Snowden: Canadá espionou Ministério de Minas e Energias

do Brasil 247

Segundo reportagem do "Fantástico", Agência Canadense de Segurança em Comunicação (CSEC) rastreou telefonemas e e-mails da Pasta com outros países; celular do ex-embaixador do Brasil no Canadá, Paulo Cordeiro, foi mantido sob escuta; ministro Edison Lobão disse que ato merece repúdio; Ele reconheceu que o Canadá tem "interesse no Brasil, sobretudo nesse setor mineral"; "Se daí vai o interesse em espionagem pra servir empresarialmente a determinados grupos, eu não posso dizer"; pela manhã, a presidente Dilma Rousseff disse, pelo Twitter, que o Congresso deve votar nas próximas semanas a proposta de Marco Civil da Internet, lei para proteger as comunicações no Brasil.
Segundo reportagem do “Fantástico”, Agência Canadense de Segurança em Comunicação (CSEC) rastreou telefonemas e e-mails da Pasta com outros países; celular do ex-embaixador do Brasil no Canadá, Paulo Cordeiro, foi mantido sob escuta; ministro Edison Lobão disse que ato merece repúdio; Ele reconheceu que o Canadá tem “interesse no Brasil, sobretudo nesse setor mineral”; “Se daí vai o interesse em espionagem pra servir empresarialmente a determinados grupos, eu não posso dizer”; pela manhã, a presidente Dilma Rousseff disse, pelo Twitter, que o Congresso deve votar nas próximas semanas a proposta de Marco Civil da Internet, lei para proteger as comunicações no Brasil.
O Brasil também foi espionado pelo Canadá. à‰ o que apontam novos documentos vazados pelo ex-técnico da americana NSA (Agência de Segurança Nacional) Edward Snowden e revelados neste domingo pelo programa Fantástico, da Rede Globo.

Segundo os papéis, a Agência Canadense de Segurança em Comunicação (CSEC, em inglês) usou um programa de computador, chamado Olympia, que fez um mapeamento das comunicações telefônicas e de computador do ministério, incluindo e-mails. O objetivo é descobrir os contatos realizados para outros órgãos, dentro e fora do Brasil, além de empresas como a Petrobras e a Eletrobrás.

O método foi tema de uma apresentação feita durante encontro de analistas de espionagem de cinco países (EUA, Reino Unido, Canadá, Austrália e Nova Zelândia) em junho de 2012. Snowden esteve na reunião de 2012 e entregou os papéis ao jornalista americano Glenn Greenwald.

Foram rastreadas ligações com a Olade (Organização Latino-americana de Energia), com sede no Equador, e trocas de emails entre computadores do ministério e de países do Oriente Médio, da àfrica do Sul e do Canadá.

A ferramenta também identificou números de celulares, registro dos chips e até marcas e modelos dos aparelhos. Um deles foi o do ex-embaixador do Brasil no Canadá, hoje no departamento de Oriente Médio do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Paulo Cordeiro.

Na sexta-feira (4), o ministro Edison Lobão comentou o conteúdo da reportagem. Questionado sobre como reage aos documentos, ele disse: “Eu acho que configura um fato grave que merece repúdio. Aliás a presidenta Dilma já o fez amplamente na ONU”, disse. Ele reconheceu que o Canadá tem “interesse no Brasil, sobretudo nesse setor mineral”. “Se daí vai o interesse em espionagem pra servir empresarialmente a determinados grupos, eu não posso dizer.”

Neste domingo, pela manhã, a presidente Dilma Rousseff disse, pelo Twitter, que o Congresso deve votar nas próximas semanas a proposta de Marco Civil da Internet, lei para proteger as comunicações no Brasil, que, segundo ela, “irá ampliar a proteção da privacidade dos brasileiros”.

Leia a matéria sobre o assunto, publicada no Portal Brasil: