9 de março de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Bolsonaro e Trump encontram-se dia 19, informa Casa Branca

Bolsonaro e Trump encontram-se dia 19, informa Casa Branca


Os presidentes do Brasil e dos Estados Unidos, Jair Bolsonaro e Donald Trump, vão se encontrar no próximo dia 19, segundo comunicado da Casa Branca. Entre os temas que poderão ser discutidos no encontro, destacam-se a cooperação na área da defesa, políticas comerciais, combate ao crime transnacional e a crise na Venezuela. ... 

Leia mais

6 de março de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Crise da Venezuela é ‘ampliada pelas sanções’, afirma Michelle Bachelet da ONU

Crise da Venezuela é ‘ampliada pelas sanções’, afirma Michelle Bachelet da ONU


A alta comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para os direitos humanos, Michelle Bachelet, afirmou nesta quarta-feira (6) que a crise política, econômica e social na Venezuela tem sido “exacerbada pelas sanções” internacionais. ... 

Leia mais

12 de fevereiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em A Ku Klux Klan que governa a Casa Branca quer se apoderar da Venezuela, diz Maduro

A Ku Klux Klan que governa a Casa Branca quer se apoderar da Venezuela, diz Maduro

Em entrevista à BBC nesta terça-feira (12), o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que vai resistir às pressões para que convoque eleições antecipadas e que os EUA tentam criar “uma crise humanitária para justificar uma intervenção militar” no país.  ... 

Leia mais

25 de janeiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Maduro quer diálogo com Guaidó e pede fim do extremismo

Maduro quer diálogo com Guaidó e pede fim do extremismo

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse nesta sexta-feira (25) estar disposto a se encontrar com o presidente da Assembleia Nacional, de maioria oposicionista, Juan Guaidó. Ele disse que está aberto ao diálogo e à negociação. Para Maduro, há um esforço da direita para derrubar seu governo de forma violenta. ... 

Leia mais

14 de janeiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Agenda entre Macri e Bolsonaro é mais ‘lenha na fogueira’ na crise da Venezuela

Agenda entre Macri e Bolsonaro é mais ‘lenha na fogueira’ na crise da Venezuela

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, irá se encontrar, pela primeira vez, com o presidente Jair Bolsonaro na próxima quarta-feira (16), em Brasília. Um dos temas centrais da agenda entre os dois presidentes é a discussão sobre a crise na Venezuela.

Os governos do Brasil e da Argentina assinaram no âmbito do “Grupo de Lima”, uma articulação informal que reúne 14 países, declaração conjunta em que não reconhecem a legitimidade do segundo mandato do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e defendem novas eleições.

O chamado “Grupo de Lima” tem operado como braço político da ação intervencionista do governo dos EUA, que tem hostilizado permanentemente a Venezuela, aprovando bloqueio econômico, congelamento de bens e a derrubada do presidente constitucional Nicolás Maduro.

O encontro servirá de palanque para o discurso contra o governo da Venezuela e seu presidente, ampliando a ingerência nos assuntos internos do país vizinho. É mais uma ação que eleva a temperatura da crise. É mais lenha na fogueira.

A nova orientação do Itamaraty rompe com a secular tradição da diplomacia brasileira de respeitar a autodeterminação dos povos, da não intervenção nos assuntos internos dos países e da busca de solução pacífica para os conflitos, como lembrou a presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann.

Macri atravessa uma fase de amplo desgaste político em decorrência da inflação alta, do desemprego crescente e da desvalorização do peso argentino. No ano passado, recorreu a empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI), que impôs exigências ao governo, como corte de gastos e contenção de despesas sociais. Leia mais

30 de outubro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Venezuela começa vender o Petro, sua moeda virtual de petróleo

Venezuela começa vender o Petro, sua moeda virtual de petróleo

A Venezuela começou a comercializar na segunda-feira (29) sua moeda virtual chamada Petro. Foi a forma que o país encontrou de tentar romper os bloqueios comerciais impostos pelos Estados Unidos e pela comunidade internacional.

O Petro se diferencia de outra moedas virtuais, e até do Dólar, pois tem lastro em bens físicos. Principalmente o petróleo, que é abundante em nosso vizinho ao norte.

A moeda pode ser adquirida pelo portal oficial petro.gob.ve ou em casas de câmbios, pois as transições podem ser feitas tanto de modo virtual, quanto presencial.

O governo da Venezuela adiantou que os contratos de compra em petro já ultrapassaram os US$ 500 milhões (R$ 1,8 bilhão).

Apesar das condições favoráveis oferecidas pelo governo aos trabalhadores, como parte do Plano de Recuperação Econômica, o país continua com sérios problemas econômicos.

Planeja-se que, para o fim do ano, empregados recebam 13º salário anexado à criptomoeda. Tal ação deve proteger a renda dos trabalhadores contra a crise, informou o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Confira:

Se acerca la Navidad y con ella los aguinaldos para el pueblo trabajador. Les Informo que este lunes #29Oct se realizará el pago del primer mes. ¡Corran la voz; recuerden ahorrar en Oro y Petro! ... 

Leia mais

6 de março de 2014
por Esmael Morais
32 Comentários

FHC e ex-presidentes se alinham a golpistas venezuelanos para pedir fim da “intolerância” de Maduro

do Brasil 247
Os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso, Oscar Arias Sánchez (Costa Rica), Ricardo Lagos (Chile) e Alejandro Toledo (Peru) divulgaram uma declaração conjunta sobre a situação na Venezuela, pela qual criticam o fato de “manifestações estudantis” contra o governo de Nicolás Maduro tenham sofrido “repressão desmedida” de grupos que, de acordo com a imprensa, são vinculados com partidos políticos no governo.

O comunicado menciona que jovens declararam terem sido torturados, a imprensa independente tem sido perseguida e há dificuldade para a divulgação dos fatos ocorridos no país, “incluindo a retirada do ar de um canal internacional de televisão e ameaças de fazer o mesmo com outro”, além de “agressões físicas a jornalistas e limitações à  aquisição de papel para a imprensa escrita”.

“Na condição de amigos da democracia venezuelana”, como escrevem no comunicado, os quatro ex-chefes de governo pedem o estabelecimento de um “debate construtivo”, investigação “transparente” sobre as denúncias de tortura e outras violações aos direitos humanos e ainda o fim das restrições à  imprensa. “Confiamos que esse país será capaz de superar a extrema polarização e a intolerância que dominaram a cena política nos últimos anos”, afirmam.

Em artigo no fim de semana, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso já havia criticado a “timidez de nosso governo” em “fazer o que deve” diante da crise na Venezuela. “Não digo apoiar este ou aquele lado em que o país rachou, mas pelo menos agir como pacificador, restabelecendo o diálogo entre as partes, salvaguardando os direitos humanos e a cidadania”, escreveu (leia mais aqui). Abaixo, a íntegra da declaração conjunta:

Declaração conjunta sobre a Venezuela

Nós, abaixo assinados, Oscar Arias Sánchez, Fernando Henrique Cardoso, Ricardo Lagos e Alejandro Toledo, concordamos em formular a seguinte declaração conjunta:

Temos observado com preocupação e alarma os acontecimentos que vêm ocorrendo na Venezuela durante as últimas semanas. Manifestações estudantis de protesto pacífico contra as políticas do governo, fato normal em qualquer sociedade democrática, têm sido objeto de uma repressão desmedida por parte das forças de segurança e de ataques por parte de grupos armados ilegais que alguns meios de comunicações vinculam com partidos políticos no governo.

Estes fatos estão na origem de Leia mais