Vox/CUT: 85% são contra o fim da aposentadoria e 71% acham que não vão conseguir se aposentar

“Os milhões de trabalhadores que podem perder suas aposentadorias, sabem o que têm de fazer em 2018”, diz Vagner Freitas, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Pelo Fora Temer, maçons lançam manifesto em apoio à Greve Geral de 30 de junho

O denominado grupo Maçons Progressistas do Brasil lançou um manifesto em apoio à Greve Geral nesta sexta-feira, 30 de junho, contra as reformas da previdência, trabalhista e pela saída do ilegítimo Michel Temer.

Enio Verri: O fim de quase um século de mínima dignidade

O deputado Enio Verri (PT-PR), em sua coluna desta terça (28), afirma que as reformas Trabalhista e Previdenciária representam um ataque aos direitos humanos, positivados ao longo de um século, e uma espécie de “pagamento” de Michel Temer (PMDB) às elites industrial e financeira, que sustentaram o golpe.

Ativista sindical conclama luta contra projeto antitrabalhista em 2016

Milton Alves, um dos principais ativistas sindicais do Paraná, em artigo especial para o Blog do Esmael, afirma que os projetos de reformas previdenciária e trabalhista, do governo federal, têm nítido caráter regressivo e antitrabalhista; “foco da agenda sindical em 2016 vai demandar um duro combate ao crescente desemprego, projetado para dois dígitos já início do ano, e às tentativas de reformas da previdência e da CLT, de eliminação de direitos e conquistas”, conclama o consultor sindical e editor do blog miltonalves.com; para o articulista, governo aponta para uma nova tentativa de agradar o chamado mercado com a ameaça de retirada de direitos históricos consagrados na CLT.
Milton Alves, um dos principais ativistas sindicais do Paraná, em artigo especial para o Blog do Esmael, afirma que os projetos de reformas previdenciária e trabalhista, do governo federal, têm nítido caráter regressivo e antitrabalhista; “foco da agenda sindical em 2016 vai demandar um duro combate ao crescente desemprego, projetado para dois dígitos já início do ano, e às tentativas de reformas da previdência e da CLT, de eliminação de direitos e conquistas”, conclama o consultor sindical e editor do blog miltonalves.com; para o articulista, governo aponta para uma nova tentativa de agradar o chamado mercado com a ameaça de retirada de direitos históricos consagrados na CLT.

Por Milton Alves*

As três principais centrais da sindicais do país – CUT, Força Sindical e UGT – divulgaram notas públicas nesta semana em reação às declarações do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, sobre os projetos de reformas previdenciária e trabalhista.

A leitura corrente no meio sindical sobre as intenções do governo aponta para uma nova tentativa de agradar o chamado mercado com a ameaça de retirada de direitos históricos consagrados na CLT – Consolidação das Leis do Trabalho – o que significaria um desmonte da legislação de proteção social do trabalhador instituída pelo presidente Getúlio Vargas em 1942.