31 de maio de 2015
por esmael
30 Comentários

Em carta, grevistas de fome pedem intervenção federal no Paraná

Os senadores Gleisi Hoffmann (PT) e Roberto Requião (PMDB) deverão receber uma inusitada carta, nesta segunda-feira (1º), elaborada por três grevistas de fome que pedem a intervenção federal no Paraná.

Escrita de próprio punho, os professores Pierre Pinto, há sete dias em greve de fome, e Nilsa Barbosa da Paz, no quinto dia sem comer nada, denunciam descaso do governador Beto Richa (PSDB) com a educação e solicitam ajuda do Senado da República.

“O descaso total com a educação e com os servidores públicos do Estado do Paraná é tamanho que nós iniciamos uma greve de fome há uma semana. Outras medidas não parecem ser suficiente para sensibilizar o governador Beto Richa”, diz um trecho do documento que também segue assinado pela estudante Júlia Campos, da FAP/Unespar.

O Blog do Esmael visitou ontem à noite os grevistas de fome. Eles concederam uma entrevista especial (clique aqui para assistir ao vídeo), onde relataram os motivos da media extrema que tomaram e apelam aos senadores pela intervenção federal no Paraná.

“A greve de fome continuará até a saída do governador Beto Richa do governo”, prometem os três heróis da Praça 29 de Abril — a antiga Praça Nossa Senhora Salete, cenário do massacre autorizado pelo tucano.

No testamento, os grevistas colocam a responsabilidade de suas vidas nas mãos dos senadores Requião e Gleisi:

“Nossas vidas correm risco, o povo do Paraná clama pela ação de seus senadores. Não há amor maior do que dar a vida pelos outros. Não há missão mais importante do que cuidar das pessoas. Esperamos que os senhores senadores lembrem dessas três vidas e das milhares de crianças e adolescentes que estão há meses sem aula”, registram os três grevistas acampados a 50 metros do Palácio Iguaçu e em frente à Assembleia Legislativa.

E agora José?

Leia a íntegra da carta aos senadores:

Link alternativo para o documento.

http://s3.amazonaws.com/static.esmaelmorais.com.br/wp-content/uploads/2015/05/20172738/carta_senadores.pdf