24 de setembro de 2015
por admin
8 Comentários

Coluna do Requião Filho: Com impostos descontrolados, Beto Richa desagrada ‘gregos e troianos’

Download

Requião Filho*

Amigos leitores, queria eu me valer deste espaço para contar-lhes as maravilhas do “Paraná que Acredita”, do “Paraná que segue em Frente”, ou seja, do Paraná das lindas propagandas eleitorais e institucionais do governo.

Como eu gostaria que esta fosse a realidade, mas basta ter o mínimo de discernimento para ver que a real situação do Estado é bem diferente… Ninguém mais acredita no governador Beto Richa (PSDB) e o Paraná está parando.

Nesta coluna já me referi a expressão “freios e contrapesos” que, grosso modo, se refere a fiscalização e controle do Estado; mas o que se percebe é que o atual governo quer exterminar esses mecanismos. Ignora pareceres, espanca servidor, sangra o bolso do contribuinte, acaba com o empresariado, deixa a Defensoria Pública na mendicância e impõe suas vontades sobre a maioria da Assembleia em troca de ambulâncias e favores políticos.

Sejamos diretos: se o Estado fosse uma carreta, o motorista teria de propósito cortado o freio e jogado o caminhão ladeira abaixo.

O Paraná vive em um manicômio tributário!!! A cada pacotaço, o governo supera qualquer expectativa!!! Já sabemos que a política é arrecadar custe o que custar, mas a criatividade é surpreendente! É interminável a “Caixa de Pandora” contra o paranaense!!!

Poderíamos imaginar um governo com políticas voltadas para o empresariado, ou um outro, com políticas que priorizem a população, embora saibamos que o ideal seria harmonizar ambos os grupos. Porem, vejam Senhores, o governo Beto Richa, consegue o que parece impossível, ele desagrada o povo e o empresário; ou seja, se vale ao contrário da máxima: “impossível agradar a gregos e a troianos”. Assim, o Governo Beto Richa consegue desagradar a todos!

Notem, além de protestos e manifestações da população, agora são os empresários que se unem contra os desmandos do Governo do Estado. A perda do poder de compra anual, de quem possui renda de até 5 (cinco) salários mínimos chegou a 956 milhões, o que desagrada toda a população. As famílias têm menos dinheiro e o comércio vende menos! Todos perdem!

O denominado G7 (Fiep, Faep, Fecomercio, Faciap, Fetranspar, Fecoopar e ACP) publicamente deixou bem claro ser totalmente contrário ao aumento Leia mais