8 de abril de 2015
por esmael
19 Comentários

Oficial da PM afirma Luiz Abi “ajudava” Polícia Militar a obter recursos

samirAs investigações do Gaeco vão avançando e a cada dia surgem mais “surpresas” da rede de corrupção montada no governo Beto Richa (PSDB) e operada pelo seu primo, Luiz Abi Antoun, que chegou a ser preso no mês passado.

Em depoimento ao Ministério Público, o tenente-coronel da Polícia Militar, Samir Elias Geha, afirmou que o influência de Luiz Abi na PM ia além da suposta fraude na licitação de serviços de manutenção das viaturas.

Segundo Geha, Luiz Abi era um verdadeiro provedor de recursos, considerado um “benfeitor” para a PM, só que às margens da legalidade. O tenente-coronel afirmou que procurava Luiz Abi quando faltava dinheiro no quartel.

No último dia 26 de março, o Blog do Esmael anotou que o Gaeco havia complicado a vida de Richa porque seu primo, preso por corrupção, mandava nas polícias do Paraná (clique aqui). O registro fora fundamentado nas investigações dos promotores de Londrina.

O Ministério Público aponta que Luiz Abi é o verdadeiro proprietário da oficina Providence, que venceu a licitação de manutenção de viaturas, considerada fraudulenta pelos promotores. O proprietário legal da oficina, Ismar Ieger, seria um “laranja” de Abi, e teria sido apresentado ao primo do governador pelo tenente-coronel Geha.

Samir Elias Geha, está na Polícia Militar há 29 anos e foi ouvido na condição de testemunha, pois até agora não responde por nenhuma irregularidade.

A crise econômica em que o Beto Richa enfiou o governo do Paraná faz com que instituições como a Policia Militar se fragilizem, e fiquem à mercê de oportunistas como o primo de Richa, Luiz Abi Antoun. A falta de combustível, viaturas sucateadas, falta de alimentação adequada, calotes nos pagamentos de benefícios baixam o moral da tropa, e abrem as portas para soluções “não convencionais” para os problemas do cotidiano.

Abi montou uma estrutura de poder paralela ao governo, se aproveitando da crise e dos problemas na administração para sugar e desviar recursos do próprio estado.

Portanto, está cada dia mais difícil sustentar que o governador não sabia dos esquemas operados por Abi, pois até as capivaras do Parque Barigui já tinha conhecimento da “operação subterrânea” de seu parente no governo do estado.

Por outro lado, a maioria na Assembleia Legislativa ainda confere uma certa blindagem ao governador. Mas, afinal de contas, até quando?

Confira vídeo com reportagem da RPCTV sobre o caso: