4 de junho de 2016
por esmael
7 Comentários

Tucano relator do impeachment de Dilma recebeu propina em Minas

jorge_bernardi_antonio_anastasia

Jorge Bernardi (REDE), em sua coluna deste sábado (4), observa que as delações em crimes do colarinho branco são demais seletivas. Ele lembra que o primeiro grande delator da Lava Jato, Alberto Youssef, protegeu alguns políticos do Paraná. Segundo o colunista, até mesmo as gravações do ex-senador Sérgio Machado (PSDB), bem como os executivos da Odebrecht e OAS, foram seletiva porque também protegem políticos em suas delações. Dentre as delações mais graves, que não prosperaram, ainda de acordo com Bernardi, é aquela contra o ex-governador e Minas e atual senador Antonio Anastasia (PSDB). “O doleiro Alberto Youssef chegou a entregar o senador Anastasia, relator do processo de impeachment da Presidenta Dilma, como beneficiário de uma propina de R$ 1 milhão de reais. A denúncia não foi em frente”, registra. Abaixo, leia, ouça, comente e compartilhe o texto: