Péricles de Mello: Beto Richa “sabia de tudo” sobre a atuação da máfia do pedágio

Péricles de Mello: Beto Richa “sabia de tudo” sobre a atuação da máfia do pedágio

Péricles de Mello: Beto Richa “sabia de tudo” sobre a atuação da máfia do pedágio

Em fase “zen”, deputado do PT aposta no “cultivo da paz” em tempos de ódio

conpaz

O deputado estadual Péricles Mello (PT), do Paraná, acredita no “cultivo da paz” como estratégia para enfrentar o ódio político que permeia a sociedade brasileira. Em fase “zen”, o petista tem ocupado repetidas vezes a tribuna da Assembleia Legislativa para pregar o “amor” ao invés da”guerra” ideológica que paralisa o país desde o ano final do ano passado.

Dentro dessa visão, o parlamentar do PT teve a iniciativa de criar na Assembleia o Conselho Parlamentar da Cultura da Paz (Conpaz), que, na semana que vem, de 20 a 27, em Curitiba, realizará pelo segundo ano consecutivo em Curitiba a Semana da Cultura de Paz.

O pontapé inicial será neste domingo (20) com o “Atletiba Pela Paz”, a partir das 11h, no estádio Couto Pereira.

Richa planeja ‘cassar direito ao voto’ de pais, alunos e educadores na eleição para diretor de escola no Paraná

Péricles: “Projeto de Lei do governo para eleições nas escolas é uma espada sobre a cabeça dos diretores”

Deputado Péricles Mello, na CCJ da Assembleia, propõe que voto da comunidade universitária para escolha do reitor também seja "universal" no sistema "uma cabeça, um voto"; parlamentar afirma que regras para eleição de diretor de escola na rede pública do estado afronta a democracia porque o governo pode destituir o eleito a qualquer momento sob qualquer pretexto, inclusive o político; abaixo, assista ao vídeo com a intervenção do deputado do PT.
Deputado Péricles Mello, na CCJ da Assembleia, propõe que voto da comunidade universitária para escolha do reitor também seja “universal” no sistema “uma cabeça, um voto”; parlamentar afirma que regras para eleição de diretor de escola na rede pública do estado afronta a democracia porque o governo pode destituir o eleito a qualquer momento sob qualquer pretexto, inclusive o político; abaixo, assista ao vídeo com a intervenção do deputado do PT.
O deputado estadual Péricles de Mello (PT), único integrante da oposição na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, pediu vistas no projeto do governo (PL 631/2015) que altera a as regras para a eleição e gestão dos diretores das escolas públicas do Paraná.

Ao contrário de alguns professores e da APP-Sindicato, Péricles é a favor ao voto universal, sistema em que o voto de cada professor, funcionário, pai ou estudante tem o mesmo peso; em substituição ao atual sistema proporcional, que, para os educadores seria mais democrático. O parlamentar chegou a afirmar que vai pedir o apoio do governo para que o voto universal seja adotado também nas universidades, para as eleições de reitores.

Atrás da polêmica da “ideologia de gênero”, Beto Richa pode reduzir orçamento da educação

Para o deputado Péricles Mello, governo do estado pode fazer do debate sobre “ideologia de gênero” uma “cortina de fumaça” para reduzir orçamento na educação de 34% para 30%; líder do governo, Luiz Claudio Romanelli, sobre a polêmica das questões de gênero, aponta a necessidade de superar os “fundamentalismos” e conviver com a realidade que a sociedade apresenta, sem discriminar nenhum estudante.
Para o deputado Péricles Mello, governo do estado pode fazer do debate sobre “ideologia de gênero” uma “cortina de fumaça” para reduzir orçamento na educação de 34% para 30%; líder do governo, Luiz Claudio Romanelli, sobre a polêmica das questões de gênero, aponta a necessidade de superar os “fundamentalismos” e conviver com a realidade que a sociedade apresenta, sem discriminar nenhum estudante.
O Plano Estadual de Educação que tem prazo até quinta-feira (25) para ser aprovado na Assembleia Legislativa do Paraná, sancionado e publicado pelo governador Beto Richa (PSDB), ainda apresenta questões polêmicas que vão da chamada “ideologia de gênero” ao percentual de verba no orçamento estadual.

Na última quarta-feira (17), o projeto recebeu 66 emendas de diversos deputados, por isso, volta hoje para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), que fará uma sessão extraordinária para analisar estas emendas.

O deputado Péricles de Melo (PT) que integra a CCJ afirmou que pode pedir vistas na Comissão para que o projeto seja melhor discutido pelo menos até amanhã. Segundo ele, uma das divergências está no percentual de verba do orçamento a ser aplicado na educação. O projeto prevê 30%, mas hoje já estamos em 34%, o que daria margem para redução.

Deputado Péricles: ‘Massacre dos professores foi planejado e o confisco da previdência desnecessário’

pericles

O deputado estadual Péricles de Melo (PT) assina artigo publicado na edição de ontem (3) do Jornal da Manhã, no município de Ponta Grossa, em que sustenta que o confisco do fundo de previdência dos servidores foi desnecessário, pois, de acordo com ele, as outras medidas do pacotaço do governador Beto Richa (PSDB) já seriam suficientes para equilibrar as contas do Estado.

Partindo desse princípio, de que o confisco não seria fundamental para a sobrevivência do governo, Péricles conclui que a violência empregada pelo secretário de Segurança Pública Fernando Francischini (SDD) foi proposital, “fruto de uma visão programada, de um estilo de governança que tragicamente tem apoio em determinadas parcelas da sociedade, ou seja, a truculência que dá voto e respaldo para esse modelo de fazer política.”

Segundo o artigo de Péricles, “o rombo nas contas públicas, causado pela total incompetência do governo Beto Richa, pode chegar a R$ 6 bilhões, segundo estimativas mais pessimistas, ou a R$ 3 bilhões, na melhor das hipóteses. Isso tudo, apesar do aumento constante de receita do Estado, bem acima da inflação dos últimos quatro anos. Tal distância entre os números se explica pela falta de transparência; as finanças do Estado são uma verdadeira caixa preta.”

Artigo de Péricles Mello: “Pacote de maldades de Beto Richa”

richa_tratoraco.jpgPéricles Mello*

Elevação da tarifa do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) em 40%. Aumento de 12% para 18% ou 25% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de 95 mil itens de consumo, que vão de medicamentos, eletrodomésticos, ração para animais até material escolar. Taxação dos servidores públicos aposentados e pensionistas em 11%.

Nenhum eleitor, nem o mais pessimista, jamais imaginou que o governador eleito em primeiro turno, com ampla aprovação, poderia simplesmente se voltar de maneira tão obstinada contra o povo que o elegeu.

Em seu delírio, o governador não ouviu sequer o setor que mais o apoia. Em reunião com o chamado G7, grupo que reúne as lideranças industriais e comerciais do Paraná, Richa se mostrou irredutível em relação ao pacote de maldades que enviou à  Assembleia Legislativa, causando profunda decepção e muitas críticas.