Blog do Esmael

A política como ela é em tempo real.

4 de maio de 2014
por esmael
29 Comentários

O dilema que pode custar o 2!º turno a Eduardo: a paz ou a guerra com Aécio?

do Brasil 247
A pesquisa que a revista Istoé traz neste final de semana e que aponta para a possibilidade de um segundo turno nas eleições presidenciais (leia aqui) deverá fazer com que o PSB repense a sua estratégia de maneira a levar o ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, a se consolidar como uma alternativa viável à  polarização entre PT e PSDB. Campos vem adotando uma linha de discurso que consiste basicamente em mostrar os erros do governo da presidente Dilma Rousseff (PT) para a grande massa do eleitorado e sinalizar com uma política econômica liberal, de maneira a conquistar a simpatia de empresários e investidores. Apesar de ter menos da metade dos votos do senador Aécio Neves (PSDB), o PSB não pretende adotar um discurso mais duro contra o tucano, o que leva à  pergunta: Será que isso é o suficiente para reverter a distância entre ele e o senador?

De acordo com o estudo, elaborado em parceria com o Instituto Sensus, a presidente Dilma Rousseff aparece com 35% das intenções de voto, Aécio Neves figura com 23,7% e Eduardo Campos com 11%. Segundo o primeiro secretário nacional do PSB e responsável pela coordenação nacional da campanha de Campos, Carlos Siqueira, as pesquisas ainda não refletem uma tendência decisiva, apontando apenas um momento no qual o pleito de outubro ainda está relativamente distante.

A campanha ainda não começou. Existe o desafio de tornar o nosso candidato mais conhecido e estamos trabalhando nesta direção. Mais do que atacar o Aécio ou qualquer outro adversário, vamos mostrar os erros do governo atual e que temos um programa capaz de corrigir estas falhas e avançar ainda mais. Não vamos partir para ataques contra um ou outro. Vamos discutir a situação atual, mostrar propostas, como temos feito até agora!, diz Siqueira.

Mantida esta linha, um dos problemas que devem ser superados é a semelhança dos discursos de Campos e Aécio. Um dos diferenciais que deverão ser martelados é o fato de o socialista se apresentar com o diferencial de novidade!, ao posicionar-se como alguém capaz de construir uma nova política!, firmando-se como uma terceira via em oposição à  polarização entre petistas e tucanos dos últimos 20 anos, ao mesmo tempo em que é capaz de reconhecer as conquistas de governos anteriores, sejam do PT ou do PSDB.

O eleitor sabe reconhecer um candidato que aponta erros e que apresenta propostas para corrigi-los. Mas ele também percebe um plus a mais quando o candidato diz com segurança que os acertos serão mantidos, melhorados e ampliados. Este é o diferencial que Campos tem apresentado sobre o Aécio. Não é uma oposição por ser oposição como tem feito o PSDB!, observou ao 247 uma fonte do alto escalão do PSB.

O deputado Gonzaga Patriota (PSB-PE) também não acredita que a pesquisa divulgada pela Istoé deverá levar a uma radicalização do discurso da legenda contra o tucano

3 de maio de 2014
por esmael
24 Comentários

Sensus aponta 2!º turno entre Dilma e Aécio. Verdade ou mentira?

Desde ontem pela manhã há uma guerra de guerrilhas nas redes sociais contra e a favor da pesquisa do Instituto Sensus, que mostra nova queda abrupta de Dilma Rousseff (PT) e forte subida de Aécio Neves (PSDB) na corrida pela Presidência da República. Afinal, dá para acreditar nesses números abaixo?

Conforme registro do Brasil 247, a revista Istoé deste fim de semana traz a primeira pesquisa a apontar segundo turno nas eleições presidenciais de 2014. O levantamento é fruto de uma parceria com o instituto Sensus, que traz os seguintes números:

Dilma Rousseff (PT) 35,0%

Aécio Neves (PSDB) 23,7%

Eduardo Campos (PSB) 11,0%

Indecisos/brancos/nulos 30,4%

Ou seja: enquanto o governo teria 35%, a oposição conseguiria 34,7%, o que configuraria um empate técnico.

O instituto Sensus traçou um segundo cenário, incluindo os candidatos de partidos nanicos. Eis os números:

Dilma Rousseff (PT) 34,0%

Aécio Neves (PSDB) 19,9%

Eduardo Campos (PSB) 8,3%

Pastor Everaldo (PSC) 2,3%

Randolfe Rodrigues (Psol) 1,0%

Eymael (PDC) 0,4%

Mauro Iasi (PCB) 0,3%

Levy Fidelix (PRTB) 0,1%

Indecisos/brancos/nulos 33,9%

Ou seja: no cenário B, o governo teria 34%, contra 32,4% dos adversários, uma diferença de 1,6 ponto. Como a margem de erro é de 2,2 pontos, também estaria aberta a possibilidade de segundo turno.

Diante dos números, a reportagem de capa da revista ganhou o título “A caminho do segundo turno”, indicando uma disputa polarizada, mais uma vez, entre PT e PSDB, como ocorreu nas últimas cinco eleições presidenciais.

Na simulação de segundo turno, Dilma teria 38,6%, contra 31,9% de Aécio. Foi também feita uma simulação com Eduardo Campos, que teria 24,8%, contra 39,1% de Dilma.

No entanto, um dado importante da pesquisa é que, em ambos os cenários, Campos aparece com menos da metade dos votos de Aécio, a despeito da aliança com Marina Silva. Isso significa que, para se viabilizar como alternativa de uma terceira via real, o ex-governador pernambucano terá que partir para o embate com os tucanos !“ e não a crítica apenas ao governo da presidente Dilma.

Responsável pela pesquisa, o cientista político Ricardo Guedes aponta um quadro delicado para Dilma e o PT. “Está difícil para a presidenta”, diz ele. Uma das razões seria a queda da identificação entre os eleitores e o PT. Embora o partido ainda seja o preferido dos eleitores, a identificação caiu de 18% para cerca de 9%.

29 de outubro de 2013
por esmael
9 Comentários

Até pesquisa do PSDB mostra Dilma vencendo em 1!º turno

do Brasil 247
Para os principais adversários anunciados da presidente Dilma Rousseff na eleição de outubro de 2014, o bom é isso mesmo: ainda falta muito tempo para o dia da disputa. Porque, neste momento, Dilma ganharia de qualquer adversário já no primeiro turno. A conclusão vem de uma fonte insuspeita. Contratado pelo PSDB, o Instituto Sensus ouviu duas mil pessoas, em 24 Estados brasileiros, entre os dias 17 e 21 de outubro. Nesse levantamento, os resultados mostraram 40,2% de intenções para Dilma, 18% para o presidenciável tucano Aécio Neves e 10,6% para o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, do PSB.

Para os tucanos, o levantamento teve um aspecto positivo. Aumentou a distância entre Aécio e Campos. O levantamento foi discutido com o presidenciável Aécio Neves na segunda-feira 29, assim que ficou pronto.

No cenário com Marina Silva, como candidata do PSB, ela marcaria 18,4% contra 17,8% para Aécio. A presidente, com 38,2%, ainda assim ganharia no primeiro turno.

Quando o Sensus testou o quadro com Dilma, Campos e o ex-governador José Serra no lugar de Aécio Neves, pelo PSDB, os números ficaram assim: 38,8% para a presidente, 18,6% para Serra e 13,3% para o governador de Pernambuco.

Com Marina e Serra na disputa contra Dilma, o resultado mostrou o tucano à  frente da ex-ministra do Meio Ambiente, hoje filiada ao PSB: Dilma (38,2%), Serra (18,3%) e Marina (18%).

Em todas as simulações, a diferença entre as intenções de voto para Dilma e a soma das indicações para os candidatos da oposição seria sempre superior a nove pontos percentuais.