6 de Fevereiro de 2015
por esmael
74 Comentários

Richa cancela nomeação de mil educadores e agrava a crise nas escolas, que vão à  greve

concurso_richa_educ.jpgNo final de janeiro, o governador Beto Richa (PSDB) acionou sua fantástica fábrica de propaganda para divulgar a nomeação de 5.522 novos professores e pedagogos aprovados em concurso para cobrir as 2,1 mil escolas da rede pública.

A contratação de educadores concursados seria uma resposta concreta do tucano à s críticas pela demissão de professores PSS, em dezembro, que ainda lutam para receber suas rescisões trabalhistas. Seria…

Pois bem, Richa voltou atrás (ou foi desautorizado?). Ofício do governo do estado, expedido na quarta (4), cancelou a contratação de mil pedagogos aprovados em concurso organizado pela PUCPR.

Note o caro leitor que esses mais de 4 mil professores, se fossem distribuídos nas 2,1 mil escolas, em três turnos, se converteriam em menos de um profissional por estabelecimento de ensino.

Para minimizar a crise, o governo Richa fala em contratar 20 mil novos professores em regime PSS. O diabo é que eram 29 mil no ano letivo. A medida emergencial não cobre a demanda da educação que tem 130 mil profissionais.

Mesmo que os profissionais do magistério quisessem não teriam condições de iniciar o ano letivo na segunda, dia 9. Faltam professores e funcionários administrativos, da limpeza e merendeiras. Sem falar no calote do Fundo Rotativo.

Richa escolheu o conjunto dos servidores efetivos — e a educação em particular — para pagar a conta da crise provocada pela sua incompetência administrativa. Na Assembleia Legislativa, o deputado Tadeu Veneri (PT), líder da oposição, pede CPI investigação sobre o sumiço do dinheiro público tendo como base o histórico de arrecadação cada vez maior pelo tesouro estadual.

Informações atualizadas à s 10h33.

Leia a íntegra do ofício cancelando a contratação: