23 de fevereiro de 2014
por esmael
14 Comentários

Será que valeu a pena delatar, Jeff?

do Brasil 247
Vestido com indumentária a caráter e montado em sua moto Harley Davidson, o ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB), 61 anos, elegeu dar um rolé neste domingo, 23, como um de seus últimos atos em liberdade. Condenado na Ação Penal 470 por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o delator do chamado esquema do mensalão” será preso nesta segunda-feira, 24, pela Polícia Federal a mando do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, e começará a cumprir em regime semiaberto os sete anos e 14 dias de sua pena.

Durante seu passeio de três horas e meia pelas estradas do entorno do município de Levy Gasparian, no Rio de Janeiro, é possível que Jefferson, sentindo o vento bater e o prazer de ir e vir chegar ao fim, tenha feito uma reflexão sobre o final da história que decidiu protagonizar em 2005, quando afirmou pela primeira vez ter existido um esquema de corrupção no primeiro governo Lula para garantir apoio ao governo no Congresso.

O que estará pensando Roberto Jefferson nestas horas antes de sua ida para a cadeia por denunciar um esquema de corrupção que ele mesmo veio negar depois? O petebista disse em suas alegações finais do julgamento da AP 470 que o mensalão foi uma construção retórica!.

Embora tenha sido condenado a cumprir a pena em regime semiaberto, Jefferson queria mais. Pediu para ficar em prisão domiciliar em Levy Gasparian, depois de tudo (sic), acho que consigo!. Entre os argumentos, alegou que na cadeia não poderia cumprir a dieta recomendada pelo seu médico, à  base de salmão, geleia real e suco com água de coco. Teve seu pedido negado por Joaquim Barbosa.

Quando resolveu detonar a bomba política no governo Lula, em 2005, Bob Jeff então cacique do PTB não admitia que o PT distribuísse uma mesada! de R$ 30 mil a parlamentares de partidos aliados, como o PP e PL. Mas durante a investigação do Ministério Público Federal, o então presidente em exercício do PTB confirmou ter recebido R$ 4 milhões e distribuído entre os deputados do partido. Teve seu mandato cassado por tempo depois.

Afeito a ver suas declarações bombásticas! estampadas na imprensa nacional, Jefferson chegou a dizer também que salvou o Brasil de José Dirceu, com a denúncia que gerou a condenação do ex-ministro da Casa Civil e de outras 24 pessoas, inclusive o próprio Jefferson.

A minha luta era com o Zé Dirceu. Ele me derrubou, mas eu salvei o Brasil dele. Ele não será presidente do Brasil. Caímos os dois!, disse Jefferson em 2012, então em pleno tratamento contra um câncer no pâncreas.

Na penitenciária da Papuda desde o dia 15 de novembro de 2013, José Dirceu já arrecadou aproximadamente R$ 1,1 milhão na vaquinha mantida por apoiadores, para pagar a multa de R$ 971.128,92, imposta pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Lançada há 11 dias, as doações alcançaram mais de 100% do valor da multa, seguindo o exemplo de outros dois petistas condenados na Ação Penal 470, José Genoino e Delúbio Soares, que também superaram os valores de suas punições. A pena pecuniária de Dirceu, no entanto, foi de quase o dobro da imposta aos dois correligionários.

A multa determinada pelo Supremo a Roberto Jefferson é de R$ 720 mil. Ele imitou os petistas e também abriu sua vaquinha para arrecadar doações. Entre os companheiros que já se prontificaram a ajudar estão importantes líderes de seu partido, como o ex-presidente e senador Fernando Collor (AL), o senador Gim Argello (DF) e deputado Jovair Arantes (GO).

Em que pese sua reflexão pessoal sobre o saldo de tudo o que detonou, no discurso que quer deixar para os livros de história, Roberto Jefferson jamais se arrependerá de ter denunciado um suposto esquema de corrupção que teve consequências marcantes na política brasileira.

Entretanto, vendo se aproximar cada vez mais os 2.569 dias em que verá o sol nascer quadrado, Jeff deu a dica da sua reflexão neste domingo, ao retornar do passeio sobre sua Harley Davidson: estou desfrutando dos momentos finais da minha liberdade. Quanto a vocês [jornalistas], curtam a sua, porque ela é o bem supremo da vida!.