27 de dezembro de 2014
por esmael
3 Comentários

Tarifa zero para estudante em São Paulo poderá encorajar Gustavo Fruet em Curitiba. Será?

fruet_tarifa_zero.jpgO prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), agora tem um modelo de reajuste na tarifa de ônibus que pode agradar à  máfia e a moçada que foi à s ruas em junho de 2013 pela tarifa zero. O movimento estudantil luta pelo passe livre desde o fim dos anos 80 como medida profilática para conter a evasão escolar.

A fórmula encontrada pelo prefeito paulistano Fernando Haddad (PT), de fazer omelete sem quebrar os ovos, poderá ser repetida na capital paranaense onde a máfia do transporte coletivo pressiona para novos aumentos nas tarifas.

Em São Paulo, a partir de 6 de janeiro de 2015, a tarifa dos ônibus municipais passará de R$ 3 para R$ 3,50 para pagamento na catraca. O valor do Bilhete Único Integrado com o Metrô e os trens da CPTM será de R$ 5,45.

Em Curitiba, a passagem de ônibus subiu de R$ 2,70 para R$ 2,85 no último dia 11 de novembro. Durante o Carnaval, na metade de fevereiro de 2015, os usuários ‘já escolados’ esperam nova tungada com reajuste da tarifa para R$ 3.

A tarifa técnica, aquele valor efetivamente recebido pelas empresas por passageiro, a Prefeitura de Curitiba não tem coragem de mexer. Cada passagem custa hoje R$ R$ 3,1821, segundo a Urbs (órgão que gerencia o sistema de transporte) na capital paranaense. Quem paga essa diferença de R$ 0,322 em cada tarifa é o erário municipal. As empresas do transporte coletivo só enchem o papo, como sempre o fizeram.

Haddad apontou uma saída política para o colega Fruet agradar “gregos e baianos” nesse imbróglio do transporte coletivo, que, em perspectiva, devido ao preço proibitivo, perde usuários para o deslocamento individual.

Ou seja, Fruet poderá deixar intactos os interesses da máfia do transporte — reajustando de novo a tarifa — e concedendo o passe livre aos estudantes. O benefício serviria como uma espécie de “anestesia” para barrar possíveis protestos de trabalhadores.

Agora leia a notícia da implantação do passe livre em São Paulo: