28 de outubro de 2015
por admin
13 Comentários

Coluna do Rafael Greca: De água parada só se espera o veneno

Download

Rafael Greca*

Tenho pensado em trocar o nome desta coluna para “Desinteligência Urbana”. Quase tudo que vemos na atual Curitiba são erros de urbanismo somados a erros de administração.

Erros por cima de erros, que a atual prefeitura tenta esconder através um marketing governamental inútil, debochado, mentiroso e dispendioso para os contribuintes. Marketing este tripudiado, na semana que passou, pela prefeitura de São Paulo, para vergonha nossa.

Enquanto tenta tapar o sol, de suas más apostas políticas, com a peneira, o prefeito Gustavo Fruet (PDT) permanece imóvel. Infrutífero,em sua privilegiada zona de conforto, assistindo como rei de camarote,a deterioração da nossa Cidade de Curitiba, sem esboçar reação em favor dos contribuintes.

Autoridade vem de “augere”, do latim, agir. De um prefeito exige-se ação.

Na última quinta, 22 de outubro, uma chuva de 53 mm quase nocauteou Curitiba. Foram poucas as ruas que não alagaram devido os bueiros entupidos. As construtoras estão livres para amontoar areia, cimento e brita sobre os passeios, em cima dos drenos, ajudando o seu entupimento. Falta ação fiscalizadora.

As velhas galerias estão entulhadas de lixo, e até por cobertores e pertences dos moradores de rua, quando não são suas próprias “moradias”. Falta ação social. Não existe uma política de drenagem e saneamento.

Se tivéssemos implantado os drenos acumuladores de vazão, os bueiros 5 x 1, nos pontos críticos de cheia, uma proposta concreta que fiz na campanha de 2012, Curitiba não teria passado por mais este apuro.

“De água parada só se espera o veneno”, diria William Blake. Por isso, os ratos saem da toca, como aconteceu no CMEI do Ganchinho, creche fechada pelo sindicato por insalubridade e ameaça de leptospirose.

Desde quando creches em Curitiba deixaram de ser endereços saudáveis? Culpa da crise? Tudo é culpa de Brasília agora?

Enquanto ratos vazam nas creches, outro tipo de ratazana invade o outrora seguro transporte coletivo de Curitiba.

Nos últimos dias, três ocorrências graves. A primeira, no último domingo, 25, na boca da noite; um arrastão no Terminal do Portão assaltou os curitibanos que lá estavam.

A segunda, ontem, no final da manhã, na estação-tubo onde a rua Westphalem encontra a André