28 de novembro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Bolsonaro transforma governo em jogo de War (guerra em inglês)

Bolsonaro transforma governo em jogo de War (guerra em inglês)

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), espécie de Cavalo de Troia dos militares, transforma seu futuro governo em um jogo de War (guerra em inglês). ... 

Leia mais

13 de maio de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Na ditadura, a ordem para matar vinha de cima

Na ditadura, a ordem para matar vinha de cima

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), estupefato, repercute o relatório da CIA sobre a “política de execuções sumárias” que vinha de cima, isto é, do Palácio do Planalto, durante a ditadura militar. ... 

Leia mais

20 de fevereiro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Exército pede o que o golpe não pode garantir: ‘segurança jurídica’ para matar no Rio

Exército pede o que o golpe não pode garantir: ‘segurança jurídica’ para matar no Rio

Se o futuro pertencesse ao coordenador da Comissão da Verdade, o procurador de Justiça Olympio de Sá Sotto Maior Neto, do Ministério Público do Paraná, após a pirotecnia da intervenção militar no Rio de Janeiro, membros das Forças Armadas e o próprio Michel Temer seriam julgados pelo tribunal de júri por eventuais crimes dolosos. ... 

Leia mais

29 de novembro de 2016
por Esmael Morais
25 Comentários

Por 61 votos a 14, Senado aprova PEC do Atraso

cavalariaOs senadores aprovaram em primeiro turno, por 61 votos favoráveis a 14 contrários, a PEC 55, que congela pelos próximos 20 anos investimentos em saúde e educação. Leia mais

20 de fevereiro de 2016
por admin
3 Comentários

Coluna do Jorge Bernardi: Cidadão comemora as Forças Armadas nas ruas

Download áudio

Jorge Bernardi*

Num tempo em a extrema direita pede a volta dos militares ao poder, as Forças Armadas deram um exemplo de civismo ao sair as ruas, na última semana, para combater o inimigo público nº 1, o mosquito Aedes Aegypti.

Mais de 220 mil homens e mulheres, do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, estão percorrendo casa por casa de mais de 400 cidades brasileiras orientando as pessoas sobre os perigos e as doenças causadas por este mosquito, que transmite doenças como a dengue, chikungunya e o vírus Zika.

Já falaram até em suspender as Olimpíadas no Rio de Janeiro deste ano, caso a epidemia se agrave. O vírus Zika está infectando milhares de pessoas no Brasil e no mundo, causando morte e microcefalia em bebês. E pensar que o Brasil, há cerca de 60 anos, em 1955, extinguiu o Aedes Aegypti. Saliente-se que os cientistas ainda não tem certeza absoluta de que o vírus Zika é transmitido por este mosquito.

Acompanhei o trabalho dos militares no bairro onde moro em Curitiba, no sábado 13/02, e pude ver e ouvir, vários moradores agradecendo a eles por levar orientações sobre como combater e evitar os focos do mosquito. Pude perceber que as pessoas se sentiam seguras, protegidas, cuidadas.

Os militares estavam cumprindo o que diz a Constituição (art. 147): “As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”.

As Forças Armadas são essenciais no estado democrático de direito na defesa da nação, garantia dos direitos fundamentais e na manutenção da lei e da ordem. Aos militares não é permitido se sindicalizarem, fazerem greve e se filiarem a partidos políticos.

Os brasileiros querem as Forças Armadas auxiliando no combate ao crime organizado, construindo estradas, ferrovias, protegendo fronteiras, espaço aéreo, e os nossos mares. A nação não aceita e nem mesmo os militares querem outras atribuições a não ser aquelas que a Constituição lhes assegura.

Pregar a volta do regime militar é uma violência contra a Pátria, o povo, o estado demo Leia mais