23 de junho de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Brasil e Alemanha nas oitavas de final da Copa

Brasil e Alemanha nas oitavas de final da Copa

Bruxos, matemáticos, palpiteiros e boleiros de plantão acreditam que o Brasil poderá enfrentar a Alemanha nas oitavas de finas da Copa do Mundo Rússia 2018. ... 

Leia mais

27 de março de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Brasil x Alemanha

Brasil x Alemanha

Brasil e Alemanha se enfrentam daqui a pouco, às 15h45, em Berlim, em amistoso com sabor de ‘revanche’ pelos humilhantes 7 a 1 sofridos no Mineirão durante a Copa do Mundo de 2014. ... 

Leia mais

21 de julho de 2014
por Esmael Morais
28 Comentários

Disputa pelo governo do Paraná com “jeitão” de Curitiba em 2012

PT e PMDB vão jogar em linha, como se diz no futebol. Farão jogadas ensaiadas em nome do palanque suprapartidário para a presidenta Dilma Rousseff no Paraná. Os dois partidos vislumbram levar Gleisi e Requião para o segundo turno, sem Richa.

PT e PMDB vão jogar em linha, como se diz no futebol. Farão jogadas ensaiadas em nome do palanque suprapartidário para a presidenta Dilma Rousseff no Paraná. Os dois partidos vislumbram levar Gleisi e Requião para o segundo turno, sem Richa.

A sucessão de erros estratégicos na campanha reeleitoral do governador Beto Richa (PSDB) pode deixá-lo pela estrada da vida, sem condições de avançar para o segundo turno. O tucano segue as mesmas pegadas de seu pupilo, o ex-prefeito de Curitiba, Luciano Ducci (PSB), que em 2012 não logrou êxito no projeto continuísta dele. ... 

Leia mais

21 de julho de 2014
por Esmael Morais
21 Comentários

Coluna do Marcelo Araújo: Um pacto pela não humilhação de Fruet

Marcelo Araújo, em sua coluna desta segunda, se compara à  seleção da Alemanha, que aplicou goleada histórica de 7 a 1 no Brasil, ao propor um pacto pela não humilhação! do prefeito de Curitiba Gustavo Fruet (PDT); "O prefeito Gustavo Fruet não mereceria da minha parte um

Marcelo Araújo, em sua coluna desta segunda, se compara à  seleção da Alemanha, que aplicou goleada histórica de 7 a 1 no Brasil, ao propor um pacto pela não humilhação! do prefeito de Curitiba Gustavo Fruet (PDT); “O prefeito Gustavo Fruet não mereceria da minha parte um “pacto de não humilhação”?”, questiona o colunista especialista em trânsito e multa, ao garantir que acertou nos últimos meses ao apontar falhas na administração municipal; Para não perder de zero sempre resta o argumento sólido e que muda a vida das pessoas: “Ah, mas ele tinha pontos na carteira…”!; leia o texto e compartilhe.

Marcelo Araújo* ... 

Leia mais

9 de julho de 2014
por Esmael Morais
25 Comentários

Massacre do Mineirão não apaga sucesso da Copa das Copas

do Brasil 247
A derrota vexatória por 7 a 1 sofrida pela Seleção Brasileira diante da Alemanha não será esquecida. Foi a maior já sofrida por uma equipe campeã do mundo em todas as copas já disputadas. Também nunca houve antes outro placar tão dilatado contra uma seleção anfitriã de um Mundial. A própria equipe nacional jamais havia perdido, para qualquer adversário, sofrendo tantos gols. Não há, portanto, desculpas ou subterfúgios para contornar a dimensão do desastre ocorrido no Mineirão. O que não significa que a Copa do Mundo no Brasil não continue a ser um sucesso espetacular.

Nas muitas distorções cometidas na cobertura jornalística do Mundial, as duas linhas principais de erros foram o ufanismo com que o Seleção Brasileira foi tratada e o pessimismo embutido nas notícias anteriores ao início da Copa. O certo, sabe-se agora, seria o contrário.

No Brasil real, o povo recebeu a competição de braços abertos, encantando os turistas estrangeiros e fazendo seguidas festas em homenagem à  Seleção. Por mais que a mídia tradicional tentasse fazer da Copa uma prévia das eleições presidenciais de outubro, na qual o governo seria sacrificado em praça pública, o que aconteceu foi o apoio maciço do público à  competição, à  Seleção e ao próprio País. O vandalismo projetado não aconteceu, e todas as aglomerações de milhares de pessoas foram pacíficas e alegres. Esta característica já está marcada na história da Copa no Brasil: a alegria popular.

COMPETIà‡àƒO ELETRIZOU O PÚBLICO – Mesmo sem a Seleção Brasileira na partida final, no Maracanã, é certo que o Brasil venceu o desafio de sediar o Mundial. A competição eletrizou o público e atraiu cerca de 700 mil visitantes estrangeiros à s 12 cidades-sedes. Os gargalos que se anunciavam como intransponíveis, especialmente nos aeroportos, não ocorreram. Os jogos se deram de maneira pacífica, sem terem sido motivo para protestos e manifestações, muito menos para atitudes violentas debaixo de bandeiras sociais ou políticas. A Copa, por mais que quem torceu contra não tenha ficado feliz, transcorreu de maneira redonda.

