2 de Março de 2015
por esmael
35 Comentários

Na quarta, 20 mil educadores marcham em Curitiba pela continuidade da greve no PR

O governador Beto Richa (PSDB) deverá ser o alvo principal de 20 mil professores e funcionários de escolas, nesta quarta-feira, dia 4 de março, durante assembleia da categoria convocada pela APP-Sindicato.

O Comando de Greve teme que o Estádio Durival Britto e Silva, a Vila Capanema, como é conhecido o campo do Paraná Clube, seja pequeno devido ao engajamento dos educadores no movimento que hoje completou 21 dias.

Possivelmente, a exemplo do que ocorreu em Guarapuava, no dia 7 de fevereiro, quando foi deflagrada a greve, após a assembleia desta quarta, os educadores deverão realizar uma nova marcha rumo ao Palácio Iguaçu, no Centro Cívico, onde há um acampamento da APP.

O governo do estado tem apostado na judicialização e criminalização da greve, mas, segundo o presidente da APP, Hermes Leão, Richa jogou gasolina para tentar apagar o incêndio e só aumentou o grau de indignação da categoria, ao tentar tornar ilegal nossa luta legítima!.

A APP-Sindicato tem usado as redes sociais para fazer a contrapropaganda, haja vista que o Palácio Iguaçu destinou R$ 15 milhões para esse combate contra os professores e os funcionários públicos em greve. Isso não é legal! Beto Richa aumentou o IPVA em 40%. A greve é legal!, diz uma dessas inserções no Facebook.

O Blog do Esmael recebeu informação hoje pela manhã, do município de Fazenda Rio Grande, na região metropolitana de Curitiba, de que educadores foram aplaudidos enquanto panfletavam em um terminal de ônibus sobre os motivos da paralisação nas escolas. O apoio da sociedade é total e 100% das escolas estão em greve!, contabiliza Leão, o novo Rei do Centro Cívico!.

Os motivos da greve

à‰ bom frisar que a greve nas 2,1 mil escolas fora deflagrada porque o govenador Beto Richa demitiu 30 mil trabalhadores na educação; fechou várias turmas e superlotou salas de aula com até 60 alunos.

Desde novembro de 2014, o tucano também deixou de repassar recursos do fundo rotativo, que é utilizado para a manutenção dos estabelecimentos de ensino. Além disso, não pagara a rescisão dos 30 mil demitidos, nem as férias dos educadores do quadro próprio.

Para fechar o “pacote de maldades”, o governador do PSDB quer confiscar R$ 8 bilhões do fundo previdenciário destino à  aposentadoria dos 200 mil servidores públicos paranaenses.