3 de julho de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Bolsonaro se escondeu no mictório para fugir de xingamentos, diz Folha

Bolsonaro se escondeu no mictório para fugir de xingamentos, diz Folha

Fotomontagem nas redes sociais.

A Folha não larga do pé de Jair Bolsonaro (PSL). Segundo o jornalão paulistano, o presidenciável se escondeu num mictório para fugir de xingamentos de uma senhora. ... 

Leia mais

7 de abril de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em URGENTE: Cordão humano tenta impedir embarque de Lula em Congonhas

URGENTE: Cordão humano tenta impedir embarque de Lula em Congonhas

Um cordão humano tenta impedir o embarque do ex-presidente, no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, para se apresentar à PF em Curitiba. A manifestação é do movimento estudantil e da deputada Luiza Erundina (PSOL). Acompanhe ao vivo. ... 

Leia mais

5 de março de 2016
por Esmael Morais
92 Comentários

O plano era levar Lula para Curitiba

O sequestro do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva realizado ontem (4), em São Paulo, teve lances cinematográficos e também cenas de comédia pastelão.

Com o objetivo de perpetrar um golpe midiático em conluio com a Globo contra o PT e a presidente Dilma Rousseff, o plano era embarcar Lula “clandestinamente” para Curitiba – a Nova Guantánamo, segundo os juristas.

Não é à toa que o ex-presidente foi levado para o aeroporto de Congonhas, embora a Polícia Federal tenha uma suntuosa sede na Marginal Tietê, que seria de mais difícil acesso a manifestações.

O diabo é que força-tarefa da Lava Jato não contava com dois eventos: 1- a existência de um “maluco” no aeroporto chamado Professor Luizinho, ex-deputado petista, que estava em viagem e iniciou uma confusão sem precedentes quando soube que seu companheiro está detido ali; 2- Lula é um dos maiores líderes mundiais do trabalhismo, o que gerou comoção e solidariedade internacional.

O juiz Sérgio Moro não reuniu todas as condições objetivas e subjetivas para transferir o sequestrado para a capital paranaense, ou seja, “amarelou” diante do quadro que prometia “venezuelizar” o país.
É bom anotar que o advogado do ex-presidente denunciou que não tivera acesso a seu cliente durante boa parte da clausura em Congonhas.

O distinto leitor deve perguntar a seus botões: “mas não havia mandado de prisão contra Lula, portanto como iriam transferi-lo para Guantánamo?”. Ora, mas por que precisaria de um mandado se a operação golpista-midiática fora completamente revestida de ilegalidades?

Até um calouro do curso de Direito sabe que a “condução coercitiva” só é possível diante da recusa do réu ou testemunha após intimação pelo juiz. Não ocorreu. Logo, para quem “faltou” a essa aula, levar Lula para Curitiba seria só um detalhe – se não fosse a sucessão de “cagadas” a frustrar a operação.

O ministro Marco Aurélio Mello arremata a trapalhada de Sérgio Moro: “Só se conduz coercitivamente, ou, como se dizia antigamente, debaixo de vara, o cidadão de resiste e não comparece para depor. E o Lula não foi intimado”.

Leia mais