 bilhões, e um crescimento de 23% no Ebitda, para R$ 17,64 bilhões, na mesma base de comparação.”

As previsões eram da Goldman Sachs, do Bradesco, Deutsche Bank e de outras instituições.

Do Valor, agora há pouco:

“A Petrobras encerrou o primeiro trimestre desse ano com lucro de R$ 5,33 bilhões, queda de 1% na comparação com o lucro líquido de R$ 5,393 bilhões apurado no mesmo intervalo do ano anterior.”

Uai, não eram 49,5% de queda?

E a relação entre o resultado antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) e dívida, que prenunciavam ia explodir, baixou de 4,77 vezes para 3,86, mesmo com a forte desvalorização cambial. Embora o valor nominal tenha crescido (de 282 para 332 bilhões de reais) o aumento, de 18%, foi inferior à depreciação do real (20,8%) e uma enorme parte destas dívidas é, como é natural em grandes empresas e especialmente no setor petroleiro, em dólar.

O fato é que em Nova York, onde não lêem os jornais brasileiros, no “after-hours” da bolsa local,o ADR (correspondente a ações) da Petrobras sobe 4.05% no momento em que escrevo, depois de já ter subido 2% no pregão normal.

Sem contar essa subida noturna, do início do ano para cá, a Petrobras lidera com folga a valorização entre as petroleiras – claro que em boa parte por ter sido atirada, artificialmente, lá em baixo. Subiu 38,4%, contra 12,3% da Shell, enquanto quase todas as outras amargam índices negativos.

Medida por um ano, mais ou menos o tempo em que a lava-Jato começou a repercutir fortemente, a perda é de 32%, menos da metade dos 67% que chegou a cair no pior momento em 12 meses.

Mas nisso entra, com muita força, a desvalorização do petróleo: no mesmo período, a Shell caiu 20,6%: a Total, 25,2%, a italiana Eni, 27,5%, a Exxon e a Chevron, as que menos perderam, tiveram queda em torno de 15%.

Os ratos e urubus não tiveram força para, mesmo tendo causado muito estrago, derrotar a Petrobras.

Leia mais

24 de março de 2015
por Esmael Morais
5 Comentários

Governo Dilma é “bom pagador”, classifica agência internacional

do Brasil 247
dilma_credibilidadeApesar de todo o massacre recente dos meios de comunicação, que contribuiu para o mau humor da população que se viu nas manifestações de 15 de março, o segundo governo Dilma tem dois motivos para comemoração – e eles estão nas manchetes desta terça-feira da Folha de S. Paulo e do jornal Valor Econômico.

A Folha destaca a decisão da agência internacional de risco Standard & Poors de manter a nota atribuída ao Brasil, que está nos países considerados bons pagadores, ou seja, com grau de investimento. A agência avalia que o ajuste fiscal capitaneado pelo ministro Joaquim Levy, da Fazenda, é sólido e conta com apoio integral da presidente Dilma, que, ontem, reuniu vários ministros para defender a redução de gastos. “É preciso gastar mais com o Brasil do que com Brasília”, disse ela. A S&P também avalia que o ajuste passará no Congresso, apesar dos problemas de articulação com a base aliada.

O Valor Econômico, por sua vez, publica relatórios de bancos de investimento, como o JP Morgan, que consideram cada vez mais remoto o risco de racionamento de energia no Brasil, em 2015 – ideia defendida, em entrevista deste fim de semana, pelo economista Armínio Fraga (ex-futuro-ministro da Fazenda de Aécio Neves). Segundo o JP Morgan, o racionamento será evitado não apenas porque o regime hidrológico melhorou, ou seja, choveu mais, mas também porque o aumento recente na conta de luz desincentivou o consumo, gerando mudanças no comportamento dos brasileiros. Leia mais

2 de março de 2015
por Esmael Morais
37 Comentários

Veja essa: Com o couro jurado!, Richa se diz contra o impeachment de Dilma

No último 21 de fevereiro, em Curitiba, cerca de cinco mil pessoas foram à s ruas pelo impeachment do governador tucano Beto Richa; outras cidades do interior do estado também realizam protestos pelo "Fora Richa", a exemplo de Apucarana, no Norte, que este fim de semana arrastou vários pelas praças e avenidas; pensando no próprio couro, jurado pelos paranaenses, o tucano disse ser contra o movimento do próximo dia 15 pelo impeachment de Dilma; Respeitamos o resultado das urnas. Ela [a presidente Dilma Rousseff] foi eleita, tem a legitimidade do cargo!, disse ao jornal Valor Econômico.

