11 de dezembro de 2017
por esmael
7 Comentários

Cuspiram no túmulo da denúncia: acabaremos todos numa jaula?

O jornalista Ricardo Cappelli, em artigo especial, explica o significado das selfies de policiais com o traficante Rogério 157, que foi tratado como um animal, como se fosse um grande feito social prender alguém que neste momento já tem um substituto tão ou mais violento. Segundo o articulista, não tiveram o mesmo tratamento degradante o empreiteiro Marcelo Odebrecht ou o ex-governador do Rio Sérgio Cabral. Para Cappelli, na ditadura do significante uma foto prova que eu sou “o cara” que prendeu “o ninguém”. “Onde fomos parar?”, questiona.