29 de março de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Reforma da Previdência ‘sacrifica pobres, mulheres e trabalhadores rurais’, diz CNBB

Reforma da Previdência ‘sacrifica pobres, mulheres e trabalhadores rurais’, diz CNBB

O Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) emitiu uma mensagem mostrando a preocupação da Igreja Católica com a Reforma da Previdência proposta por Bolsonaro. ... 

Leia mais
CNBB Previ

26 de março de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em CNBB divulga nota em defesa do direito à proteção social da Previdência

CNBB divulga nota em defesa do direito à proteção social da Previdência


O Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil- CNBB, reunido em Brasília-DF, entre os dias 21 e 23 de março, divulgou nota oficial questionando a proposta de reforma da Previdência do governo Bolsonaro e “manifestando apreensão com relação à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287/2016, de iniciativa do Poder Executivo, que tramita no Congresso Nacional”. ... 

Leia mais

6 de março de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Lançamento da Campanha da Fraternidade teve crítica à ‘reforma’ da Previdência e ao desmonte do SUS

Lançamento da Campanha da Fraternidade teve crítica à ‘reforma’ da Previdência e ao desmonte do SUS


O lançamento da Campanha da Fraternidade 2019 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), nesta segunda-feira (6) em Brasília, foi marcado por críticas ao projeto de ‘reforma’ da Previdência e ao desmonte do Sistema Único de Saúde (SUS). O tema da campanha neste ano são as políticas públicas. ... 

Leia mais

12 de fevereiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em General Heleno nega espionagem de bispos e diz que só dará explicações se for convocado

General Heleno nega espionagem de bispos e diz que só dará explicações se for convocado

O general Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) do governo de Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (12) que só dará explicações sobre acusações de espionagem de bispos à Câmara se for convocado. “Se fosse convidado, não. Se for convocado, sou obrigado a ir”, disse. ... 

Leia mais

24 de outubro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Comunicado da CNBB “exorta a que se deponham armas de ódio e vingança”

Comunicado da CNBB “exorta a que se deponham armas de ódio e vingança”


Em comunicado divulgado nesta quarta-feira (24/10), a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) alertou os fiéis da Igreja católica para o crescente clima de violência “estimulado por notícias falsas” nas eleições presidenciais.

A CNBB exorta “a que se deponham armas de ódio e de vingança, que têm gerado um clima de violência estimulado por notícias falsas, discursos e posturas radicais, que colocam em risco as bases democráticas da sociedade brasileira. Toda atitude que incita à divisão, à discriminação, à intolerância e à violência deve ser superada. Leia a nota na íntegra:

POR OCASIÃO DO SEGUNDO TURNO DAS ELEIÇÕES DE 2018

Jesus Cristo é a nossa paz! (cf. Ef 2,14)

“O Brasil volta às urnas para eleger seu novo presidente e, em alguns Estados e no Distrito Federal, seu governador. Fiel à sua missão evangelizadora, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), por meio de seu Conselho Episcopal Pastoral (Consep), reunido em Brasília-DF nos dias 23 e 24 de outubro, vem ratificar sua posição e orientações a respeito deste importante momento para o País.

Eleições são ocasião de exercício da democracia que requer dos candidatos propostas e projetos que apontem para a construção de uma sociedade em que reinem a justiça e a paz social. Cabe à população julgar, na liberdade de sua consciência, o projeto que melhor responda aos princípios do bem comum, da dignidade da pessoa humana, do combate à sonegação e à corrupção, do respeito às instituições do Estado democrático de direito e da observância da Constituição Federal.

Na missão de pastores e profetas, nós, bispos católicos, ao assumirmos posicionamentos pastorais em questões sociais, econômicas e políticas, o fazemos não por ideologia, mas por exigência do Evangelho, que nos manda amar e servir a todos, preferencialmente aos pobres. Por isso “a Igreja reivindica sempre a liberdade, a que tem direito, para pronunciar o seu juízo moral acerca das realidades sociais, sempre que os direitos fundamentais da pessoa, o bem comum ou a salvação humana o exigirem (cf. Gaudium et Spes, 76). Não podemos nos calar quando a vida é ameaçada, os direitos desrespeitados, a justiça corrompida e a violência instaurada” (CNBB – Mensagem ao Povo de Deus – 19 de abril de 2018). Inúmeros são os testemunhos de bispos que, na história do país, se doaram e se doam no serviço da Igreja em favor de uma sociedade democrática, justa e fraterna.

A CNBB reafirma seu compromisso, sobretudo através do diálogo, de colaborar na busca do bem comum com as instituições sociais e aqueles que, respaldados pelo voto popular, forem eleitos para governar o País.
Exortamos a que se deponham armas de ódio e de vingança que têm gerado um clima de violência, estimulado por notícias falsas, discursos e posturas radicais, que colocam em risco as bases democráticas da sociedade brasileira. Toda atitude que incita à divisão, à discriminação, à intolerância e à violência deve ser superada. Revistamo-nos, portanto, do amor e da reconciliação, e trilhemos o caminho da paz! Por intercessão de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, invocamos a bênção de Deus para o povo brasileiro.

Brasília-DF, 24 de outubro de 2018.

Dom Murilo S. R. Krieger
Arcebispo de São Salvador
Presidente da CNBB em exercício

Dom Guilherme Antônio Werlang
Bispo de Lajes
Vice-presidente da CNBB em exercício

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo auxiliar de Brasília
Secretário-geral da CNBB Leia mais

22 de outubro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em CNBB e entidades profissionais assinam nota conjunta contra escalada fascista

CNBB e entidades profissionais assinam nota conjunta contra escalada fascista

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT), o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait), a Associação Brasileira dos Advogados Trabalhistas (Abrat) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) publicaram uma nota conjunta condenando a escalada fascista da violência eleitoral.

As entidades não fazem menção direta a nenhum candidato, mas está claro que ela se refere ao autoritarismo e a violência manifestada pela candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) seus aliados e apoiadores.

A nota repudia as ações de violência dos últimos dias, reiterando compromisso com a preservação da ética, democracia, do diálogo e da liberdade de imprensa.

Confira a Nota na íntegra:

NOTA CONJUNTA ... 

Leia mais

16 de outubro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Manifesto de Pastorais e de organizações ligadas à Igreja Católica defende a preservação da Democracia

Manifesto de Pastorais e de organizações ligadas à Igreja Católica defende a preservação da Democracia

Entidades e comissões pastorais ligadas à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) apresentaram na segunda-feira (15) uma nota pública que manifesta preocupação com o surgimento de uma escalada antidemocrática no país, em particular com o rumo da conjuntura política que atravessa a disputa eleitoral do 2° turno. O documento intitulado  “Democracia: mudança com Justiça e Paz” ressalta a necessidade da preservação dos valores democráticos e da solução das controvérsias políticas pela via do diálogo entre os atores políticos. Confira a nota na íntegra:

DEMOCRACIA: MUDANÇA COM JUSTIÇA E PAZ

Há trinta anos a Constituição Federal entrou em vigor. Os constituintes objetivaram instituir “um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias”.

No processo eleitoral em curso, um movimento antidemocrático fere estes valores supremos assegurados pela Constituição e apela ao ódio e à violência, colocando o povo contra o povo. Demoniza seus opositores, classifica-os de comunistas e bolivarianos, menospreza a população do Nordeste brasileiro e tenta semear o ódio e o medo. Esta atitude já se concretiza por meio de agressões e assassinato contra os que manifestam posições divergentes.

A Constituição sai ferida com esta intolerância que nega a diversidade do povo brasileiro, estimula preconceitos e incentiva o conflito social. Estes candidatos e seus seguidores, que pregam a tortura e a pena de morte, sustentam que as mulheres podem ter menos direitos que os homens, usam de violência contra a população LGBT, discriminam negros, índios e quilombolas com insultos, racismo e xenofobia. Em resumo, atacam a democracia pelo desprezo dos seus valores republicanos.

O Brasil é um país de desigualdades sociais profundas em que os ricos estão cada vez mais ricos à custa dos pobres cada vez mais pobres.

O candidato deste movimento quer se valer de eleições democráticas em sentido contrário para dar legalidade e legitimidade a um governo que pretende militarizar as instituições, garantir impunidade aos abusos policiais, armar a população civil e reduzir ou cortar programas de direitos humanos e sociais. Em poucas palavras, é o abandono do Estado Democrático de Direito.