No último 21 de fevereiro, em Curitiba, cerca de cinco mil pessoas foram à s ruas pelo impeachment do governador tucano Beto Richa; outras cidades do interior do estado também realizam protestos pelo “Fora Richa”, a exemplo de Apucarana, no Norte, que este fim de semana arrastou vários pelas praças e avenidas; pensando no próprio couro, jurado pelos paranaenses, o tucano disse ser contra o movimento do próximo dia 15 pelo impeachment de Dilma; Respeitamos o resultado das urnas. Ela [a presidente Dilma Rousseff] foi eleita, tem a legitimidade do cargo!, disse ao jornal Valor Econômico.

O governador Beto Richa (PSDB), em entrevista ao jornal Valor Econômico, edição desta segunda-feira (2), afirmou que é contra o movimento pelo impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT). ... 

Leia mais

30 de outubro de 2014
por Esmael Morais
44 Comentários

Crime eleitoral: Advogado de Youssef confirma armação de Veja

do Brasil 247
veja_crimeA situação da revista Veja e da Editora Abril, que atingiu o fundo do poço da credibilidade no último fim de semana, com a capa criminosa contra a presidente Dilma Rousseff, acusada sem provas pela publicação, pode se tornar ainda mais grave.

Reportagem do jornal Valor Econômico, publicada nesta quinta-feira, revela algo escandaloso: o “depoimento” do doleiro Alberto Youssef que ancora a chamada “Eles sabiam de tudo”, sobre Lula e Dilma, simplesmente não existiu.

Foi uma invenção de Veja, que atentou contra a democracia, tirou cerca de 3 milhões de votos da presidente Dilma Rousseff e, por pouco, não mudou o resultado da disputa presidencial, ferindo a soberania popular do eleitor brasileiro.

Quem afirma que o depoimento não existiu é ninguém menos que o advogado Antônio Figueiredo Basto, que representa o doleiro. “Nesse dia não houve depoimento no âmbito da delação. Isso é mentira. Desafio qualquer um a provar que houve oitiva da delação premiada na quarta-feira”, disse ele. Leia mais

13 de março de 2014
por Esmael Morais
20 Comentários

Richa e Gleisi trocam acusações sobre crise no Paraná

com informações do Brasil 247

Governador tucano diz que Estado é discriminado pelo governo federal já que a ex-ministra da Casa Civil é candidata ao governo; já a senadora petista nega e acusa Richa de estar despreparado: "Minas Gerais também é governada pelo PSDB, São Paulo também e todos conseguiram empréstimos. Por que o interesse do PT seria maior no Paraná?", reage Gleisi; no Paraná e cada vez mais comum cena com policiais empurrando viaturas por falta de dinheiro para combustível; A avaliação de dezembro pra cá está caindo acima da margem de erro, o que evidencia uma tendência. O fator econômico pesa na imagem do governador, passa uma imagem de um mau gestor!, avalia Murilo Hidalgo, presidente da Paraná Pesquisas.

Governador tucano diz que Estado é discriminado pelo governo federal já que a ex-ministra da Casa Civil é candidata ao governo; já a senadora petista nega e acusa Richa de estar despreparado: “Minas Gerais também é governada pelo PSDB, São Paulo também e todos conseguiram empréstimos. Por que o interesse do PT seria maior no Paraná?”, reage Gleisi; no Paraná e cada vez mais comum cena com policiais empurrando viaturas por falta de dinheiro para combustível; A avaliação de dezembro pra cá está caindo acima da margem de erro, o que evidencia uma tendência. O fator econômico pesa na imagem do governador, passa uma imagem de um mau gestor!, avalia Murilo Hidalgo, presidente da Paraná Pesquisas.

O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), e a candidata do PT Gleisi Hoffmann trocaram acusações sobre dívidas do Estado com fornecedores que ultrapassam R$ 1 bilhão. ... 

