20 de setembro de 2014
por Esmael Morais
37 Comentários

Justiça flagra Beto Richa comprando voto em salão de depilação de Curitiba

No cumprimento de mandado judicial, o Oficial de Justiça Adilson Mauro Lino flagrou na última quarta-feira (17) o governador Beto Richa, das 9h30 à s 10h10, em horário de expediente, em salão de depilação em Curitiba, onde participava de evento de campanha eleitoral com distribuição de prêmios ao lado do candidato a deputado estadual Sabino Picolo !“ o que configura compra de votos; café da manhã foi organizado pelo empresário Adir Mohamad Hillani, dono do salão de depilação e bronzeamento Expert Beauty Center, no Shopping Barigui, no elegante bairro Ecoville, na capital paranaense; abaixo, veja o relato do Oficial de Justiça e a decisão do desembargador Guido José Dà¶beli, do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE), que abriu investigação sobre o caso.

No cumprimento de mandado judicial, o Oficial de Justiça Adilson Mauro Lino flagrou na última quarta-feira (17) o governador Beto Richa, das 9h30 à s 10h10, em horário de expediente, em salão de depilação em Curitiba, onde participava de evento de campanha eleitoral com distribuição de prêmios ao lado do candidato a deputado estadual Sabino Picolo !“ o que configura compra de votos; café da manhã foi organizado pelo empresário Adir Mohamad Hillani, dono do salão de depilação e bronzeamento Expert Beauty Center, no Shopping Barigui, no elegante bairro Ecoville, na capital paranaense; abaixo, veja o relato do Oficial de Justiça e a decisão do desembargador Guido José Dà¶beli, do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE), que abriu investigação sobre o caso.

O desembargador Guido José Dà¶beli, do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE), abriu procedimento de investigação de compra de voto pelo governador Beto Richa (PSDB), candidato à  reeleição, em um salão de depilação de Curitiba.  ... 

Leia mais

22 de agosto de 2014
por Esmael Morais
27 Comentários

Guerra pelo Senado: Gomyde derruba “casinha” de àlvaro

O candidato ao Senado pela Coligação Paraná Olhando Pra Frente, Ricardo Gomyde (PCdoB), nesta sexta (22), conseguiu na Justiça derrubar a “casinha” do senador àlvaro Dias (PSDB).

Conforme representação de Gomyde, o tucano que busca a reeleição terá de retirar da propaganda impressa e da televisão o símbolo “A” estilizado, em forma de casinha, que usara na sua gestão como governador do Paraná (1987-1991).

“à‰ muito oportunismo até porque ele não é mais governador há quase um quarto de século”, comemorou Gomyde, que viu na decisão judicial “o restabelecimento do equilíbrio na disputa pela vaga ao Senado”.

àlvaro terá 72 horas para cumprir a decisão do desembargador Guido José Dà¶beli sob pena de multa diária de R$ 50 mil.

Leia a íntegra da decisão:

Segue íntegra da decisão:

Decisão Liminar em! 21/08/2014! – RP N!º 270008 DES. GUIDO JOSà‰ Dà–BELI

Representação Eleitoral n!º. 2700-08.2014.6.16.0000

Representante: Coligação Paraná Olhando Pra Frente e Ricardo Crachineski Gomyde

Representados: àlvaro Fernandes Dias, Joel Malucelli e Severino Nunes de Araújo

DECISàƒO LIMINAR

Coligação Paraná Olhando pra Frente e Ricardo Crachineski Gomyde ajuizaram a presente representação aduzindo, em síntese, que: a) o primeiro representado, candidato àlvaro Fernandes Dias, está utilizando, na sua campanha eleitoral, símbolo da administração estadual caracterizada por uma “casinha” estilizada, a qual foi criada quando ele era Governador; b) o símbolo em questão existe em muitos municípios, foi largamente utilizada na publicidade institucional do Estado e identific e marca a gestão do Representado àlvaro Dias; c) embora se trate de conduta tipificada como crime, nada impede a pretensão de inibição do ilícito, pois evidente a utilização indevida de símbolo estatal difundido pelo representado quando era Governador. Ao final, requereu a concessão de tutela antecipada inibitória para o fim de determinar aos representados que se abstenham de fazer uso, sob qualquer medida ou forma (especialmente nas suas propagandas eleitorais), do símbolo do Estado do Paraná, sob pena de multa de R$ 100.000,00 (cem mil reais) para Leia mais