25 de agosto de 2014
por esmael
9 Comentários

Gleisi promete subsídio ao transporte público para Curitiba, Londrina, Umuarama e Maringá

Em entrevista à  Rádio CBN Curitiba na manhã desta segunda-feira (25), a candidata à  governadora Gleisi Hoffmann reafirmou o compromisso de garantir o subsídio do Estado ao transporte coletivo para todas as regiões metropolitanas do Paraná legalmente constituídas. Pela proposta, além de Curitiba, passariam a ter rede integrada e receber o subsídio as regiões metropolitanas de Londrina, Maringá e Umuarama.

Queremos fazer uma política legal, ou seja, que não dependa apenas de convênios do subsídio do transporte coletivo de Curitiba e da conveniência política do governador. à‰ preciso que se tenham critérios claros e técnicos, e que seja estabelecido em lei. Esse hoje é um grande desafio para nossas cidades, nossos centros urbanos. à‰ papel do governo do estado ajudar nesta política e nessa integração para estas regiões legalmente constituídas!, disse Gleisi.

O subsídio

Hoje, o governo do estado subsidia em R$ 7,7 milhões/mês a Rede Integrada de Transportes (RIT), que reúne Curitiba e outros 13 municípios. A Prefeitura da capital entra com outros R$ 4,5 milhões/mês para manter a tarifa nos atuais R$ 2,70. Para garantir uma tarifa mais justa nas demais regiões metropolitanas estimasse que o subsídio do estado deve ser R$ 2,2 milhões/mês para Londrina, R$ 1,6 milhão/mês para Maringá e R$ 1,2 milhão/mês para Umuarama.

Estamos assegurando subsídio para região de Curitiba e estendendo para as demais regiões metropolitanas legalmente constituídas. à‰ assim que se faz política pública. Com responsabilidade e planejamento!, completa Gleisi. O cálculo aproximado tem como base o número de municípios e de passageiros de cada região e o valor atual das tarifas.

à‰ importante que estas cidades tenham rede integrada de transporte, como acontece em Curitiba. Só assim, conseguiremos beneficiar uma maior número de pessoas!, explica a candidata. Se somadas as regiões metropolitanas de Curitiba, Londrina, Maringá e Umuarama, o custo anual do subsídio será de aproximadamente R$ 150 milhões.

Com o Paraná bem administrado, teremos recursos. Basta definir melhor as prioridades. O atual governador, por exemplo, aumentou em mais de 668% de 2011 para 2012 os gastos com publicidade. Nos três últimos anos, ele gastou em média R$ 1

30 de Maio de 2014
por esmael
4 Comentários

Beto Richa nega subsídio ao transporte público de Maringá

Enquanto Curitiba e região metropolitana recebem 80 milhões para custear o transporte público, as demais regiões metropolitanas e cidades médias ficam somente com a isenção do ICMS no diesel. A Prefeitura de Maringá solicitou o aporte de R$ 9 milhões e teve o pedido negado. Vale lembrar que o subsídio para a capital só surgiu para ajudar no projeto político do governador Richa, leia-se Ducci; que por sinal naufragou mesmo com a generosa ajuda.

Enquanto Curitiba e Região Metropolitana recebem 80 milhões para custear o transporte público, as demais regiões metropolitanas e cidades médias ficam somente com a isenção do ICMS no diesel. A Prefeitura de Maringá solicitou o aporte de R$ 9 milhões e teve o pedido negado. Vale lembrar que o subsídio para a capital só surgiu para ajudar no projeto político do governador Richa, leia-se Ducci; que por sinal naufragou mesmo com a generosa ajuda.

O governador Beto Richa (PSDB) afirmou na tarde desta quinta-feira (29) que o governo do Paraná “não tem recursos para atender esta demanda apresentada neste momento” pela Prefeitura de Maringá, que solicitou um aporte de R$ 9 milhões para subsidiar o transporte coletivo e evitar o aumento no preço das passagens. Leia mais

2 de dezembro de 2013
por esmael
3 Comentários

Dra. Jozélia Nogueira fez de bobos os vereadores de Curitiba

Secretária de Estado Jozélia Nogueira, da Fazenda, deixou vereadores curitibanos chupando dedos na manhã desta segunda (2); ela deveria ter comparecido à  Câmara para discutir isenção do ICMS sobre o óleo diesel usado no transporte coletivo; parlamentares foram insensíveis, pois quiseram falar em corda na casa de enforcado; governo do estado não tem dinheiro nem para pagar o cafezinho, gasolina para viaturas da PM, enfim, até salários e 13!º ainda correm risco de não cair na conta dos servidores públicos estaduais; vereador Chico do Uberaba (PMN) recebeu e-mail de um assessor da secretária informando a ausência.

Secretária de Estado Jozélia Nogueira, da Fazenda, deixou vereadores curitibanos chupando dedos na manhã desta segunda (2); ela deveria ter comparecido à  Câmara para discutir isenção do ICMS sobre o óleo diesel usado no transporte coletivo; parlamentares foram insensíveis, pois quiseram falar em corda na casa de enforcado; governo do estado não tem dinheiro nem para pagar o cafezinho, gasolina para viaturas da PM, enfim, até salários e 13!º ainda correm risco de não cair na conta dos servidores públicos estaduais; vereador Chico do Uberaba (PMN) recebeu e-mail de um assessor da secretária informando a ausência.

A secretária de Estado da Fazenda, Dra. Jozélia Nogueira, nesta segunda (2), deu um “olé” na Câmara Municipal de Curitiba. Os vereadores a esperaram pela manhã inteira, feitos bobos, mas a moça não compareceu para falar sobre a isenção do ICMS sobre o óleo diesel usado no transporte coletivo. Leia mais