O Brasil é um país de desigualdades sociais profundas em que os ricos estão cada vez mais ricos à custa dos pobres cada vez mais pobres. Estes candidatos antidemocráticos atendem às imposições do sistema financeiro e da política neoliberal que atacam direitos sociais, ambientais e o patrimônio do país. As possíveis consequências deste programa são: o fim do décimo terceiro salário, a diminuição do Bolsa Família, a extinção das cotas nas universidades e a privatização sumária das estatais. Na verdade, tais medidas constituem a intensificação do Governo Temer, que está produzindo desemprego, sofrimento e abandono da população.

Tais políticas, já receberam veemente condenação do reconhecido líder mundial, o Papa Francisco: “Assim como o mandamento ‘não matar’ põe um limite claro para assegurar o valor da vida humana, assim também hoje devemos dizer ‘não a uma economia da exclusão e da desigualdade social’. Esta economia mata.” (Evangelii Gaudium, 53).

Este movimento apoia um candidato que pretende ser um político novo, salvador da pátria, que está no Congresso há quase trinta anos, trocou de partido oito vezes e não aprovou um projeto sequer para melhorar as condições de vida do nosso povo, votando contra todas as políticas sociais que beneficiariam os trabalhadores e trabalhadoras, principalmente, os mais pobres.

Nosso Brasil pode ter divergências, porém sem ódio. Há necessidade do crescimento da economia com diminuição da desigualdade.

Por tudo isso, nós, integrantes de organizações da sociedade civil, portadores da convicção da inafastável dignidade da pessoa humana, fundamento dos direitos humanos, não podemos nos omitir. Respeitamos todos aqueles que, por motivos variados, tenham votado no 1º turno sem atentar para estes valores, mas queremos dialogar francamente com todos. A possibilidade de se instalar um governo como esse movimento deseja, retoma o passado de ditadura já superado.

Nosso Brasil pode ter divergências, porém sem ódio. Há necessidade do crescimento da economia com diminuição da desigualdade. Com base nestes valores, temos o dever fraterno de alertar a todos os nossos concidadãos e concidadãs, para que sua escolha no 2º turno contemple os princípios aqui defendidos e o candidato que os representa, integrante de uma ampla frente democrática pluripartidária, para assegurar um futuro de Justiça e de Paz para o Brasil.

Brasília, 15 de Outubro de 2018

Cáritas Brasileira

CBJP – Comissão Brasileira Justiça e Paz

CCB – Centro Cultural de Brasília

CIMI – Conselho Indigenista Missionário

CJP-DF – Comissão Justiça e Paz de Brasília

CNLB – Conselho Nacional do Laicato do Brasil

CPT – Comissão Pastoral da Terra

CRB – Conferência dos Religiosos do Brasil

FMCJS – Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social

OLMA – Observatório De Justiça Socioambiental Luciano Mendes De Almeida

Pastoral Carcerária Nacional

Pastoral da Mulher Marginalizada

Pastoral Operária

SPM – Serviço Pastoral do Migrante

Leia mais

31 de maio de 2018
por editor
Comentários desativados em CNBB divulga nota criticando a submissão ao ‘mercado’

CNBB divulga nota criticando a submissão ao ‘mercado’

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou uma nota de solidariedade aos caminhoneiros, trabalhadores e trabalhadoras em manifestação por todo o Brasil. O texto conclama a sociedade para o diálogo mas adverte que não é justo submeter o Estado ao mercado. “Quando é o mercado que governa, o Estado torna-se fraco e acaba submetido a uma perversa lógica financista.”

A nota contraria diretamente a política de preços aplicada pelo governo do ilegítimo Michel Temer (MDB) e pelo presidente da Petrobras, Pedro Parente, aos combustíveis. “O dinheiro é para servir e não para governar”, lembra o texto, citando o Papa Francisco.

Também há críticas indiretas aos golpistas e aos que pedem uma intervenção militar. “Propostas que desrespeitam a liberdade e o estado de direito não conduzem ao bem comum, mas à violência.” Diz a nota ao lembrar das eleições de outubro próximo.

Confira, abaixo, a nota da CNBB na íntegra:

NOTA DA CNBB SOBRE O MOMENTO NACIONAL
“Jesus entrou e pôs-se no meio deles e disse: A paz esteja convosco”(Jo 20,19) ... 

Leia mais