24 de fevereiro de 2018
por esmael
Comentários desativados em Lula pode golear no STF

Lula pode golear no STF

O julgamento do habeas corpus do ex-presidente Lula tem o apoio de 7 dos onze ministros do STF. Portanto, desenha-se no horizonte uma goleada no petista naquela corte. Leia mais

7 de dezembro de 2015
por esmael
7 Comentários

Humilhante goleada por 5 a 1 dificulta reeleição de Petraglia no Atlético

O sacode que o Atlético levou ontem (6) na Vila Belmiro, diante do Santos, pode ter enterrado de vez o sonho de reeleição de Mario Celso Petraglia. O time sofreu uma humilhante derrota, de 5 a 1, na última rodada do campeonato brasileiro. Os santistas registraram seu triunfo como uma “chuva de gols na Vila” contra o adversário rubro-negro.

O clube realiza eleição no próximo sábado, dia 12. Duas chapas concorrem ao comando do Furacão. A situação é representada pelo “CapGigante”, de Petraglia, e a oposição se uniu na “Atlético de Novo”, liderada pelo empresário João Alfredo Costa Filho.

No sábado (5), em sua coluna no Blog do Esmael, o oposicionista afirmou que “o Furação precisa de bola na rede e faixa no peito”. “Nos últimos 10 anos, o clube ganhou apenas u título, sendo o último deles em 2009”, lamentou João Alfredo.

A eleição no Atlético vai movimentar 9,5 mil torcedores.

23 de outubro de 2014
por esmael
53 Comentários

Ibope: Dilma goleia Aécio com 42 pontos de vantagem no Nordeste

dilma_NE.jpgA presidenta Dilma Rousseff (PT) deverá aplicar uma verdadeira goleada no senador Aécio Neves (PSDB) na região Nordeste, segundo pesquisa do Ibope. A petista saltou de 56% para 68%, abrindo 42 pontos de vantagem sobre o tucano que tem 26%. Leia mais

9 de julho de 2014
por esmael
25 Comentários

Massacre do Mineirão não apaga sucesso da Copa das Copas

do Brasil 247
A derrota vexatória por 7 a 1 sofrida pela Seleção Brasileira diante da Alemanha não será esquecida. Foi a maior já sofrida por uma equipe campeã do mundo em todas as copas já disputadas. Também nunca houve antes outro placar tão dilatado contra uma seleção anfitriã de um Mundial. A própria equipe nacional jamais havia perdido, para qualquer adversário, sofrendo tantos gols. Não há, portanto, desculpas ou subterfúgios para contornar a dimensão do desastre ocorrido no Mineirão. O que não significa que a Copa do Mundo no Brasil não continue a ser um sucesso espetacular.

Nas muitas distorções cometidas na cobertura jornalística do Mundial, as duas linhas principais de erros foram o ufanismo com que o Seleção Brasileira foi tratada e o pessimismo embutido nas notícias anteriores ao início da Copa. O certo, sabe-se agora, seria o contrário.

No Brasil real, o povo recebeu a competição de braços abertos, encantando os turistas estrangeiros e fazendo seguidas festas em homenagem à  Seleção. Por mais que a mídia tradicional tentasse fazer da Copa uma prévia das eleições presidenciais de outubro, na qual o governo seria sacrificado em praça pública, o que aconteceu foi o apoio maciço do público à  competição, à  Seleção e ao próprio País. O vandalismo projetado não aconteceu, e todas as aglomerações de milhares de pessoas foram pacíficas e alegres. Esta característica já está marcada na história da Copa no Brasil: a alegria popular.

COMPETIà‡àƒO ELETRIZOU O PÚBLICO – Mesmo sem a Seleção Brasileira na partida final, no Maracanã, é certo que o Brasil venceu o desafio de sediar o Mundial. A competição eletrizou o público e atraiu cerca de 700 mil visitantes estrangeiros à s 12 cidades-sedes. Os gargalos que se anunciavam como intransponíveis, especialmente nos aeroportos, não ocorreram. Os jogos se deram de maneira pacífica, sem terem sido motivo para protestos e manifestações, muito menos para atitudes violentas debaixo de bandeiras sociais ou políticas. A Copa, por mais que quem torceu contra não tenha ficado feliz, transcorreu de maneira redonda.

A repercussão na mídia internacional à  receptividade oferecida pelos brasileiros aos visitantes foi em tudo positiva para o Brasil. Mais de 3 bilhões de pessoas ao redor do mundo assistiram à s partidas. Numa enquete com mais de mil jornalistas estrangeiros, a Copa foi considerada a melhor de todas as já realizadas em termos de organização, empolgação e resultados esportivos.

Em termos de segurança, correu praticamente à  perfeição. Torcedores violentos ou foram impedidos de entrar no País já em seus países de origem ou foram presos aqui. Numa operação elogiada pela famosa polícia inglesa Scotland Yard, a polícia civil do Rio de Janeiro prendeu uma quadrilha internacional de vendas de ingressos VIP que abalou a estrutura da Fifa. Os jogos, sem exceção, não registraram incidentes.

Dentro do campo, o técnico Luiz Felipe Scolari tinha, basicamente, duas opções para escalar o time do Brasil. Para suavizar a ausência de Neymar, ele poderia reforçar o meio-de-campo ou entrar com um atacante. A segunda opção, com Bernard no lugar de Paulinho, foi a escolhida. Na virada para o segundo tempo, depois de 5 a 0 contra e tudo praticamente perdid