Blog do Esmael

A política como ela é em tempo real.

12 de dezembro de 2015
por admin
9 Comentários

Coluna do Jorge Bernardi: Até quando Cunha violentará impunemente a República?

Download

Jorge Bernardi*

A que ponto chegou a decadência ética e moral das instituições políticas brasileiras! A Câmara dos deputados está sendo presidida por Eduardo Cunha, um político imoral, que tem dinheiro sujo da corrupção, em contas secretas na Suíça, e que ameaça impunemente a República. E o que é pior, os poderes públicos acompanham estarrecidos e inertes as arbitrariedades deste homem, o terceiro na linha da sucessão presidencial.

De onde vem tanto poder de Eduardo Cunha? Certamente de um grupo de deputados de vários partidos, seus aliados, a maioria envolvidos em fraudes e atos de corrupção. Depois de aceitar o impeachment da presidenta Dilma, para tirar o foco dos crimes que responde na Justiça, Cunha deitou e rolou com manobras e medidas arbitrarias atentando contra o as instituições democráticas.

Já ter aceito o pedido de impeachment baseados nas supostas pedaladas fiscais praticadas pelo governo Dilma neste ano, foi um ato de vingança Cunha ao PT retirou o apoio julgamento no Conselho de Ética. Com a nova meta fiscal aprovada no Congresso, desapareceu o argumento das pedaladas fiscais. O impeachment baseado nestes argumentos soa como golpe.

Aliás o pedido de impeachment assinado por Hélio Bicudo, fundador do PT, e Miguel Reale Junior, ex-ministro da Justiça de Fernando Henrique Cardoso, mancharam irremediavelmente os currículos destes juristas. O pedido de impeachment deu a Cunha a arma para que ele precisava para chantagear situação e oposição, que ele usou com maestria como num jogo de baralho, ora trucando de um lado, ora de outro.

E se prosperar o impeachment quem vai governar é o temível Temer. Fala-se que, com ele, haverá um grande acordão, quem foi pego até agora na Lava Jato, vai para a cadeia, os demais estarão salvos. Será o fim deste processo de assepsia da política brasileira, e a profecia do procurador Delton Dallagnol, se concretizará. Tudo não terá passado de um sonho numa noite de verão.

Investigar se o dinheiro da corrupção da Petrobras, Caixa Econômica, usina nuclear, obras públicas e etc, foram usadas na campanha de Dilma e Temer, desequilibrando e fraudando a vontade popular, ali está o verdadeiro caminho. O papel cabe a Justiça Eleitoral apurar os fatos e punir os cu