A repercussão na mídia internacional à  receptividade oferecida pelos brasileiros aos visitantes foi em tudo positiva para o Brasil. Mais de 3 bilhões de pessoas ao redor do mundo assistiram à s partidas. Numa enquete com mais de mil jornalistas estrangeiros, a Copa foi considerada a melhor de todas as já realizadas em termos de organização, empolgação e resultados esportivos.

E Leia mais

8 de julho de 2014
por Esmael Morais
44 Comentários

Dilma ao Brasil: levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima!

do Brasil 247

Presidente Dilma Rousseff (PT) comentou o resultado do jogo entre Brasil e Alemanha, nesta terça (8), que tirou o país-sede do Mundial; "Assim como todos os brasileiros, estou muito, muito triste com a derrota. Sinto imensamente por todos nós, torcedores, e pelos nossos  jogadores. Mas, não vamos nos deixar alquebrar", publicou.

Presidente Dilma Rousseff (PT) comentou o resultado do jogo entre Brasil e Alemanha, nesta terça (8), que tirou o país-sede do Mundial; “Assim como todos os brasileiros, estou muito, muito triste com a derrota. Sinto imensamente por todos nós, torcedores, e pelos nossos jogadores. Mas, não vamos nos deixar alquebrar”, publicou.

A presidente Dilma Rousseff (PT) se manifestou no Twitter sobre o resultado do jogo entre Brasil e Alemanha, nesta terça-feira (8), que tirou o país-sede do Mundial. ... 

Leia mais

8 de julho de 2014
por Esmael Morais
29 Comentários

Dilma hoje é a “Pátria de Chuteiras” contra os abutres da velha mídia

do Brasil 247
Consertar uma tese jornalística errada não é fácil. Mas é o que tentam fazer, neste momento, alguns dos colunistas e editorialistas mais radicais da mídia tradicional. No circuito Merval Pereira-Reinaldo Azevedo-Arnaldo Jabor e outros, a tese que está em campo agora é em tudo diferente da que vigorou até momentos antes da classificação da Seleção Brasileira para a segunda fase do Mundial, dez dias atrás. Até ali, quando ainda existiam apostas contra o sucesso popular e de organização da Copa no Brasil, os mesmos articulistas da Rede Globo e do Grupo Abril trabalhar pelo estabelecimento do clima de medo e apreensão frente ao sucesso do Mundial. Engrossaram, à  sua maneira, o esvaziado #naovaitercopa !“ e ficaram completamente isolados nas arquibancadas vazias dos que apostaram no sucessos do evento.

Agora, numa ampla ofensiva que utiliza todos os meios disponíveis !“ dos programas ditos sérios na rádio CBN ao decadente Domingão do Faustão -, os mesmos caras pregam que o sucesso da Copa é de todos, em exceção. Mas que, se houver perda esportiva e aumento de críticas ao Mundial, a culpa deve recair exclusivamente sobre a torcedora número 1, a presidente Dilma Rousseff.

– Dilma e Lula não marcam gols, sublinhou, com certo desespero, Merval Pereira para seu parceiro Carlos Alberto Sardemberg, nesta terça-feira 8, num bate-bola do time do contra na rádio CBN. No domingo, Faustão fez as vezes de editorialista e repetiu, por dois minutos, que “a verdadeira Copa vai começar agora, com as eleições”, como querendo dizer que a #copadascopas é um evento menor, nada significativa para a vida de um País.

Pelo Grupo Abril, Reinaldo Azevedo irritou-se, em texto no site veja.com, com o gesto de “é tóis”, feito por Dilma com os braços, divulgado na página do Facebook da presidente. Ele reconheceu que não sabia do que se tratava, apesar de a expressão ser popular há pelo menos seis meses. E emendou dizendo que a presidente vibrar e torcer pela Seleção, por Neymar e pelo sucesso da Copa seria “uma tentativa canhestra do poder de manipulação do povo”. Nossa! Para Azevedo, será que Dilma deveria vestir luto por esses dias? Ou talvez sair do País, olhar a Copa de longe? O que ele queria, que Dilma, como ele, torcesse contra?

Por jogadas como essa, é mesmo dura a disputa pela camisa 10 no time dos que jogam contra. Muitos candidatos.

O problema com a tentativa de ajustar a posição editorial sobre a Copa !“ passando da aposta contra para a adesão oportunista e, ainda por cima, tentando criticar a postura da presidente da República por ter-se empenhado e acreditado no sucesso do Mundial !“ é que ela não dará certo. Dilma, esse é o fato, mergulhou de cabeça na Copa no Brasil. Publicamente, não vacilou em comandar a torcida, fazendo apelos pela realização da #copadascopas e jogando alto na capacidade de o povo brasileiro fazer um evento diferenciado. à‰ o que está acontecendo, a olhos vistos.

A esta altura, qualquer que seja o resultado esportivo da Seleção Brasileira, com vitória ou não na partida de 17h00, no Mineirão, em Belo Horizonte, contra a Alemanha, a Copa é um sucesso espetacular. E, como dizem as pesquisas, ajudou sim na recuperação da popularidade da presidente Dilma. Não serão colunistas que perdem credibilidade a cada dia que irão mudar essa situação.

Leia mais