23 de dezembro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em TSE pode cassar senador eleito ‘ficha-suja’ e manter Requião; leia a íntegra do pedido de liminar

TSE pode cassar senador eleito ‘ficha-suja’ e manter Requião; leia a íntegra do pedido de liminar

O senador Roberto Requião (MDB-PR), de repente, nem precise esvaziar as gavetas do gabinete e utilizar o auxílio-mudança para trazer de Brasília as “tralhas” de volta para Curitiba. ... 

Leia mais

23 de março de 2015
por Esmael Morais
22 Comentários

Discussão sobre corrupção no governo Richa gera quiproquó na Assembleia Legislativa do Paraná; assista

Não é a primeira vez que o deputado Hussein Bakri se dá mal ao cutucar Requião Filho; peemedebista sugeriu que o ex-prefeito de União da Vitória, condenado por fraude em licitação, deveria está na cadeia não na Assembleia; em fevereiro, o parlamentar do PSC chegou a perguntar em plenário “quem era Requião para falar em educação”; resposta vem a galope pelo filho do ex-governador: “Se o senhor não sabe quem é Roberto Requião, vou lhe dizer. O Requião andou sem segurança no meio dos servidores no dia da votação da comissão geral, quando o senhor estava dentro do camburão”, disse à época o deputado do PMDB; assista ao vídeo com o novo quiproquó.

Não é a primeira vez que o deputado Hussein Bakri se dá mal ao cutucar Requião Filho; peemedebista sugeriu que o ex-prefeito de União da Vitória, condenado por fraude em licitação, deveria está na cadeia não na Assembleia; em fevereiro, o parlamentar do PSC chegou a perguntar em plenário “quem era Requião para falar em educação”; resposta vem a galope pelo filho do ex-governador: “Se o senhor não sabe quem é Roberto Requião, vou lhe dizer. O Requião andou sem segurança no meio dos servidores no dia da votação da comissão geral, quando o senhor estava dentro do camburão”, disse à época o deputado do PMDB; assista ao vídeo com o novo quiproquó.

O k-suco ferveu nesta tarde na Assembleia Legislativa do Paraná. O deputado estadual Requião Filho (PMDB) usou o horário reservado à liderança do PMDB para responder ataques do colega de parlamento Hussein Bakri (PSC)... 

Leia mais

5 de junho de 2014
por Esmael Morais
17 Comentários

TCE publica lista de gestores inelegíveis por contas irregulares

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) encaminhou, na manhã desta quarta-feira (4), à  Justiça Eleitoral, a Lista dos Agentes Públicos com Contas Julgadas Irregulares. A relação é composta por 1.783 registros, relativos a 1.275 administradores públicos, que tiveram contas desaprovadas pelo órgão de controle externo nos últimos oito anos.!  Todos os processos têm trânsito em julgado. A Justiça Eleitoral adota a lista como um dos critérios para impugnação de candidaturas.

Este ano, a relação tem duas novidades: a primeira é o levantamento georreferenciado, que traz a quantidade de registros de irregularidades por município. Curitiba vem em primeiro lugar, com 91 anotações. Um dos motivos é o fato de ser a capital do Estado e, por isso, ser a sede de órgãos e entidades estaduais. Na sequência vêm Umuarama, com 57 registros, e Londrina, com 34. A segunda novidade é a síntese das irregularidades, que apresenta as principais causas de desaprovação.

O site da Gazeta do Povo traz! um gráfico com alguns gestores conhecidos, que já ocuparam funções de destaque em administrações municipais ou estadual:

info_berlinda_050614

Exceções

Não integram a Lista os prefeitos que tiveram as contas municipais analisadas pelas unidades técnicas do TCE e avaliadas pelos colegiados do órgão – Primeira e Segunda Câmara. Nestes casos, o Tribunal emite apenas um parecer prévio, apontando a regularidade ou irregularidade das contas. A aprovação ou desaprovação é sugerida com base em critérios contábeis e jurídicos. O julgamento cabe à s Câmaras de Vereadores que, após a apreciação final dos números, tem a incumbência de informar o resultado à  Justiça Eleitoral.

Excetuam-se da relação do TCE, igualmente, os nomes dos responsáveis cujas contas julgadas irregulares sejam objeto de recurso, além daqueles que tiveram os acórdãos tornados insubsistentes por decisão do Poder Judiciário. Após a entrega da Lista à  Justiça Eleitoral, é possível que um nome seja retirado, por decisão do próprio Tribunal de Contas o Leia mais