29 de maio de 2018
por esmael
Comente agora

A “intervenção militar” começou, enfim; assista ao vídeo

A pedido de “coxinhas”, ocorreu ontem (28) à noite, em São Luís, no Maranhão, a “intervenção militar” contra a greve dos caminhoneiros. Leia mais

25 de maio de 2018
por esmael
Comentários desativados em URGENTE: Policiais Rodoviários Federais anunciam apoio à greve dos caminhoneiros

URGENTE: Policiais Rodoviários Federais anunciam apoio à greve dos caminhoneiros

O Sindicato dos Policiais Rodoviários Federais no Estado do Paraná (SINPRF-PR), por meio de nota oficial, anunciou apoio “ao legítimo movimento” desencadeado por caminhoneiros contra os sucessivos e abusivos aumentos de preço dos combustíveis. Leia mais

1 de dezembro de 2015
por admin
7 Comentários

Coluna do Marcelo Araújo: Polícia Rodoviária Federal com as lombadas eletrônicas em xeque

Download

Marcelo Araújo*

A BR-376 entre Curitiba e Garuva possui um trecho de serra descendente onde tombamento de veículos pesados, derrapagens e colisões diversas, sempre foram acidentes nos quais o fator velocidade associado a inclinações da pista, curvas sinuosas e asfalto com pouco atrito quando molhado esteve presente.

A providência da instalação de três redutores de velocidade, sem dúvida, tem sido um fator que reduziu consideravelmente esse risco potencial. Os equipamentos estão instalados nos Quilômetros 664+773m, 666+334m e 667+175m, em Guaratuba. Essa é a parte boa!

O problema começa na hora que os equipamentos detectam um veículo em velocidade superior à regulamentada desencadeando um processo administrativo para penalizar.

Pela organização do Sistema Nacional de Trânsito, as rodovias federais (BRs) possuem duas autoridades responsáveis pela fiscalização de trânsito que são o DNIT – Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes e a PRF – Polícia Rodoviária Federal.

Especificamente em relação à fiscalização da velocidade nas BRs, há uma Resolução do Conselho Nacional de Trânsito nº 289 que em seu Art. 2º , inc. II proíbe expressamente a PRF de fiscalizar velocidade com ‘Redutor de Velocidade’ (Lombada Eletrônica), conforme definição constante na Resolução nº 396 também do CONTRAN. O interessante é que ambas as Resoluções são subscritas por integrantes da PRF representando o Ministério da Justiça.

Além desse problema legal que compromete a validade das notificações geradas, há outro com esses três equipamentos. Eles estão numa distância que permite passar por eles com diferença de 1 minuto mesmo em velocidade infimamente superior à máxima, o que remeteria ao questionamento de caracterizar ‘infração continuada’, e apenas uma autuaç

11 de novembro de 2015
por admin
65 Comentários

Dilma enfrenta locaute e põe fim a bloqueios nas estradas

locaute

A presidenta Dilma Rousseff (PT) agiu com firmeza nesta terça-feira (10) e fulminou o locaute golpista que tentava impor bloqueios nas estradas desde segunda-feira (9). Leia mais

19 de maio de 2015
por esmael
12 Comentários

Coluna do Marcelo Araújo: “O bom Anfitrião de uma Curitiba sem dono”

anfitriaoMarcelo Araújo*

No dia 09/05/15 houve um encontro de carros esportivos de luxo numa churrascaria que fica na Av. N.S. Aparecida (final da Av. Batel), em Curitiba. Na saída houve uma carreata com destino ao Paraná Golf, na BR-376. O vídeo da saída dos bólidos circulou e obrigou a Polícia Rodoviária Federal (PRF) dar uma explicação sobre a escolta oferecida, que se iniciou com a interrupção da referida avenida. A Prefeitura não se manifestou, mas é nesses pequenos detalhes que você vê se uma casa tem dono ou está largada, causando inveja até na ‘Mãe Joana’.

Em 01/02/12, época que eu estava a frente da Setran, houve um atropelamento de torcedor sobre a Rodovia BR-277 em frente ao Parque Barigui, o qual saía do Ecoestádio Janguito Malucelli para pegar seu carro estacionado no parque.

Num primeiro momento a Prefeitura foi acusada de omissão, e à época deixei bem claro que a competência da Setran se encerrava na ponte do Rio Barigui, onde termina a Av. Mário Tourinho, bem como no Parque Barigui fora da faixa de domínio rodoviário, e que caberia a PRF cuidar dessa travessia, como de fato ocorreu no jogo seguinte após insistência da Federação Paranaense de Futebol (FPF).