6 de novembro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Bolsonaro indica condenado por estelionato para compor equipe de transição

Bolsonaro indica condenado por estelionato para compor equipe de transição

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) indicou para compor a recém anunciada equipe de transição de governo um correligionário condenado por estelionato que já esteve preso três vezes com base na Lei Maria da Penha. ... 

Leia mais

11 de setembro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Beto Richa e os presos pela lava jato; veja a lista

Beto Richa e os presos pela lava jato; veja a lista

A Operação Piloto, na 53ª fase da lava jato, prendeu hoje (11) o ex-governador Beto Richa (PSDB) e seu núcleo político que era formado pela esposa, o irmão, o primo e dois braços direitos.  ... 

Leia mais

25 de julho de 2016
por Esmael Morais
34 Comentários

Suplicy nos representa; assista ao vídeo

suplicyO ex-senador Eduardo Suplicy, 75 anos, foi detido na manhã desta segunda (25), em São Paulo, quando tentava impedir a reintegração de uma área ocupada por moradores na Zona Oeste. Suplicy nos representa por que é gente. Abaixo, assista ao vídeo: Leia mais

7 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
2 Comentários

Itália teme fuga e nega liberdade a Pizzolato

do Brasil 247
A Justiça italiana negou nesta sexta-feira 6, depois de uma audiência que durou cerca de duas horas no Tribunal de Bolonha, o pedido de liberdade provisória apresentado pela defesa de Henrique Pizzolato, enquanto aguarda a decisão sobre a extradição para o Brasil.

Apesar de o advogado de Pizzolato, Lorenzo Bergami, ter negado o fato, os juízes concluíram que “há risco de fuga” por parte do brasileiro com cidadania italiana, condenado a 12 anos e sete meses de prisão na Ação Penal 470 no ano passado. Com a decisão, ele deve ficar preso na cidade de Módena.

Pesou para a decisão também o fato de o ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil ter entrado em território italiano portando documentos falsos. Quando foi preso, na última quarta-feira, Pizzolato portava RG, CPF, título de eleitor e passaporte do irmão Celso Pizzolato, morto há 35 anos. O crime pode levá-lo a cumprir pena de até três anos na Itália.

Foragido desde novembro, Pizzolato fugiu para a Itália para não cumprir a pena imputada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Hoje, ele respondeu, em italiano, à s perguntas dos juízes sobre sua condenação no Brasil. Com base na fuga do Brasil e no porte de documentos falsos, as autoridades italianas consideraram impossível conceder liberdade provisória ou prisão domiciliar.

Leia mais