7 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
15 Comentários

Pizzolato diz que é vítima de processo político! conduzido por Barbosa

do Brasil 247
Ao responder à s perguntas das autoridades em um Tribunal de Bolonha, na Itália, o ex-diretor de Marketing Henrique Pizzolato declarou ter sido vítima, no Brasil, de um “processo político”. “Segundo ele, seu processo não foi administrado de uma maneira correta e foi um processo político”, relatou o advogado Lorenzo Bergami, que defende o brasileiro no país europeu.

Pizzolato negou ainda ter cometido os crimes de corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro pelos quais foi condenado e recebeu uma pena de 12 anos e sete meses de prisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Na conclusão do relator da Ação Penal 470, ministro Joaquim Barbosa, Pizzolato autorizou o repasse de R$ 73,7 milhões do Banco do Brasil, que estava no fundo Visanet, para a agência DNA Propaganda, de Marcos Valério, usada para distribuir o dinheiro do esquema chamado de ‘mensalão’.

Por esse processo, Pizzolato teria recebido R$ 336 mil. Apesar de ter negado nesta sexta-feira seu pedido de liberdade provisória, para aguardar em casa a decisão sobre o processo de extradição para o Brasil, o ex-diretor do BB passa agora a receber novos documentos sobre o caso, que podem ser úteis num eventual novo julgamento na Itália. Até o momento, os dados estavam sob sigilo, por determinação de Joaquim Barbosa.

Reportagem do Correio do Brasil desta tarde informa que militantes do PT e advogados garantiram, do Brasil, a inserção de informações técnicas e laudos periciais para contribuir no possível novo julgamento. Alguns deles são o Inquérito 2474 !“ cujas informações não foram incluídas na AP 470, desmembrada por Barbosa !“ e o Laudo 2828. Na análise do colunista Paulo Moreira Leite, que também vê Pizzolato como perseguido político, os documentos comprovam que ele é inocente.

Leia abaixo a reportagem do Correio do Brasil e aqui o artigo de PML:

Defesa de Pizzolato protocola dados negados por Barbosa na AP 470

Embora a Justiça italiana tenha negado, nesta sexta-feira, depois de uma audiência que durou cerca de duas horas no Tribunal de Bolonha, o pedido de liberdade provisória apresentado pela defesa de Henrique Pizzolato, militantes do PT e advogados, no Brasil, garantiram a inserção de informações técnicas e laudos periciais em um provável novo julgamento ao qual o ex-diretor do Banco do Brasil será submetido, na Itália. Pizzolato, por enquanto, deverá ficar preso na cidade de Módena, no norte do país.

Conforme o blog O Cafezinho publicou na véspera, em primeira mão, um documento que pode causar uma reviravolta no julgamento da Ação Penal 470, ao ser reaberto, na Itália. Trata-se de uma “Ata Notarial”, lavrada em cartório do Rio de Janeiro, trazendo informações e documentos oficiais que aniquilam as teses centrais da acusação da AP 470. A Ata poderá ser traduzida e enviada à  Itália, para o julgamento que se avizinha naquele país.

Em outro blog, o jornalista Paulo Moreira Leite afirmou, nesta sexta-feira, que Barbosa não escondeu somente o Inquérito 2474. Ele também escondeu o Laudo 2828 que ele mesmo mandou a PF fazer em 2006. Quando o STF começou a discutir a aceitação da denúncia, em 2007, o Laudo 2828 não foi incorporado ao conjunto de documentos a disposição dos ministros. Só um mês depois de aceita a denúncia, o Laudo 2828 é agregado à  Ação Penal. A razão que levou Barbosa a “esconder o Laudo 2828!³, segundo o articulista, “é simples”:

“Porque o laudo inocentava Pizzolato e derrubava o pilar central da acusação: que um petista desviou dinheiro público para Marcos Valério, que por sua Leia mais