Leia mais

23 de dezembro de 2013
por Esmael Morais
21 Comentários

Gustavo Fruet quebra o silêncio sobre 2014: “Eu vou apoiar Gleisi”

via Brasil 247“Eu vou apoiar Gleisi”. A declaração do prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), carimba o apoio da legenda pedetista na capital à  candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann (PT), ao governo do Paraná em 2014. Segundo o gestor, em nível nacional, o partido deve optar se aliança com o Partido dos Trabalhadores e apoiar a presidente Dilma Rousseff (PT), que tentará a reeleição. Fruet disse, ainda, que, para o Senado, o PDT apoiará o ex-senador Osmar Dias.

Em relação à s questões administrativas, um dos principais pontos abordados na entrevista concedida ao jornal Valor Econômico foi a possibilidade de redução das tarifas de ônibus em 12%. Questionado sobre se esta diminuição no preço das passagens seria viável, o prefeito foi taxativo: “Não. Agora não, nós já reduzimos este ano e foi a primeira vez na história que houve redução na tarifa técnica. Isso é possível desde que haja alternativa de financiamento”.

Leia a íntegra da entrevista concedida ao Valor Econômico:

“A tarifa de ônibus é nossa bomba relógio”

Quando assumiu a Prefeitura de Curitiba, no início de 2013, Gustavo Fruet (PDT) pediu à  população um tempo para colocar o caixa em dia. Mostrava goteiras nas escolas e janelas quebradas em postos de saúdes para segurar os clamores por aumentos de salários e novos investimentos e contava com a recém-conquistada popularidade das urnas para esticar o prazo – e o pagamento das dívidas – ao máximo.

Fruet e o restante dos políticos do país, porém, não contavam com as manifestações de junho que o obrigaram a reduzir tarifas de transportes e trazer a questão da mobilidade para o centro da discussão na capital paranaense. “Foi um sinal muito claro de critica à s prestações de serviço e ficou muito focado no preço da tarifa”, disse Fruet ao Valor.

Em resposta, o prefeito abriu o que chama de “caixa preta do transporte público”: colocou contas e documentos na internet, pediu auditorias e diminuiu o preço da passagem. O movimento culminou em uma CPI que concluiu pela necessidade de uma redução ainda maior, o que, para o prefeito, é inviável sem novas fontes de financiamento.

Fruet assumiu a Prefeitura de Curitiba com o maior déficit da história, que alcançou 10% das receitas correntes em 2012. O primeiro passo foi equacionar uma dívida de R$ 571 milhões da administração anterior, dos quais R$ 403 m Leia mais

23 de setembro de 2013
por Esmael Morais
4 Comentários

Público x privado: Estado pode ampliar capacidade das rodovias, diz Gleisi

do Brasil 247
Alvo de críticas desde que um dos primeiros leilões de estradas do governo Dilma não atraiu interessados, a ministra Gleisi Hoffmann, da Casa Civil, falou ao jornal Valor Econômico para tentar rebatê-las. Segundo ela, é “besteira dizer que não gostamos do setor privado” (leia aqui a íntegra).

De acordo com a ministra, o que se busca é um modelo intermediário entre as concessões dos governos FHC e Lula. No primeiro, segundo ela, o foco era a arrecadação e os pedágios saíram caros demais. No segundo, buscou-se a menor tarifa, mas os investimentos na recuperação e ampliação das estradas não foram satisfatórios.

“O modelo é adequado. à‰ resultado de uma análise dos processos de concessões de rodovias que tivemos até agora. As primeiras concessões, no governo Fernando Henrique, tinham foco na arrecadação. Vendia-se o direito de explorar uma rodovia, sem necessariamente uma preocupação com o investimento e o nível de serviço. Temos hoje pedágios caros. A segunda fase de licitações de rodovias, para se contrapor a esse modelo, adotou o critério de menor tarifa. Conseguimos pedágios baratos, mas não necessariamente retorno em termos de investimentos necessários para melhorar algumas rodovias”, disse a ministra aos jornalistas Daniel Rittner e Leandra Peres.

Segundo ela, nessa nova fase, haverá um modelo equilibrado, numa equação que permita ganhos ao investidor, pedágios moderados para os usuários e boa manutenção das estradas. Quando isso não for possível, ela avisa que os investimentos serão realizados pelo governo, como será o caso, por exemplo, da BR-101, na Bahia. “O que deixa uma concessão de pé é a capacidade e a concordância do usuário em pagar aquela tarifa”, diz Gleisi. Não sendo possível, existe “a opção será ampliar a capacidade das rodovias por meio de obra pública”.

Leia mais