Blog do Esmael

A política como ela é em tempo real.

2 de março de 2016
por admin
11 Comentários

Coluna do Rafael Greca: À sombra de árvores mortas, assassinadas pelo prefeito, espero cerejeiras em flor

Download áudio

Rafael Greca*

Começou março, o mês do último signo do zodíaco, peixes. O mês do dia Internacional da Mulher, 8 de março, dia muito lembrado apenas no dia, esquecido no resto do ano. O do dia Internacional contra a Discriminação Racial, 21 de março, pouco comemorado, apesar de fundamento para a convivência social. O do dia mundial da Água, pouco comemorado ou com muito pouco a comemorar. O do aniversário de Curitiba, dia 29. E o do meu, dia 17 — também dia de São Patrício. Todos de verde.

Houve um tempo em que os prefeitos de Curitiba gostavam das expressões do verde que brotam da Terra e da Gente do Paraná. Gostavam tanto, mas tanto, que o seu amor pela Natureza desta terra verde fez brotar símbolos que duram até hoje, através de desenhos inspiradores de pinhas e pinhões estilizados — traço de Lange de Morretes e de artistas neoparanistas — espalhados em mosaicos de pedra nas calçadas para brilhar nas luzes da cidade.

Curitiba sempre amou e amará o  verde, exigência para que a emocionante explosão de cores e aromas da floração, ornamente e perfume a ventura que é a seiva.

Comecei março plantando uma muda. Meus amigos Andressa Speranceta e Leopoldino José de Abreu Bisneto, escultores e ambientalistas, me presentearam com uma muda de guapuruvú, filhote daquele colossal que resiste na praça Santos Andr