11 de setembro de 2014
por esmael
4 Comentários

Argentina defende salário mínimo maior para promover crescimento

A chefe da delegação argentina na reunião ministerial de Trabalho e Emprego do G20 (grupo formado pelas 19 maiores economias do mundo mais a União Europeia), Marta Novick, defendeu hoje (11), em Melbourne, na Austrália, o aumento do salário mínimo como estratégia de crescimento econômico e de garantia social.

A tese é a mesma defendida e aplicada pelo ex-presidente Lula na crise mundial de 2008, em que apostou no incentivo ao consumo. No Paraná, o ex-governador Requião fez a política de valorização do salário mínimo regional virar lei, garantindo sucessivos aumentos reais, agora combatidos pelos empresários via Fiep (Federação das Indústrias do Paraná).

O salário mínimo argentino, que teve este ano um aumento de 31%, figura como uma contribuição para a macroeconomia porque os recursos que chegam aos mais pobres traduzem-se em uma maior procura, produção e crescimento!, disse Marta Novick.

A reunião ministerial, que termina nesta quinta-feira, conta com a presença dos ministros do Trabalho e do Emprego dos países do G20, de representantes da União Europeia e das principais organizações internacionais, incluindo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e o Banco Mundial.

via Agência Brasil, com adendos.! 

22 de agosto de 2014
por esmael
12 Comentários

Força Sindical do Paraná repudia postura de Richa e Gleisi em relação ao Piso Mínimo Regional

A Força Sindical do Paraná emitiu nesta quinta-feira (21) uma nota de repúdio à  postura dos candidatos ao governo do estado, Beto Richa (PSDB) e Gleisi Hoffman (PT), por declararem apoio à  proposta da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) para o Piso Mínimo Regional. Para a Central Sindical, a proposta enfraquece o salário mínimo estadual, o poder de compra dos mais de 1 milhão de trabalhadores beneficiados!  e, por conseguinte, a economia estadual.

Lamentamos que dois candidatos que tem a pretensão de governar o Paraná se mostrem favoráveis a uma proposta que significa o retrocesso para a vida dos paranaenses. Reduzir ou congelar salário é deixar de injetar dinheiro na economia do estado!, disse o presidente da Força, Sérgio Butka.

A manifestação da Força Sindical ignorou a nota da candidata Gleisi Hoffmann (PT) emitida na quarta-feira (20) negando ter assinado compromisso de baixar o piso regional. Sou a favor da manutenção do salário mínimo regional e qualquer alteração passa por amplo diálogo com todos os segmentos da sociedade envolvidos nesta discussão!, afirmou Gleisi.

A Força também emitiu nota em agradecimento ao posicionamento do candidato ao governo Roberto Requião (PMDB), que se mostrou totalmente contrário a proposta da Fiep, afirmando que em seu governo a formula de reajuste para o piso regional vai continuar sendo a reposição da inflação mais o índice de produtividade estadual.

O Piso Mínimo Regional foi criado em 2005, pelo então governador do Paraná, Roberto Requião, e atualmente beneficia mais de 1 milhão de trabalhadores que não tem convenção ou acordo coletivo de trabalho. Também serve de referência, puxando para!  cima as negociações salariais de várias categorias profissionais do estado.

Leia a seguir as duas notas da Força Sindical:

Nota de repúdio da Força Sindical do Paraná à  postura dos candidatos ao governo Beto Richa (PSDB) e Gleisi Hoffman (PT) em relação à  proposta da FIEP sobre!  o Piso Mínimo Regional do Paraná

Lamentamos e repudiamos a postura dos candidatos ao governo do Paraná, Beto Richa (PSDB) e Gleisi Hoffmann (PT),!  por terem se posicionado a favor da proposta da Federação das Indústrias do Estado do Paraná!  – FIEP – para o Piso Mínimo Regional.!  A nosso ver, a proposta representa um retrocesso ao avanço social e ao desenvolvimento econômico do Paraná.!  Hoje, o piso mínimo

12 de Abril de 2012
por esmael
Comentários desativados em Salário Mínimo Regional de R$ 904 desagrada sindicalistas do PR, que querem R$ 935

Salário Mínimo Regional de R$ 904 desagrada sindicalistas do PR, que querem R$ 935

O Conselho Estadual do Trabalho está propondo um reajuste de 10,32% no salário mínimo regional do Paraná. Segundo o colegiado, o índice representa um aumento real de 5,1%, acrescido de 4,97% do àndice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC).

A proposta, aprovada por maioria em reunião do conselho, foi encaminhada ao governador Beto Richa (PSDB) para análise e envio à  Assembleia Legislativa. Se aprovado, o novo mínimo entrará em vigor no dia 1!° de maio. O valor do mínimo regional ficará entre R$ 783,20 e R$ 904,20.

As centrais sindicais reivindicam 14,3% de reajuste, conforme havia adiantado ao blog no último dia 13 de março o economista Cid Cordeiro, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) do Estado do Paraná. O valor máximo do mínimo regional poderia chegar a R$ 935.