14 de dezembro de 2015
por admin
5 Comentários

Coluna do Luiz Cláudio Romanelli: Mais respeito às pessoas com deficiência

Download

“Amar é descobrir que a deficiência do próximo faz parte do perfeito mosaico humano”
Douglas Américo

Luiz Cláudio Romanelli*

Na semana que passou o Paraná realizou a IV Conferência Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Os participantes tiveram pelo menos uma excelente noticia: o governador Beto Richa (PSDB) autorizou a redução da jornada de trabalho, sem alteração na remuneração, de funcionários públicos e militares estaduais que têm familiares com deficiência.

A medida vai permitir que estes servidores acompanhem seus parentes nos tratamentos especializados, durante seu processo de habilitação ou reabilitação e, também, no atendimento de suas necessidades básicas diárias.

A regulamentação da redução da carga horária para servidores públicos estava prevista no artigo 63 do Estatuto da Pessoa com Deficiência, sancionado pelo governador Beto Richa em janeiro deste ano. Elaborado, discutido e aprovado em audiências públicas realizadas em todas as regiões do Paraná, o estatuto foi criado para assegurar e promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais as pessoas com deficiência, visando à sua inclusão social e cidadania.

O documento apresenta as diretrizes para áreas como saúde, educação, profissionalização, trabalho, assistência social e acessibilidade, que propiciam o bem-estar social e econômico das pessoas com deficiência.  A aprovação do Estatuto da Pessoa com Deficiência do Estado do Paraná foi uma ação essencial, que ampliou a eficácia da garantia dos direitos no Estado.

A decisão do governador é um avanço significativo e um exemplo a ser seguido, principalmente se levarmos em conta que embora o pais tenha uma lei avançada para proteger as pessoas com deficiência, sua eficácia e efetividade são questionáveis.

Não basta apenas chamar a atenção para a questão do cumprimento da lei, do respeito aos direitos das pessoas com deficiência, como tentou fazer a prefeitura de Curitiba quando lançou a malfadada campanha dos outdoors. Para quem não lembra: algum “jenio da comunicassao” da” Prefs” teve a ideia de instalar outdoors na cidade com a mensagem “Pelo fim dos privilégios para deficientes”, identificando os autores como Movimento pela Reforma dos Direitos.  Os “especialistas” em mídias sociais da “Prefs” também criaram uma página no Facebook sugerindo o fim das cotas em concursos, a redução em 50% das

1 de dezembro de 2015
por admin
19 Comentários

Outdoor contra “privilégios de deficientes” é mais um tiro no pé da “Prefs” de Gustavo Fruet

privilegios_fruetA comunicação do prefeito Gustavo Fruet (PDT), em 24 horas, disparou um tiro de bazuca no pé do próprio prefeito de Curitiba. O que era para ser mais uma daquelas “brincadeiras” sem graça da equipe da rede social denominada “Prefs” tornou-se motivo de nojo, sinônimo de piada de mau gosto, antipropaganda, enfim, coisa para no mínimo demitir o secretário Municipal da Propaganda.

O quiproquó começou ontem (30) com a instalação de outdoors misteriosos na capital paranaense pedindo o “fim dos privilégios para deficientes”. O material foi assinado por um grupo autodenominado “Movimento pela Reforma de Direitos”, com uma página no Facebook.

As fotos dos outdoors fascistas rodaram o país em questão de minutos através da internet. Desencadearam todo tipo de reação. A maioria deles, como era de se esperar, foi de repúdio e de choque. Mas houve quem concordou, e não foi pouca gente.

Imagine daqui a pouco outros serão encorajados a publicar outdoors chamando uma pessoa negra de “macaco” e, diante da repercussão e reprovação, esses virão a público dizer que tudo não passou de “brincadeirinha”. Uma ova! Todo preconceituoso é um filho da puta.

Diante da péssima repercussão, o que danifica a imagem de bom moço de Fruet, foi escalado o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência para assumir a criação da falsa campanha contra os “privilégios dos deficientes”. Isto apenas ampliou a confusão.